O jornalista José Márcio Castro Alves, explica sobre os bastidores do cenário político de 1964

Há 55 anos, o Brasil viveu momentos de tensão e a beira de uma guerra civil. Era 31 de março de 1964. Assim eclodiu a contrarrevolução que impediu o país de mergulhar no comunismo.

Naquela época, os mecanismos constitucionais estavam completamente falidos e desestruturados. É sempre bom lembrar que o movimento só eclodiu após o apoio irrestrito da sociedade brasileira. Civis e militares se uniram contra a desordem que imperava por aqui. O cargo de presidente da República foi declarado vago pelo Congresso Nacional. Todos os preceitos legais foram obedecidos. Os presidentes militares foram eleitos pelo Congresso, de forma indireta. São inegáveis os feitos e as realizações que aconteceram no Brasil ao longo de mais de duas décadas de governo militar. O Brasil tornou-se a 8ª economia do mundo. As taxas de crescimento econômico chegaram a 10% ao ano (hoje nosso crescimento é em torno de 1%) Nas telecomunicações, saímos do telefone à manivela para a DDD (discagem direta a distância) e a DDI (discagem direta internacional).

Foram criadas a Polícia Federal e a Polícia Rodoviária Federal.

Com o envio de especialistas ao exterior, foi criada a Embrapa (Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária), motivo de orgulho para todos nós, e que permitiu que o Brasil fosse um dos maiores exportadores do agronegócio.

O Serviço de Proteção ao Índio, que teve como presidente o Marechal Rondon, foi transformado na Funai (Fundação Nacional do Índio). O Estatuto do Índio, em vigor até hoje, é desse período.

A infraestrutura da matriz energética, dentre elas Itaipu e Angra dos Reis, é praticamente a mesma que permitiu o nosso desenvolvimento até os dias de hoje.

O desenvolvimento das regiões brasileiras se deu graças à criação de superintendências como a Sudam (Superintendência do Desenvolvimento da Amazônia) e a Sudene (Superintendência do Desenvolvimento do Nordeste).

A preocupação de preservar e manter a soberania na Amazônia foi muito bem definida pelo General Rodrigo Otávio com a seguinte frase: “Árdua é a missão de desenvolver e defender a Amazônia. Muito mais difícil, porém, foi a de nossos antepassados de conquistá-la e mantê-la”. Um belo exemplo foi o Projeto Rondon, que levou universitários para conhecer e desenvolver projetos na  Amazônia.

Na educação o Brasil teve duas reformas altamente significativas: a universitária e do ensino fundamental, com a criação do Mobral (Movimento Brasileiro de Alfabetização), que reduziu expressivamente os índices de analfabetismo.

Projeto importante foi o da reforma agrária –com a criação do Incra (Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária) e assentamentos de milhares de famílias.

Foi um movimento, portanto, que resultou no progresso socioeconômico brasileiro por mais de duas décadas.

As manifestações em prol da contrarrevolução de 1964 garantida pela liberdade de expressão e pela manutenção da democracia brasileira, são herança dos governos militares.

Creditos General Peternelli