Nascido em 8 janeiro de 1942, o físico inglês sempre foi apaixonado pelo o que há fora do planeta Terra. Seu foco principal na vida era entender o universo de forma completa, sem deixar uma lacuna sequer.

Depois de se formar em física na universidade de Oxford em 1962, Hawking começou suas pesquisas sobre cosmologia e teoria geral da relatividade. No ano seguinte (quando completou 21 anos), após uma queda de patins, foi levado ao hospital e lá, foi diagnosticado com uma doença degenerativa chamada Esclerose Lateral Amiotrófica (ELA), que atrofia os membros do corpo com o passar do tempo. O médico deu a Stephen, uma estimativa de vida de apenas mais três anos. Mas, ao invés de se entregar a doença e desistir de tudo, ele não parou e continuou a vida normalmente, como se a doença nem existisse. Em 1967 completou o doutorado com sua tese “Propriedades dos Universos em Expansão”, que tem por centro, a teoria de Einstein, onde diz que o universo vive uma constante dilatação.

Cinco anos após o diagnóstico (ainda vivo), surge sua primeira teoria viável: a de que os buracos negros não são formados por vácuos, mas sim, por radiação. Esta, os permite perder massa “devorando” a antimatéria, e quando perdem mais do que ganham, encolhem e desaparecem. A teoria levou o nome de Stephen, e ficou conhecida como “Radiação de Hawking”. Após se aprofundar na teoria da relatividade de Albert Einstein e desenvolver novos parâmetros, em 1973 lançou seu primeiro livro de caráter acadêmico com o apoio do cosmólogo George Ellis (Também da Universidade de Cambridge), chamado “A Estrutura em grande escala do espaço-tempo”. Nele, Stephen (junto com George) discute o significado da curvatura espaço-tempo, analisa as equações exatas de Einstein e usa como base a teoria geral da relatividade para estudo e compreensão dos buracos negros.

Com o passar do tempo, a doença degenerativa de Stephen aumentava de proporção. Em 1974, precisou ser posto na cadeira de rodas, por não conseguir mais andar em função do atrofiamento de suas pernas. Mesmo assim, com superação e determinação, continuou a avançar. Cinco anos depois, empossou o cargo de professor lucasiano de matemática em Cambridge, função que antes fora ocupada por Isaac Newton.

Stephen perdeu a capacidade de falar em 1985, não só por causa da ELA, mas também por conta de uma pneumonia que adquiriu. Precisou se submeter a uma traqueotomia de emergência e teve as cordas vocais danificadas. A partir daí, foi criado um sistema único de comunicação para o físico: um gerador de fala acoplado à cadeira de rodas. Funcionava da seguinte forma:

  • Com o movimento de suas bochechas, o sensor do sistema integrado ao óculos de Hawking, o ajudava a escolher as palavras;
  • Essa tecnologia foi melhorada e passou a ter preenchimento automático, hoje presente nos celulares;
  • Um sintetizador de fala conectado ao sistema verbalizava as frases.

Era assim que Stephen se comunicava em suas palestras, aulas e conferências pelo mundo. Nada o impedia de continuar seu sonho de compreender todo o universo. Em resposta à suas dificuldades, em 1988, lança o livro que marcou a literatura científica: “Uma Breve História do Tempo”. Foi um sucesso estrondoso, pois vendeu mais de 10 milhões de cópias por todo o mundo e ficou por 237 semanas na lista dos mais vendidos do jornal dominical britânico Sunday Times. Nesse livro, Hawking responde de forma bem-humorada, as perguntas mais comuns da humanidade, em relação a origem do universo, se ele é infinito ou não, além de questões sobre o tempo.

Stephen decidiu em 1992, transmitir ao vivo pela BBC, 13 ensaios (acompanhados de uma entrevista) voltados ao estudo dos buracos negros e sua relação com a matéria que entra neles, onde Hawking afirma que são transportadas para um “universo-bebê” (Paralelo), e a impossibilidade de objetos escaparem da fronteira deles. Dois anos depois das experiências, o físico lança em livro, todo o processo de seus experimentos realizados nessa transmissão.

Alguns anos depois, Stephen publicou aquele que foi seu 4° livro e 2° maior sucesso de vendas (Depois de Uma Breve História do Tempo): “O Universo Numa Casca de Noz”. Abandonando as equações, a matemática avançada, e outras ferramentas complexas, Hawking escreveu esse livro para que os leigos em cosmologia e física, pudessem entender de forma clara, o funcionamento do universo e buracos negros. Incluiu ilustrações e legendas, para facilitar o acesso ao conhecimento e assim, não deixar dúvidas sobre como o cosmos funciona.

