fbpx
Política

O jogo de Xadrez Latino Americano: Era uma vez um país chamado Venezuela…

Compartilhar

O caso da Venezuela mostra claramente uma luta sobre outras posturas.

A questão humanitária? Será que essa é a verdadeira causa desse empasse? O reconhecimento, pelo governo brasileiro, assim como de outros governos mundo a fora da legitimidade de Juan Gaidó como real governo venezuelano? A suposta colocação do desejo de dominar o petróleo venezuelano pelos EUA?

Na verdade o que temos a frente é um grande Tabuleiro de Xadrez com peças colocadas para mais uma jogada estratégica do globalismo mundial.

Vamos analisar outro governo de esquerda na América: Bolívia. Até contra a Bolívia de Evo Morales, Maduro está se votando contra. Fechando as fronteiras.

No caso do Brasil a questão é muito pontual. Se tivesse sido vencida as eleições com HANDRADD ou seja indiretamente com o LULA, pois, o poste estaria no Alvorada, mas, quem mandaria seria o Molusco, hoje teríamos o Brasil se voltando para o regime de excessão instituído na Venezuela e talvez estivéssemos começando um momento difícil em nossa nação com ilegalidades se tornando legalidades.

Bem ao estilo de regimes de excessão que já tivemos no mundo: na China, na Rússia, em Cuba, Angola, Alemanha, Itália, Romênia, Polônia, etc, etc.
Regimes ditatoriais que em nada pensam no povo e somente nos seus botões, a Venezuela vive esse empasse político de ter um governo dito legítimo, e outro que vem se mantendo por imposições desde a época do iniciador do Bolivarianismo, Hugo Chávez.

Enquanto escrevia este texto um participante de um grupo de WhatsApp que faço parte, fala das FARCs, o que é um grande problema interno para nós, visto que muito de nossos grupos de crime organizado se ligam a elas ou pelo narcotráfico ou pela venda de armas.

A Venezuela nunca foi um problema para o Brasil, os nossos problemas começam durante a Era PT e com Chávez, pois, através do FORO DE SÃO PAULO, essa organização criminosa continental, esses regimes de excessão tentaram se impor no país. Aqui com o PT, lá na Venezuela com o Bolivarianismo de Chávez, na Argentina com Cristina Fernández de Kirchner que acabou derrotada por Macri. Enfim, são conjunturas muito maiores que apenas uma briga na fronteira.

O que a Venezuela quer com as bençãos do Comunismo internacional e da NOM, capitaneada pela ONU e por Soros, é reviver aqui uma Guerra Fria Latino Americana para buscar criar aquele projeto de base do FORO DE SÃO PAULO – a PÁTRIA GRANDE.
A URSAL que tantos ridicularizaram o Daciolo, (bom ele foi enfático até de mais), mas, criar uma União das Repúblicas Socialistas da América Latina era o grande sonho da URSS e de Cuba.
Geopolíticamente falando, se a queda da URSS não tivesse ocorrido e a URSAL tivesse sido criada na AL, teríamos dois pólos: Europa e América de um lado e China, do outro, caindo sobre os EUA.
A destruição da URSS acabou com esse cerco estratégico aos EUA, a China teve de mudar seus rumos Econômicos para sobreviver. A Rússia de Putin ficou sozinha, tinha de fomentar essa revolta em algum ponto.
Usa-se as nações BUCHA DE CANHÃO.
Venezuela, Brasil, Bolívia com a orientação de Cuba.
Porém, não Contavam com a queda na Argentina da Presidente Kirchner, uma certa mudança de postura de Morales, não se afinando 100% com a coisa, a morte de Fidel, a saída de Raul Castro do governo, Vitória de Bolsonaro no Brasil.

A Venezuela se vê sozinha e tendo de agir para não deixar morrer a questão Socialista na AL, leva o país a esse extremo.

Pode parecer uma viagem, uma Teoria da Conspiração, mas, são dados técnicos que não se falam, são questões que o povo não liga as pontas dos fios para analisarem, são questões que parecem separadas, mas, que estão ligadas por uma sutileza muito grande. E aí pergunto: Cadê o Auto Comissariado das Nações Unidas pelos Direitos Humanos que nada fazem pelo povo da Venezuela? Onde está a Organização dos Estados Americanos que não se manifestam?
Onde estão todas as ONGs ditas humanitárias? Só se preocupam com a Morte de Marielle?

Estamos num grande Tabuleiro de xadrez onde somos peões de jogadores poderosos, sem condições de nós mover. Ou tomamos medidas curativas e profiláticas ou teremos de amputar o membro, pois a gangrena socialista já está aí.
Ou tomamos uma medida de NAÇÃO, defendendo nossa soberania, ou então melhor fazer como avestruzes: Enterrar a cabeça na areia e deixar passar a tempestade.
É uma briga de cachorros, como sou um Gato, fico no meu canto vendo a briga acabar ou, me alio ao cachorro da casa e o apoio.
Prefiro a segunda opção.

Rio, 24/02/2019

Luiz Gustavo Chrispino

Print Friendly, PDF & Email

Luiz Gustavo Chrispino

Olá, sou Luiz Gustavo Chrispino Históriador, Professor de História e Geografia, Jornalista, Escritor, Conservador, Monarquista e Pró-Monarquia Parlamentar Constitucional Federalista. Membro do Conselho Curador da Fundação Cultural Palmares e Colaborador do Jornal digital Duna Press Jornal e Magazine, autor do livro de crônicas publicado nos seguintes links - eBook: https://a.co/dCmCPIa ou impressa: https://a.co/fUqe1so Normalmente, crítico as situações que nosso país vive, por acreditar que o povo sempre foi massacrado por uma casta política que sempre esteve mais interessada nos seus ganhos corruptos, que no povo em si, o que gerou a situação esquerdizante que vemos hoje nas instituições brasileiras. Gostou??? Bom!!! Não Gostou?? Fazer o que? Nem todo mundo me entende...

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo
Translate »