O nome páscoa surgiu a partir da palavra hebraica “pessach” (“passagem”), que para os hebreus significava o fim da escravidão e o início da libertação do povo judeu (marcado pela travessia do Mar Vermelho, que se tinha aberto para “abrir passagem” aos filhos de Israel que Moisés ia conduzir para a Terra Prometida).

Ainda hoje a família judaica se reúne para o “Seder“, um jantar especial que é feito em família e dura oito dias. Além do jantar há leituras nas sinagogas.

Para os cristãos, a Páscoa é a passagem de Jesus Cristo da morte para a vida: a Ressurreição. A passagem de Deus entre nós e a nossa passagem para Deus. É considerada a festa das festas, a solenidade das solenidades, e não se celebra dignamente senão na alegria.

Em tempos antigos, no hemisfério norte, a celebração da páscoa era marcada com o fim do inverno e o início da primavera. Tempo em que animais e plantas aparecem novamente. Os pastores e camponeses presenteavam-se uns aos outros com ovos.


English Version

The easter name originated from the Hebrew word “pessach,” (passing) which meant for the Hebrews the end of slavery and the beginning of the liberation of the Jewish people (marked by the crossing of the Red Sea, which had opened to “open Passage “to the children of Israel that Moses would lead to the Promised Land).

Even today the Jewish family meets for the “Seder”, a special dinner that is made with family and lasts eight days. In addition to dinner there are readings in the synagogues.

For Christians, Easter is the passage of Jesus Christ from death to life: the Resurrection. The passage of God between us and our passage to God. It is considered the feast of feasts, the solemnity of solemnities, and is celebrated not worthily but in joy.

In ancient times, in the northern hemisphere, the celebration of the Passover was marked by the end of winter and the beginning of spring. Time when animals and plants appear again. The shepherds and peasants gave themselves to each other with eggs.