Dia 12 de dezembro. Roma nublada e chuvosa. Uma igreja no meio da Via Vittorio Emanuele, área entre o Vaticano e a cidade secular, confunde-se com muitas outras igrejas em volta: San Andreas. Immacolata, Santo Antonio, são muitas, muitas igrejas em Roma! Comerciantes e moradores nem sabem informar onde ficaria a igreja erigida por São Felipe Néri, a chamada Nuova Chiesa.

Pouco conhecido no Brasil,  este santo é muito popular na Itália e no resto do mundo. Quem quiser conhecer a história emocionante de São Felipe, recomendo assistir ao filme “Preferisco il Paradiso” (Eu prefiro o Paraíso), protagonizado pelo ator Gigi Proietti. É possível ver a primeira e a segunda parte no YouTube, com legendas em Português.

Entretanto, se você ainda não teve o prazer de ver essa fita, que é uma obra de arte, posso lhe contar sobre a importância de São Felipe Néri para a Cristandade. Nascido em Florença, em 1515 e falecido em Roma em 1595, Felipe veio jovem a esta cidade e logo encontrou o caminho de sua santidade ao cuidar de peregrinos, doentes, idosos, crianças e evangelizar quem cruzasse o seu caminho. A exemplo de Cristo, acolhia ladrões e prostitutas, e obteve inúmeras conversões apenas ao abraçá-los e ouvir suas confissões.

Vários testemunhos apontam a figura de São Felipe Néri como o homem do grande coração, a ponto de poder ouvir e ver o seu pulsar ao defrontá-lo. Embora tenham sido atribuídos a ele milagres em vida, São Felipe sempre se recusou a admiti-los e conservou a humildade e o bom-humor, o que lhe valeu o apelido carinhoso de “O Santo da Alegria”. É famosa sua máxima “Longe de mim o pecado e a tristeza!”.

Felipe, fundador da Congregação do Oratório, e Inácio de Loyola, da Companhia de Jesus, mantiveram uma amizade e parceria histórica,  pois jesuítas e oratorianos trabalharam na reforma católica pós-Lutero, resgatando os princípios que nortearam os antigos cristãos e universalizando o cristianismo no próprio corpo da Igreja. Ambos apoiaram em suas ordens as artes, em especial a música, a pintura e a arquitetura. Em 1575, quando inquirido pelo papa Gregório XIII  sobre os estatutos da congregação, Felipe resumiu sua ordem com um único voto: o do amor ao próximo.

Nessa mesma data o papa deu a Felipe e seus colaboradores a oportunidade e os meios para reconstruir a igreja Santa Maria in Vallicella, que estava em ruínas, mas abrigava o culto à Madonna da Natividade,  uma imagem em afresco datado do século VI, até hoje no altar. Dentre as graças recebidas por São Felipe Néri, está o sonho que este teve durante a reforma da igreja. A Madonna teria aparecido e alertado Felipe sobre uma viga prestes a ruir. Ao acordar, o santo tratou de avisar aos construtores, que confirmaram o estado precário da viga e evitaram o desastre, poupando muitas vidas. Esta passagem está retratada no teto da nave central.

Dentro da Igreja, estão obras de pintores como Caravaggio e Guido Reni, dois expoentes do Barroco. Uma digressão: se você quer ver as obras de arte em Roma, o melhor local para encontrá-las são as igrejas. Em Santa Maria del Poppoplo, por exemplo, estão dois dos Caravaggios mais representativos: A Crucificação de Pedro e a Conversão de Paulo. Se você não gosta de igreja ou implica com quem gosta, vá ao Louvre e se prepare para ver muitas obras inexpressivas em seu percurso.

Também se encontra na capela à esquerda, a principal, o corpo sepultado de São Filipe encimado pelo retrato feito por Guido Reni. Nesse ambiente de recolhimento e contemplação, são celebradas missas vespertinas pelos quatro padres filipianos residentes em Roma. Na missa da qual participei, havia cerca de 100 pessoas, número expressivo em vista da frequência das cerimônias diárias, em quatro horários, cinco aos domingos.

São Felipe também criou orações e a peregrinação das Sete Igrejas, uma devoção que tem se perdido em virtude da pouca divulgação. Duas vezes por ano é possível participar dessa peregrinação, que acontece à noite, às oito horas, e dura 12 horas, isto é, termina às 8 da manhã. O roteiro é de 25 quilômetros a pé, e em todas as igrejas entra-se para oração. Reúnem-se católicos do mundo inteiro em uma viagem interior de reflexão e fé. Considero esse percurso o mais expressivo para nossa renovação espiritual. Descobrir o sentido da santidade dentro de si, olhando para o outro e em comunhão com Deus faz esse programa fundamental em uma viagem a Roma. Claro que você pode fazer isso da sua casa! Mas asseguro que aqui é outra experiência. A próxima peregrinação das Sete Igrejas está marcada para dia 11 de maio de 2018 e quem quiser mais informações ou reservar, basta acessar o site www.vallicella.org.

Tomo emprestado de outro Felipe, o Aquino, uma coleção de máximas de São Felipe Néri que podem nortear nossa vida:

1-“Então, caro amigos, quando é que começaremos a amar a Deus?”

2-“Quem quiser que lhe obedeçam muito, mande pouco”.

3-“Quanto de amor pomos nas criaturas, tanto tiramos de Deus”.

4-“Não tardes em bem obrar; porque a morte não tarda em vir”.

5-“Quem não puder dedicar longo tempo a oração deve, pelo menos, elevar muitas vezes o seu coração a Deus”.

6-“Neste mundo não há purgatório: ou é paraíso ou é um inferno. Os que suportam com paciência os sofrimentos desta vida gozam o paraíso. Quem assim não o faz, sofre o inferno”.

7-“É possível restaurar as instituições com a santidade, e não restaurar a santidade com as instituições”.

8-“Ser misericordioso com os que caíram é melhor meio para não cairmos nós mesmos!”

9- “Esta só razão devia bastar para manter alegre um fiel — saber que tem Maria Virgem junto de Deus, que pede por ele”.

10- “Longe de mim, o pecado e a tristeza!”

Para finalizar, costuro este texto com uma reflexão sobre nossa conduta como cristãos. São Felipe Néri fazia questão de acolher a todos mas combatia com coragem as ideias que levassem ao pecado, sem que isso fosse motivo de desânimo ou dúvida. Poderíamos, como ele, abraçar nosso irmão tão forte a ponto de ele sentir nosso coração? Poderíamos não titubear em nossa fé diante da ameaça de uma espada em nossa garganta? O que buscamos nessa vida que pode nos afastar da santidade a que fomos destinados? A resposta São Filipe, diante de tantas paixões que nos desviam: Eu prefiro o Paraíso.