“A multidão que ia adiante dele e os que o seguiam gritavam: Hosana ao Filho de Davi!
Bendito é o que vem em nome do Senhor! Hosana nas alturas!” (Mateus 21:9)

É uma emoção sem igual a chegada do Domingo de Ramos, eu logo me lembro dos meus tempos de infância com meus pais na igreja. Domingo de Ramos era sempre muito aguardado. Ao som de “Hosana” nós agitávamos os ramos em profundo louvor. Depois saíamos às ruas entoando salmos e hinos com a maior alegria do mundo.

Domingo de Ramos é uma festa cristã que antecede a Páscoa e traz à memória a entrada de Jesus Cristo em Jerusalém sob aplausos e cânticos de “Hosana nas alturas bendito seja aquele que vem em nome do Senhor”. Os ramos de oliveiras e palmeiras simbolizam a vitória, e têm forte associação com o Batismo. O festejo constitui o evento que nos prepara para o período da Semana Santa, uma semana de intensa reflexão e fé marcada por momentos distintos de emoções fortíssimas: a entrada triunfal de Cristo, a última ceia, a traição, a agonia, o julgamento, a crucificação e a ressurreição.

Em boa parte do mundo cristão, o Domingo de Ramos é considerado parte da Quaresma. As procissões têm o objetivo de relembrar cada momento passado por Cristo em seus últimos dias de vida na Terra e também assinalar a glória da ressurreição desde o primeiro momento em que Maria Madalena o vê e recebe o pedido mais sublime de toda a sua vida: “ide e anuncie a todos”.

Oficialmente a Semana Santa começa no Domingo de Ramos, que é precedido pelo Sábado de Lázaro. E, em algumas localidades, são adotados popularmente os seguintes termos para apontar para os passos de Jesus: Segunda-Feira da Prisão, Terça-Feira do Calvário, Quarta-Feira das Trevas, Quinta-Feira da Agonia, Sexta-Feira da Paixão, Sábado de Aleluia ou Sábado Santo e Domingo de Glória, também conhecido como Domingo de Ressurreição ou Domingo de Páscoa.

A Quinta-Feira Santa encerra o período da Quaresma. Em várias igrejas ocorrem vigílias, sendo que a vigília pascal ocorre no Sábado de Aleluia. O Domingo de Páscoa dá início a um período de 50 dias que representa os dias em que Jesus Cristo, após sua ressurreição, esteve presente transmitindo conhecimentos a  seus discípulos antes de ser elevado ao céu, evento celebrado na Festa da Ascensão, na Quinta-Feira da Ascensão, a qual precede o Domingo de Pentecostes, uma celebração igualmente significativa no calendário cristão, pois marca a descida do Espírito Santo, o Paráclito consolador, sobre os apóstolos de Jesus e sobre Maria de Nazaré.

Como vemos, o Domingo de Ramos compõe um momento peculiarmente especial: é parte da Quaresma e dá início à Semana Santa, semana que se encerra no Domingo de Páscoa, domingo esse que nos conduz a um período que culmina no Domingo de Pentecostes, que é seguido do Domingo da Santíssima Trindade e da Quinta-feira de Corpus Christi.

A relevância de uma data como esta é viver uma celebração em família, dialogando sobre os acontecimentos e mais do que isso:orar em família. A tradição uma vez mais nos chama para o valor que há em orar e orar em família. Famílias que oram juntas são mais fortes e unidas. Toda família precisa de membros que orem e intercedam uns pelos outros. A força da família está aí e a chave para a felicidade e prosperidade familiar também. A força vem da oração. Oração é palavra, é verbo. E o verbo se fez carne. Dirigir-se ao Criador, adorá-lo, salmodiá-lo, louvá-lo… Tudo isso nos fortalece e nos alegra. Tudo isso nos conduz à sabedoria e ao entendimento dos livros sagrados. Joelho no chão e coração quebrantado: isso nos leva à Deus e nos torna mais irmãos.

Nos dias atuais, o que mais falta no mundo é a fraternidade. Por isso, que este Domingo de Ramos nos ajude a meditar e a pensar a comunhão e a coexistência. O mundo só vai melhorar no momento em que as pessoas, ao invés de se separarem, se unirem.

 

Comments are closed.