Os anos passam e você não entende porque sua família não consegue “sair do lugar”. O tempo passa e tudo continua igual. O que será que acontece?

Existem pelo menos 5 motivos pelos quais sua família não prospera. Quer conhecer? Nós te contamos!

 

  1. FALTA DE UNIÃO: A família alicerçada na palavra de Deus tem mais chances de prosperar porque além de os membros serem muito unidos, sonham juntos e trabalham em equipe. Todos se juntam em prol de um mesmo objetivo e desejam alcançar uma meta em comum. Cada membro sabe seu valor e sua importância individual e dentro do grupo familiar. Cada um colabora e contribui com alegria, debatendo respeitosamente todos os pontos convergentes. Cooperação e reciprocidade são traços de uma família que prospera.
  2. FALTA DE AÇÃO: A família unida enxerga todas as oportunidades com clareza e objetividade. A oportunidade de um membro significa a oportunidade para todos os membros. Não há lugar para inveja ou competitividade. Todos estão juntos no mesmo barco. Uma grande oportunidade não abraçada e deixada para trás é uma perda total para toda a família, seja um investimento em potencial, seja uma chance de desenvolver um trabalho em outro país ou empreender um negócio próprio. A ocasião perfeita não está em “um dia” ou no “quando” tampouco no “deixa pra mais tarde”. A sorte grande não está no futuro porque o futuro não existe ainda, é incerto e talvez você nem viva para vê-lo. A sorte grande está no hoje, no agora, no presente. Não adie. Não procrastine. Não empurre com a barriga. Seja resoluto. Seja resolvido. Talvez aquela chance que tanto se deseja só lhe seja ofertada uma vez na vida. Talvez aquele sonho que tanto se pede a Deus esteja a um passo de distância, a pergunta é: você está disposto a sair da inércia e dar esse passo? E quem está com você?
  3. FALTA DE POSITIVIDADE: A família unida age com positividade e não com negatividade ou fatalismo. Estudos das mais diversas áreas comprovam que quanto mais negativo se é, pior se fica. Quanto mais se critica, menos se cria. Quanto mais se condiciona, menos se faz. Até mesmo a Bíblia adverte: “O coração alegre serve de bom remédio, mas o espírito derrotado virá a secar os ossos.” (Provérbios 17: 22). É preciso encorajar e motivar as pessoas de sua família a seguirem em frente, a atuarem com excelente astral, com energia e vibrações positivas. Alegre-se com as conquistas de seus familiares, deseje-lhes todo o bem, que a alegria deles seja a sua também. Ofereça seu apoio sempre que precisarem e ajude-os a elevar sua auto-estima. Não aponte defeitos e erros, não aponte culpados: aponte soluções, saídas e estratégias. Sente-se com eles e trace bons planos. Livre-se dos “e se” e dos “só se”. Adote o “estou pronto”, “como posso ajudar” e o “conte comigo”. Você pode não concordar com seu familiar e achar que ele deveria fazer tudo diferente. Seus sonhos podem até mesmo ser opostos aos dele, porém lembre-se: a vitória dele é também a sua. E vice-versa. Ou deveria ser.
  4. FALTA DE COMPROMISSO: A família que se reúne para decidir os assuntos em família cresce tanto individualmente quanto como instituição, fortalecendo seus membros e tornando-os mais confiantes. Quando a família acredita realmente no potencial dos seus, quando confia neles, isso os torna seguros e independentes em todos os setores da vida. Pois eles convivem em um ambiente em que compreendem que tudo na vida constitui uma escolha. E que se é livre para escolher, ao mesmo tempo em que são ensinados que a escolha tem conseqüências. Aprende que se você teme as conseqüências de sua escolha, você não escolhe e se nada escolhe fica encima do muro, ou seja, não toma decisões, não se posiciona, se esquiva, se omite. Por medo de errar, por medo de compromisso, por medo de arriscar, por comodismo ou um caso de rigidez mental você mantém toda a família em um estado de passividade e inércia. Não massacre seus familiares com incertezas, inseguranças, desesperos e ataques de pânico. Seja para eles tal qual um poço de segurança, um bálsamo, uma boa dose de pílulas de entusiasmo e determinação, uma fonte de inspiração e perseverança. Nada muda, nada evolui se nenhum passo é dado com as justificativas furadas de “talvez não dê certo” ou “é perigoso” ou “é complicado” ou “não é para pessoas como nós”. Essas frases assoladas por um caráter altamente derrotista demonstram uma falta de compromisso tanto com o livre-arbítrio quanto com a escolha. Ora, somos livres para escolher e somos capazes de escolher com sabedoria. Somos filhos de Deus, e Deus nos capacita a realizar qualquer coisa que desejemos, desde que com sabedoria. Sua palavra nos guia aos seguintes pensamentos “posso todas as coisas Naquele que me fortalece” (Bíblia, Filipenses 4: 13) e “Todas as coisas me são permitidas, porém nem todas me convêm” (Bíblia, 1 Coríntios 6: 12). Portanto, a primeira escolha que se deve fazer é confiar ou não em Deus.
  5. FALTA DE TRABALHO NO NEGÓCIO FAMILIAR: A família unida que sonha junto e se apóia mutuamente tem todas as chances de se realizar e de realizar. A família que prospera é a que estuda e trabalha em conjunto para a execução de todos os seus projetos. Ela tem um projeto. Ela conhece seu projeto. Ela trabalha por seu projeto. Ela não dá lugar ao “eu nem sei fazer isso” ou “eu nem imagino do que se trata”. Ela se propõe a transformar. Ela se propõe a buscar saber, buscar saberes. Ademais, há um encaixe perfeito em todos os planos familiares, que contemplam a todos os familiares, todos alcançam a felicidade individual dentro de um plano em família simplesmente porque há espaço para todos. Todos compreendem os propósitos de Deus e sua missão dentro da família. A individualidade e a privacidade de cada membro são respeitadas e todos são ouvidos. Todos os empreendimentos são estudados e postos em prática com a orientação, auxílio, boa vontade e disposição de todos. Todos trabalham uns para os outros na certeza de que o que é de um é de todos. Há coerência e conexão em todos os empreendimentos tal qual uma cadeia, uma rede, uma teia onde todos amam o que fazem. Todos se conhecem e sabem lidar com cada membro, conhecendo seus limites e seus dias bons e dias maus. O trabalho é árduo, porém gratificante e todos reconhecem o valor do trabalho do outro e são gratos uns aos outros. Todos trabalham e administram bem os negócios em família porque desejam crescer junto porque sabem que juntos são e serão sempre muito mais fortes. E que esse é o legado que passará de geração em geração.

 

Há quem diga que não dá para trabalhar com pessoas da família porque sempre dá confusão. Contudo, esse pensamento é uma armadilha, e que não se aplica para famílias cristãs, pois o cristão sabe que “Deus não é um Deus de confusão e sim de paz” (Bíblia, 1 Coríntios 14:33). Discordâncias e pensamentos opostos acontecem em todos os lugares porque todos nós somos humanos e como tais somos diferentes uns dos outros e também imperfeitos e suscetíveis a erros e falhas. A paciência e a capacidade de coexistir com o diferente e com o falho é uma virtude que deve ser exercitada através da fé e da oração, que, aliás, é a maior arma que o ser humano possui e a única que o conecta com o Criador. Enquanto se acreditar que não há possibilidade de trabalhar em família a sua família jamais vai prosperar.