Em um feriado de páscoa fui à belíssima cidade de Búzios onde na Praia da Armação conheci o escritor italiano Simone Gilardi, autor do livro “Non Chiamatemi poeta”. Napolitano, 32 anos e apaixonado pelo Brasil, Simone gosta de passar férias no Rio de Janeiro. Em uma destas férias nos encontramos e ele compartilhou comigo sobre uma situação que eu desconhecia e acredito de muitas pessoas também desconhecem.

Trata-se da Sensibilidade Química Múltipla (SQM), também chamada de doença ambiental, intolerância química ou hipersensibilidade química, identificada por um grupo de médicos dos Estados Unidos no ano de 1999, que constitui uma condição de difícil diagnóstico por envolver sintomas alérgicos bastante típicos tais como coriza, cefaléia, coceira nos olhos e até mesmo falta de ar. O problema se manifesta justamente quando a pessoa fica exposta a ambientes poluídos e também substâncias químicas.

A SQM não é um problema muito divulgado e até o momento os portadores não contam com grupos de apoio e centros de tratamento especializados. Infelizmente, nenhum país parece estar preparado ainda para diagnosticar e medicar rapidamente os pacientes tampouco orientá-los a este respeito. Na verdade, muito pouco se sabe sobre esta que é considerada por muitos como “um tipo raro de alergia”. O que se sabe é que, de fato, quanto mais poluído o Meio Ambiente mais as pessoas são afetadas. Uma boa quantidade de testes já foi realizada com pessoas que desenvolveram a SQM e o que se tem por certo é que quando elas estão em um ambiente mais puro, cercado pela natureza, por florestas, longe de fumaças de carros e cigarros, substâncias tóxicas e de cheiros intensos como mofo e certos tipos de tintas, elas obtém uma melhora considerável. Há estudos que demonstram que o quadro de doença ambiental é evolutivo sendo composto por diversos níveis de sintomas, podendo haver situações crônicas e até mesmo muito graves.

A questão da SQM nos chama atenção para uma vez mais notarmos a grande importância da natureza em nossas vidas. Quanto mais equilibrada e preservada estiver a natureza, muito melhor é para nós pois estaremos mais saudáveis e seguros. É preciso reverter esse quadro de poluição e má conservação do Meio Ambiente em nossos bairros e em nossas cidades em prol de nós mesmos e das gerações vindouras.

É a conservação do Meio Ambiente que nos direciona para um Desenvolvimento Humano Integral e para uma qualidade de vida perfeita. Basta a cada um de nós fazer a sua parte. Ajudar a natureza é ajudar ao próximo e a nós mesmos.

Agradeço ao escritor Simone Gilardi por ter compartilhado comigo um pouco de sua vida e por me permitir compartilhá-la com os leitores de Duna Press Periódico. Que a história deste poeta e sua sensibilidade possa tocar muitos corações e motivar as pessoas a criarem soluções efetivas e eco pró-ativas no mundo inteiro.

Saiba mais em:

http://sumagrande.com/article/uma-doena-causada-pela-poluio-m-c-s-sensibilidade-qumica-mltipla

https://wol.jw.org/pt/wol/d/r5/lp-t/102000561

http://buildingbiology.geohabitat.pt/pt/4-5-Produtos-poluentes–/Sensibilidade-quimica-multipla-(1)/