Press Periódico & NNNBC - Grupo Duna

Informação com ética e transparência

Artigo, Aurora Institute, Comunidade dos países de língua portuguesa, Comunidade lusófona, CPLP, Cultura, Duna Press, Duna Press Periódico, Educação, Escrita Criativa, gramática, língua, Lusofonia, News

Português Fácil: Substantivo e Adjetivo

No princípio era o Verbo, mas não será por ele que vou começar a dar essas dicas fáceis para entender Gramática, a frente mais temida e odiada da Língua Portuguesa – e de todas as outras línguas também. Primeiro, vamos compreender que a nossa Gramática é um conjunto de normas legais, elaboradas por intelectuais de vários países de Língua Portuguesa e posteriormente aprovadas por eles.

Todas as Gramáticas – refiro-me aqui aos livros didáticos escritos com o intuito de informar e ensinar as normas celebradas nos acordos -, na versão de vários autores, como Domingos Paschoal Cegalla, Celso Cunha e até Jânio Quadros – têm duas divisões bem claras: Morfologia e Sintaxe. A Morfologia analisa e classifica as palavras segundo a forma como aparecem em um determinado texto; a Sintaxe faz o mesmo com os termos de uma oração, ou seja, analisa a relação que as palavras estabelecem entre si. A Morfologia analisa como as palavras são, a Sintaxe analisa uma relação mais ampla dos termos das orações, dos períodos. Não são as duas únicas divisões, mas o que você vai precisar saber é que Substantivo e Adjetivo são classificações da Morfologia, e a mesma palavra que é substantivo na Morfologia pode ser sujeito, objeto direto, indireto, adjunto adnominal ou outros na Sintaxe.

Entretanto, para parecer mais complicado que realmente é, mesmo na Morfologia a mesma palavra que é substantivo em uma frase pode ser adjetivo em outra. Em meus muitos anos de professora em cursinhos pré-vestibulares, ensino fundamental e médio, empreendi verdadeiras batalhas sobre essa questão mais ligada à interpretação de texto que às normas.

Então, uma palavra será Substantivo quando você puder colocar antes dela os artigos o, a, os ou as. Exemplos:  O cabelo, A cadeira, As saudades, O Pedro, A Matemática, As maravilhas.

Em um nível mais profundo, o substantivo é a palavra que dá nome às ideias e coisas, mas na maioria dos casos ele nomeia as funções, formas e ideias contidas no objeto que acho estar nomeando. Não se trata de nome particular, mas de uma categoria universal, Quando me refiro a mesa, por exemplo, estou dando nome não a aquela mesa em especial, mas à forma e à função que me fizeram nomeá-la. Nomeio uma imagem, um eco de todas as mesas passadas, futuras, de todas as dimensões, cores e especificações. Já o Substantivo Próprio é a exceção a esse pensamento, pois ao nomear a cidade de São Paulo, por exemplo, refiro-me a algo particular, não a uma ideia geral.

Já o Adjetivo é a palavra a que você pode antepor os verbos ser/estar flexionados em é, está, são ou estão. Exemplos: Está feliz, é inteligente, são inúmeros, estão cansados.

Essencialmente, o Adjetivo é a palavra que caracteriza ou qualifica o Substantivo. A todo Adjetivo corresponde um Substantivo, e ambos devem concordar entre si em gênero e número: Propostas exclusivas (feminino e plural), Nadador campeão (masculino e singular).

O Substantivo, dizem muitos entendidos no assunto, é mais importante que o Adjetivo na hierarquia gramatical, pois um adjetivo só existe em função de um substantivo a que se refere, ao passo que o Substantivo tem existência independente do Adjetivo. Por isso, uma das regras de bem escrever um texto informativo sempre leva em consideração que o texto deve suprimir ao máximo os adjetivos e ter mais Substantivos e Advérbios, que dão ao texto o tempo, o espaço e outras circunstâncias em que a ação acontece, mas alto lá! Assunto para o próximo artigo. Será que é verdade? Na esteira do que falamos sobre as classes gramaticais e os significados, veja o que acontece nos tópicos abaixo:

  1. a) O sábio aprende com a História alheia – Substantivo
  2. b) Meu avô era sábio. – Adjetivo
  3. c) Aquela criança vai cair! – Substantivo
  4. d) Você é muito criança! – Adjetivo

Perceba que em a e b já temos até o artigo O determinando o Substantivo e o verbo ser, no tempo passado era, revelando o Adjetivo.