Diante de tantos avanços proporcionados por esse gênio, enfim chega o momento de ganhar um prêmio. Em 2009 recebeu das mãos do então presidente Barack Obama, a Medalha da Liberdade, principal condecoração civil americana, por suas pesquisas sobre as leis que regem o universo.

Após anos de estudos e pesquisas, de olhos fixos nas estrelas e na luta contra a doença ELA, Stephen Hawking lança em 2013 sua auto  biografia intitulada “Minha Breve História”. Nela, o físico conta de forma bem-humorada e sincera, sua trajetória não só na vida acadêmica e científica, mas também, na vida conjugal e familiar. Essa biografia é um conjunto de amostras de como o cientista que recebeu uma estimativa de vida muito curta, foi capaz de viver bem mais e melhor do que se podia imaginar, e trazer novas descobertas e conhecimento para a ciência e para o mundo.

Ele apareceu em diversas produções em vida, como nos seriados “Os Simpsons”, “Big Bang: A Teoria” e Star Trek, onde na sexta temporada deste último, aparece jogando baralho numa mesa junto com Isaac Newton e Albert Einstein. Mas a principal obra feita em homenagem ao físico, foi o recente filme que conta sua história: “A Teoria de Tudo” (2014), que recebeu 5 indicações ao Oscar. Stephen foi interpretado por Eddie Redmayne, que ganhou o prêmio na categoria melhor ator em 2015. O longa foca o romance vivido por Hawking, com sua primeira esposa Jane Hawking, antes e depois de receber o diagnóstico da doença degenerativa que possuía. É uma produção recomendada para quem quer saber o lado conjugal de Stephen.

Vale mencionar, que duas semanas antes de sua morte (No dia 4 de março), o físico publicou seu último artigo, que foi intitulado como “A suave saída da eterna inflação”. Nele, Hawking disserta sobre a existência de universos paralelos, muito comuns em filmes de ficção científica. A teoria que conclui esse texto, é de que o nosso universo irá desaparecer, como as estrelas que se apagam com o fim da energia.

Stephen Hawking sem dúvidas, marcou o século XX e XXI. Suas teorias em relação ao universo, trouxeram esclarecimento e eliminaram dúvidas. Não por coincidência, ele nasceu no mesmo mês que Isaac Newton, ocupou seu cargo na Universidade de Cambridge e morreu no dia que Einstein nasceu. Isso é sinal de que ele foi mais um gênio da humanidade.

A seguir, dedicamos o espaço para lembrar as principais frases de Stephen Hawking:

  •  “Olhe para as estrelas e não para seus pés”
  • “Somos apenas uma estirpe avançada de macacos em um planeta menor de uma estrela muito comum. Mas podemos entender o universo. Isto nos torna muito especiais”
  • “O Nobel é dado apenas para trabalho teórico que foi confirmado pela observação. É muito, muito difícil observar as coisas em que trabalhei.”
  • “Minhas expectativas se reduziram a zero quando tinha 21 anos. O restante foi um presente”
  • “O maior inimigo do conhecimento, é a ilusão do conhecimento.”
  • “Acredito que o desenvolvimento pleno da inteligência artificial poderia significar o fim da raça humana”
  • “Pessoas que se vangloriam do seu QI são perdedoras”
  • “A cruz de minha celebridade é que não posso ir a lugar nenhum sem ser reconhecido . Não basta colocar óculos escuros e uma peruca. A cadeira de rodas me entrega.”
Stephen Hawking (1942 - 2018)

(Foto: divulgação)

Stephen Hawking (1942 a 2018)

Saiba mais em:

Livro: Large Structure of Space-Time:
Última entrevista do Stephen Hawking:
Entrevista no programa 60 Minutes:
Tese de doutorado do Stephen Hawking:
Artigo de Hawking na Nature:
Galeria de imagens no Washington post:
Royal Astronomical Society:
Texto na Astronomy Now:
Texto na Nature:
Post no The Conversation com uma linha do tempo da vida de Stephen Hawking:
Site com todas as publicações do Stephen Hawking:
Artigo sobre a radiação Hawking:

Website Comments

  1. Vera Helena Pancotte Amatti

    Eu amei esse texto! Desperta para o melhor do ser humano e aponta para a contínua possibilidade de superar as dificuldades. Parabéns.

    • Adonai Xavier Vieira Oliveira

      Obrigado Vera! Que bom que gostou!