Macau é uma Região Administrativa Especial da China cuja língua oficial é o português. Macau foi administrada por Portugal por aproximadamente 400 anos.

Ainda hoje, Macau tem freguesias com nomes bastante lusitanos:

Freguesia da Sé;

Freguesia de Nossa Senhora de Fátima;

Freguesia de Nossa Senhora do Carmo;

Freguesia de Santo António;

Freguesia de São Francisco Xavier;

Freguesia de São Lázaro;

Freguesia de São Lourenço.

Macau é um lugar lindo que guarda uma atmosfera super lusitana e cujo centro histórico foi reconhecido como Patrimônio Mundial pela UNESCO. E é lá que justamente acontece um fórum de cooperação econômica e comercial com os países de língua portuguesa: o Fórum de Macau.

No site oficial do Forum(*), consta que:

“O Fórum para a Cooperação Económica e Comercial entre a China e os Países de Língua Portuguesa (Macau) foi criado em Outubro de 2003, por iniciativa do Governo Central da China, sendo organizado pelo Ministério do Comércio da China, beneficiando da colaboração do Governo da Região Administrativa Especial de Macau e em coordenação com 8 Países de Língua Portuguesa, nomeadamente Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe e Timor-Leste. O Fórum de Macau é um mecanismo multilateral de cooperação intergovernamental, sem carácter político, centrado no desenvolvimento económico e comercial e tendo como objectivos consolidar o intercâmbio económico e comercial entre a China e os Países de Língua Portuguesa, dinamizar o papel de Macau enquanto plataforma de cooperação entre a China e os Países de Língua Portuguesa e fomentar o desenvolvimento mútuo entre o Interior da China, os Países de Língua Portuguesa e a RAEM. O Fórum de Macau está permanentemente sediado em Macau.

O Fórum de Macau organiza, cada 3 anos, uma Conferência Ministerial. Foram realizadas, com sucesso, 5 edições da Conferência Ministerial respectivamente em Outubro de 2003, em Setembro de 2006, em Novembro de 2010, em Novembro de 2013 e em Outubro de 2016. Nestes encontros ministeriais foram aprovados os “Planos de Acção para a Cooperação Económica e Comercial” que definem e planificam a cooperação nos âmbitos económico e comercial entre a China e os Países de Língua Portuguesa em sequências trienais”.

O Fórum de Macau ainda conta com a participação de países da África: Angola, Cabo Verde, Guiné-Bissau e Moçambique, tendo São Tomé e Príncipe participando como observador.

Segundo dados da Embaixada de Portugal em Oslo:

“O português é, actualmente, a quinta língua mais falada do mundo e o idioma oficial de Portugal, Brasil, Angola, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, São Tomé e Príncipe e Timor-Leste. É também utilizado em Macau, território sob a administração portuguesa até 1999, e em Goa. O português está, ainda, na base de cerca de vinte línguas crioulas e afirma-se como importante idioma minoritário em países como Andorra, Luxemburgo, Namíbia, Suíça e África do Sul, por obra das numerosas comunidades portuguesas ali radicadas”. (**)

Além do Forum Macau também sedia outros eventos ligados à língua portuguesa como:

  • Colóquio sobre o Ensino da língua portuguesa (Universidade de Macau): o Colóquio promove um panorama sobre o ensino da Língua Portuguesa, e é uma forma de intercâmbio educativo e lingüístico com os professores chineses do interior da China e de Macau constituindo uma troca de experiências sobre ensino da gramática, leitura, escrita e avaliação para o domínio de ambas as línguas.  Graças a Macau “No interior da China há muita procura pelo português e muitas cidades têm faculdades de Letras que ensinam a Língua Portuguesa. Mas ainda é preciso elevar a qualidade do ensino. Estas universidades do interior da China podem aproveitar estas oportunidades”, (Secretário-Geral do Secretariado Permanente do Fórum de Cooperação Económica e Comercial entre a China e os Países de Língua Portuguesa );
  • Conferência Internacional Ensino e Aprendizagem de Português como Língua Estrangeira (***) – (Universidade de Macau) – a proposta é reunir professores que ensinam ou investigam o Português na Ásia, e particularmente em Macau, e promover a investigação científica e a experiência profissional na área do Ensino-Aprendizagem de Português na Ásia e a interação entre acadêmicos asiáticos em geral. Na conferência foi apresentada a Associação de Estudos de Língua Portuguesa Portugueses da Ásia (AELPA), a primeira do continente, à imagem de outras associações de professores, investigadores e acadêmicos de Estudos lusitanos no mundo. A idéia é que a AELPA tenha sede móvel, dois anos em cada instituição. Os primeiros dois anos foram cumpridos em Macau, na Universidade de Macau;
  • Semana Cultural da China e dos Países de Língua Portuguesa;
  • Conferência internacional Confluências em Português: Linguística, Literatura e Tradução (Faculdade de Letras, Universidade de Macau).
  • Simpósio Mundial de Estudos de língua Portuguesa;
  • Encontro em Macau – Festival de Artes e Cultura entre a China e os Países de Língua Portuguesa;
  • TEATRAU – Mostra de Teatro dos Países de Língua Portuguesa.

Macau tem mesmo muita força na defesa da língua portuguesa e na luta pela manutenção do ensino em língua portuguesa. Países africanos têm aderido à luta de Macau pela preservação da cultura lusitana.

Cabe salientar que é fundamental conservar as raízes lusitanas, porém isso não deve interferir na identidade de cada país. A língua portuguesa é falada em vários países com suas características próprias e seus costumes, costumes esses que contam a história e a tradição local.

Saiba mais em:

(*)Site oficial do Forum de Macau: Forum de Macau

(**) Embaixada de Portugal em Oslo

(***) Plataforma 9

Leia mais em Forum de Macau de 24/01/2019.

Crédito da imagem: Turisver

Facebook Comments

Comments are closed.