Em c e d já precisamos entender do que se trata. Em c, Criança nomeia um ser de tenra idade, é um significado literal. A palavra Criança em d, além de ser passível de anteposição do verbo ser/estar, refere-se a uma atitude infantil, uma condição de infantilidade. É uma característica, uma qualidade. A imagem em destaque neste artigo é uma ilustração de João Guilherme C. Ribeiro para um livro didático intitulado “Português ao alcance de todos”, de autoria do prof. Nélson Custódio de Oliveira, 7ª edição de 1966. Era professor de um colégio militar e em artigos futuros vou tratar mais detalhadamente sua obra. De forma bem-humorada ele define o Substantivo como o Rei e o Adjetivo como a “Sombra”, que está sempre por trás do rei! O Valete que se vê na ilustração é o Artigo, que precede o Substantivo, o Rei.

O Substantivo exerce tal magia sobre a cultura que parece uma semente plantada na mente que faz disparar um gatilho de entendimento sem a necessidade de qualquer outra palavra. Observe a crônica de Ricardo Ramos, Circuito Fechado, em que o enredo é tecido apenas por Substantivos:

Chinelos, vaso, descarga. Pia, sabonete. Água. Escova, creme dental, água, espuma, creme de barbear, pincel, espuma, gilete, água, cortina, sabonete, água fria, água quente, toalha. Creme para cabelo, pente. Cueca, camisa, abotoaduras, calça, meias, sapatos, gravata, paletó. Carteira, níqueis, documentos, caneta, chaves, lenço. Relógio, maço de cigarros, caixa de fósforos, jornal. Mesa, cadeiras, xícara e pires, prato, bule, talheres, guardanapos. Quadros. Pasta, carro. Cigarro, fósforo. Mesa e poltrona, cadeira, cinzeiro, papéis, telefone, agenda, copo com lápis, canetas, blocos de notas, espátula, pastas, caixas de entrada, de saída, vaso com plantas, quadros, papéis, cigarro, fósforo. Bandeja, xícara pequena. Cigarro e fósforo. Papéis, telefone, relatórios, cartas, notas, vales, cheques, memorandos, bilhetes, telefone, papéis. Relógio. Mesa, cavalete, cinzeiros, cadeiras, esboços de anúncios, fotos, cigarro, fósforo, bloco de papel, caneta, projetos de filmes, xícara, cartaz, lápis, cigarro, fósforo, quadro-negro, giz, papel. Mictório, pia. Água. Táxi, mesa, toalha, cadeiras, copos, pratos, talheres, garrafa, guardanapo, xícara. Maço de cigarros, caixa de fósforos. Escova de dentes, pasta, água. Mesa e poltrona, papéis, telefone, revista, copo de papel, cigarro, fósforo, telefone interno, externo, papéis, prova de anúncio, caneta e papel, relógio, papel, pasta, cigarro, fósforo, papel e caneta, telefone, caneta e papel, telefone, papéis, folheto, xícara, jornal, cigarro, fósforo, papel e caneta. Carro. Maço de cigarros, caixa de fósforos. Paletó, gravata. Poltrona, copo, revista. Quadros. Mesa, cadeiras, pratos, talheres, copos, guardanapos. Xícaras. Cigarro e fósforo. Poltrona, livro. Cigarro e fósforo. Televisor, poltrona. Cigarro e fósforo. Abotoaduras, camisa, sapatos, meias, calça, cueca, pijama, espuma, água. Chinelos. Coberta, cama, travesseiro.

Então, lanço um desafio para você, hoje chamado de quiz: No texto abaixo, de autoria do jurista Rui Barbosa, há tanto substantivos como adjetivos grifados.  Quais são substantivos e quais são adjetivos? Será que você acerta?

Política e politicalha não se confundem, não se parecem, não se relacionam uma com a outra. Antes se negam, se excluem, se repulsam mutuamente. A política é a arte de gerir o estado, segundo princípios definidos, regras morais, leis escritas, ou tradições respeitáveis. A politicalha é a indústria de o explorar a benefício de interesses pessoais. Constitui a política uma função, ou o conjunto das funções do organismo nacional: é o exercício normal das forças de uma nação consciente e senhora de si mesma. A politicalha, pelo contrário, é o envenenamento crónico dos povos negligentes e viciosos pela contaminação de parasitas inexoráveis. A política é a higiene dos países moralmente sadios. A politicalha, a malária dos povos de moralidade estragada.

RESPOSTAS: S (SUBSTANTIVO)/ A (ADJETIVO)

Política: S, politicalha: S, arte: A, princípios: S, definidos: A, regras: S, morais: A, leis: S, escritas: A, tradições: S, respeitáveis: A, interesses: S, pessoais: A, organismo: S, nacional: A, exercício: S, normal: A, nação: S, consciente: A,  senhora: A, higiene: A, sadios: A, malária: A, moralidade: S, estragada: A.

%d blogueiros gostam disto: