A década de 60 no Brasil se torna emblemática por conta de alguns fatos políticos que marcaram o resto do tempo que temos até hoje. Sobe ao poder em 1960 Jânio Quadros, um populista louco, que ninguém acreditava que pudesse ganhar as eleições presidenciais, mas, que a contragosto de todos ganhou e nem podemos dizer que houve fraude com Urnas Eletrônicas… Elas não existiam. Mas, como naquela época Vice Presidente tinha função quem vence a eleição para Vice Presidente… É gente você votava para Vice Presidente… foi o candidato João Goulart, ligado ao PTB, partido criado por Getúlio e dominado por figuras como Leonel Brizola e que não era o Vice de Jânio Quadros, e sim candidato de oposição a ele. Imagina como seria, um presidente e um vice de oposição… Esse era o quadro de nossa politica naquela época.

Jânio começa o seu governo com algumas posturas um tanto quanto controversas: Visita de Yuri Gagarin no Brasil como Herói, condecoração do terrorista guerrilheiro, disfarçado de ministro, Ernesto Che Guevara. Isso levou o Vice presidente a ir a China negociar com o governo chinês, e neste momento temos a renúncia de Quadros. A partir dai vamos ter todo um processo de tentativas de barrar a entrada de Jango na Presidência, entrada essa que seria mais que correta, pois, foi eleito democraticamente. A história nos mostra tudo o que foi feito para impedir sua posse, o processo parlamentarista entre outras coisas. O Governo Jango deslancha para um processo esquerdista real. Isso faz com que uma grande parcela da população inicie um movimento para lutar contra esta esquerdização do Brasil.

O Comício da Central do Brasil, foi o ponto máximo dessa visão controversa, levando o país, como um todo, a um confronto entre a “Esquerda” e a “Direita” que existiam naquele momento. Bem diferente do que temos hoje. A Marcha da Família com Deus pela Liberdade foi um dos eventos que mais marcou essa busca da chamada direita pela retomada o país a seu eixo, tendo em contrapartida as Ligas Camponesas (trabalhadores rurais que lutavam pela Reforma Agrária, um pouco diferente da massa de manobra Petista chamada MST) de Francisco Julião e a Inflação elevada que empurrava o país para um confronto de idéias.

Estudantes ligados à UNE, UBES entre outras organizações estudantis, Organizações Populares e Trabalhadores, viam em Jango um aporte para suas reivindicações. Já do lado conservador tínhamos Empresários, Banqueiros, a Igreja Católica, os militares e a Classe Média abastada. Era o confronto Clássico Marxista-Leninista, o Proletariado confrontando a Burguesia.

O Fatídico 31 de Março de 1964, que alguns dizem ocorreu em primeiro de abril, vai ser um contra ataque das forças de Direita contra esse avanço do comunismo soviético no Brasil. Seria inevitável, se tal fato não acontecesse que nos tornaríamos o segundo satélite soviético na América, recebendo doutrinação e comando direto de Cuba.

Paro aqui com a visão histórica para passar para a visão analítica da situação. O Brasil passa a ter um governo militar, assumidamente aliado aos Estados Unidos, Israel, tendo as chamadas forçar Nazi-Comunistas como opositoras. Surge dai então os confrontos paramilitares das guerrilhas que surgem no decorrer dos anos 60, VAR Palmares de Carlos Lamarca, foi um desses movimentos, Ação Libertadora Nacional, de Marighella foi outro. Foram movimentos que buscaram trazer para o Brasil o processo Marxista-Leninista. Estas duas vertentes se convergem para a luta de ideologias. O Governo Militar terá maior êxito e com isso o Brasil passará 21 anos sobre o domínio dos militares. Se houve uma Ditadura ou não, esse texto não busca explanar. O que quero colocar no texto está no que vem posteriormente em relação ao Brasil.

Este mesmo Governo Militar que tenta salvar o país das garras MILITARES COMUNISTAS, acaba deixando as garras CULTURAIS E MIDIÁTICAS COMUNISTAS, a solta agindo nos subterrâneos. Surge dai então as manifestações dessa “Esquerda” que começam a se infiltrar nas universidades, na mídia, nos aspectos culturais das grandes cidades, onde passamos a ter cada dia mais influenciadores. A tomada de poder por parte da “Esquerda” no Brasil, se dá de forma lenta gradual e superficial de forma a agir de maneira profunda, constante e definitiva.

O que vemos hoje no Brasil, é o reflexo exato da vitória da Esquerda sobre a Direita nestes âmbitos: Cultural, político e social. Temos no país uma forte influência das “Esquerdas contra a Direita”. Se bem que, não temos tanta certeza de que o que é Direita e o que é Esquerda nesse país. Temos apenas a certeza de que o movimento iniciado em 31/03/1064 tinha por bases combater essa esquerda. Isso foi feito com eficácia e eficiência contra as manifestações comunistas guerrilheiras paramilitares. Mas, o 31 de Março não afastou o acabou com o Comunismo no País, muito pelo contrario, deu margem a que estes aumentassem consideravelmente suas influências na vida do Brasileiro. Hoje temos uma forte mídia esquerdista, dos trinta e cinco partidos que existem no Brasil uma boa parte tem viés esquerdista e uma grande parte deles não se reconhece esquerdista, mas, como do mesmo prato comunista.

Desta forma, tenho visto muitos banners no Facebook e no Whatsapp falando de 31 de Março como sendo a data que o Brasil se libertou do Comunismo. A data que se impediu as ditas Minorias Sociais esquerdistas de assumirem o poder no país. Porém, analisando como Brasileiro, Historiador, vemos que isso não é verdadeiro, o 31 de Março acabou por dar aos esquerdistas munição para seguirem forte e cada vez mais fortes no seu intuito. Hoje é público e notório que as forças esquerdistas dominam o país, através da ação do Gramscismo que ela instituiu no país. Hoje, no país, além das forças políticas de esquerda, ainda temos as forças culturais, midiáticas, etc que dominaram através do subterrâneo do poder uma grande parcela da população, que hoje, vêem o Esquerdismo como Democrático até mesmo como libertador.

O 31 de Março de 1964, foi um mal necessário? Sim foi, porém, o ufanismo de muitos fazem com que aquelas pessoas que possuem um pouco mais de visão histórico-politico-social não encara essa data como o fim do Comunismo no país, pois, ele ainda é e está presente dentro de nosso país.

O 31 de Março foi necessário, isso é incontestável, porém, da mesma forma que a Esquerda Luta pelo LULA LIVRE (mas, ELE ESTÁ PRESO, BABACA), temos essa direita ufânica Pró-Bolsonaro gritando sobre essa pseudo libertação das garras da esquerda no dia que se lança o chamado Golpe Militar de 1964.

O que observamos é um papel de mídia para tentar angariar seguidores e admiradores. O que se torna patético e desnecessário. Porém, como a “Esquerda” fez o dever de casa certinho junto à população, hoje, se você que é contra a Esquerdopatia reinante no país é Fascista, Machista, Racista, Sexista, Homofóbico, Transfóbico (essa é nova, afinal essa porcaria de Trans também é nova, antes era Viado assumido mesmo) e outros Istas, qualquer hora destas você será um trintaeumdemarcista, aquela pessoa que defende o 31 de março.

Acho ridículo como o Brasileiro vê tudo sobre a ótica do Futebol, sempre tem dois lados apenas, o seu e o outro, o Seu é sempre certo, democrático, coerente, lindo, maravilhoso, que irá levar o país inteiro para o Céu, sentar ao lado direito de Jesus e ao lado Direito de Deus, e o outro te levará para o quinto dos infernos, onde o Capeta já te espera com tudo pronto para o tormento eterno.

Esse minimalismo dicotômico, foi talvez a ideia Gramscista que mais deu certo no Brasil e tudo se resume a isso, dois lados e o que você assume é o certo e o Outro o errado. Parafraseando o nome de meu personagem jornalístico, como sou “do Kontra” assumo uma terceira via, a de sentar e olhar os dois lados e ver o que tem de errado neles, bom, no lado da Esquerdopatia, tem somente TUDO de errado, no lado da Direitopatia (daqui a pouco vão começar a usar esse meu termo vou cobrar direitos autorais) minha crítica está em ter permitido que o outro lado se criasse e crescesse, se tivessem cortado a cabeça da cobra, no nascedouro, tanto no aspecto militar guerrilheiro (que foi feito) como no Social-Cultural-Educacional, hoje não teríamos as Universidades Públicas como antro de malucos, não teríamos na Igreja essa porcaria de Teologia da Libertação, não teríamos o código básico de formação de delinquentes infantis e juvenis chamado ECA, não teríamos nem Dilma como PresidentA (o memorando na Nuvem e a estocagem de vento não me sai da cabeça) nem o engodo Molusco como bases de poder no nosso país.

31 de Março foi necessário? Sim foi, mas o que veio depois… Primeiro de Abril, a grande mentira brasileira.

Rio 31 de Março de 2019

Luiz Gustavo Chrispino

Comments are closed.