Poema épico do final do século XII, O Slovo ou “A Campanha do Príncipe Igor” é uma das grandes obras da literatura russa.

Baseada em fatos reais, a narrativa, de origem eslava, discorre acerca de uma conturbada expedição liderada por um príncipe medieval, Igor, que na companhia de seu filho, Vladimir, deixa seu reino aos cuidados de sua esposa e de seu cunhado a fim de lutar contra um exercito opositor e conquistar novos territórios. Infelizmente, a empreitada de Igor não alcança o êxito desejado, além de não contar com o apoio da princesa (esposa de Igor), após o início das batalhas, os príncipes Igor e Vladimir são capturados. No reino, a situação também é crítica, pois o cunhado de Igor, apoiado por alguns súditos, revela-se um potencial traidor que quer Igor longe do palácio para que ele possa assumir o comando local e o trono. O cunhado de Igor não mede esforços e faz vários reféns, exilando inclusive sua irmã, a princesa. No entanto, a fé e a retidão de Igor fazem com que ele não apenas consiga fugir bem como retornar à sua cidade, onde pede perdão para sua esposa e para seu povo pela decisão equivocada que tomou.

O compositor Aleksandr Borodin adaptou a obra, inicialmente mero conto regional, para uma ópera de 4 atos. O curioso é que o compositor veio a falecer antes de terminá-la, sendo finalizada pelos também compositores Nikolai Rimsky- Korsakov e Alexander Glazunov. A ópera teve sua estréia em São Petersburgo, em novembro de 1890, sob o título de “ O Slovo”.

A ópera “O Slovo” apresenta uma releitura da vida do Príncipe Igor Sviatoslavich (1151 a 1202) do território de Rus´de Kiev. Com um prólogo e 4 atos, a ópera tem início com o Príncipe Igor partindo para lutar contra os Cumanos – nômades polovetzianos, que vinham da Turquia oriental ( Cazaquistão), e que juntamente com os também turcos Kipchaks haviam conquistado o sul da Rússia e da Valáquia, e que por aproximadamente dois séculos guerreavam contra o Império Bizantino, contra a Hungria e contra Kiev.

Os atos da ópera dividem-se nos quatro grandes momentos da empreitada de Igor: a decisão de Igor de reunir seu exército para uma campanha militar contra os polovtsianos, levando inclusive seu filho, e deixando a sua cidade – estado de Putivl contrariando a sua consorte a princesa Yaroslavna; a chegada de Igor e Vladimir no campo de batalha e o infortúnio de suas prisões, ao mesmo tempo em que seu cunhado Vladimir Galitsky o trai a fim de usurpar o trono, incitando o povo a uma rebelião; a princesa é exilada em um convento por seu próprio irmão (cunhado de Igor) que será alvo de emboscada, sendo assassinado em uma revolta que deixa a cidade em ruínas; e por fim, o choro e o lamento da princesa desesperançada que acredita ter de reinar sozinha em uma cidade destruída e tendo sua família toda morta, dando lugar ao louvor e ação de graças pelo retorno do príncipe vivo à sua cidade e à sua consorte. Igor, em um ato de impecável nobreza, dirige-se ao seu povo mostrando-se totalmente arrependido pelos acontecimentos e assumindo toda a culpa pelo fracasso. A ópera atinge seu ponto alto com Igor convocando todos da cidade para se unir e reconstruir sua cidade e suas vidas.

A grande lição do conto poético sobre a vida do Príncipe Igor parece estar no fato de que apesar de malsucedida a expedição, a virada heróica de Igor vai além de ele e de seu filho terem saído vivos da batalha. A demonstração de humildade e altivez ao reconhecer suas falhas, e seu apelo sincero e amistoso a toda população para que juntos construíssem um futuro melhor e mais feliz é exatamente o que todos os cidadãos sempre sonharam e, provavelmente, ainda sonham. Daí, o sucesso atemporal da obra.

Leia o livreto em PDF acessando aqui.

Assista via EuroArtschannel (From the Mariinsky Theatre in St. Petersburg, Russia (1998) Kirov Opera Company & Kirov Ballet) clique aqui.

 

* A Professora Clarissa Xavier Machado é membro do Círculo Literário do Clube Naval e publicou este artigo na Revista Mare Nostrum em junho de 2016.