Atualmente, o Reino da Noruega é um dos países da Europa que mais apóia o direito de educar em casa. Conhecida internacionalmente por sua organização, a Noruega exige observância de rigorosas normas para a educação domiciliar. Os educadores domiciliares são treinados, registrados, reconhecidos pelas autoridades e monitorados. Há projetos e estatísticas sobre tudo o que envolve esse tipo de educação e havendo irregularidades ou suspeita de que a criança não esteja em um ambiente seguro ou esteja sendo doutrinada os pais não apenas perdem o direito de educar em casa como também perdem a guarda dos filhos. Há uma lei que exige supervisão municipal da educação domiciliar e serve justamente para minimizar a probabilidade de situações prejudiciais para as crianças.

Levantamentos estatísticos comprovam que do ano 1994 ao ano 2000 a quantidade de homeschoolers na Noruega passou de 40 para 400 alunos, o que indica um crescimento gradativo no setor. As estatísticas são possíveis, pois há um sistema de matrícula para os homeschoolers que se chama “alunos matriculados em casa”. Em muitas regiões, as escolas privadas, elas mesmas, oferecem o serviço de Homeschooling e recrutam professores especialmente para esta finalidade.

Outro dado interessante é que a Noruega classifica os educadores nacionais noruegueses atuantes no Homeschooling em 4 categorias:

  1. Estruturados – são os pais de classe média, geralmente praticantes de uma religião, que preferem educação em casa ao invés de ingressá-los em uma escola secular. Muitas vezes, transformam a casa em uma pequena escola.
  2. Unschoolers – são os pais de classe média cujo estilo de vida é alternativo e, por isso, preferem oferecer ao estudante possibilidades naturais de aprendizagem e aprendizado auto-dirigido, preferem ensino a partir das experiências.
  3. Práticos – são os pais da classe rural que oferecem uma educação mais prática. São contra excesso de conhecimento teórico na escola.
  4. Desconhecidos – são educadores oriundos de pequenos grupos como os ciganos.

Segundo o pesquisador Christian Beck, a educação domiciliar está sendo implementada na maioria dos países modernos. Alguns pais escolhem assumir a responsabilidade pela educação de seus filhos até os filhos atingirem a idade da escolaridade obrigatória e este fenômeno está em ascensão. Para ele, a educação domiciliar representa uma alternativa de base pós-moderna à escola tradicional e oferece uma abordagem inovadora e crítica à pedagogia contribuindo com políticas educacionais com novos elementos.

Conforme Beck há documentos que indicam que os alunos educados em casa obtêm bons resultados nos exames, e que recebem uma educação satisfatória pontuando pelo menos igualmente aos alunos educados na escola. Além disso, a maioria dos alunos matriculados em  casa que foram observados pelos pesquisadores demonstrou ter sido adequadamente socializado.

As regiões em que a educação domiciliar é mais prevalente são as do norte e sul da Noruega, e em uma base per capita, estas regiões apresentam três vezes o número de educadores domésticos em relação ao leste da Noruega, o dobro do que a Noruega central e quase cinco vezes mais do que a Noruega ocidental.

Christian Beck afirma com base em sua pesquisa que a educação domiciliar contribui para o debate sobre políticas educacionais na forma de novas idéias e perspectivas oferecendo assim uma nova base para avaliar o pensamento educacional.

Saiba mais acessando:

Departamento de Educação da Noruega – Home Education in Norway. Clique aqui.

Instituto de Pesquisa Educacional de Oslo. Clique aqui.

Pedagogia norueguesa:

Beck, CW, Hjemmeundervisningens motiver, utbredelse og integrasjon i samfunnet et utdanningspolitisk speil. Norsk pedagogisk tidsskrift no. 3 2006 s. 191 – 204.