Estomatite, impetigo, hepatite, gastroenterite, rotavírus, pneumonia e os conhecidos vermes e piolhos. Quais são as chances de homeschoolers passarem por isso uma, duas, três, quatro, cinco vezes ao ano?

A resposta é: muito poucas ou nenhuma. A análise é matematicamente muito simples: quanto menor o ambiente e menor a quantidade de pessoas nele concentradas, muito mais fácil é controlar a higiene do local, dos alimentos e das pessoas.

A proliferação de doenças infectocontagiosas dentro das casas é menor. Dificilmente há retransmissões e não há grandes possibilidades de uma casa gerar uma epidemia de sarampo, catapora, rubéola e afins na cidade ou no país. Em casa, os cuidados são efetivados com acompanhamento médico mais ágil e a criança pode se recuperar melhor já que consegue cumprir mais facilmente dieta e repouso necessários. Ela pode seguir estudando em tempo reduzido quando já se sentir melhor ainda que siga em tratamento ou aguardando a fase de transmissão cessar.

Como já foi mencionado em artigos anteriores o homeschooling beneficia crianças com situações de saúde que demandam mais atenção; porém, não é apenas isso. O homeschooling reduz incidências de surtos de doenças contagiosas e parasitárias.

Há quem diga que ficar doente é normal, que faz parte da infância, que é bom, que é “vitamina D (D de doença) ou vitamina S (S de sujeira), que “o que não nos mata nos torna mais fortes”. Será que é isso mesmo? Nesta esteira de pensamento, alguns questionamentos tornam-se bastante convenientes:

A doença é normal?

Ficar doente é normal?

É agradável ver seu filho doente?

Para ser forte (saudável) é preciso sofrer com enfermidades?

É agradável saber que seu filho ficará internado no hospital?

É realmente um alívio saber que seu filho será medicado com drogas tão fortes que farão ele viver hoje, porém que podem prejudicar o funcionamento de outros órgãos em curto ou longo prazo?

É normal que uma criança morra de uma doença “já erradicada”?

É normal uma criança morrer porque pegou uma gripe?

Epidemia faz parte da vida?

Todo mundo tem vermes e piolho?

Os pais que nesse momento estão com seus filhos internados temporaria ou permanentemente nos hospitais, ou perderam seus filhos em razão de doença (raras, não diagnosticadas a tempo ou “já erradicadas”) certamente terão muito a comentar sobre essas “frases de efeito”.

Em muitas partes do mundo, pessoas têm apresentado depoimentos sobre o tema:

“Moms say their children get ill far less often at home. They cite diet, schedule, less stress and lack of exposure to children spreading germs as primary reasons. Nicholas Anders* suffered chronic sinus disease, bronchial asthma, and episodical asthma – all brought on by simple colds. His immune system was so repressed he seemed to catch everything. Gym class was a problem. He nearly always got a chill from sweating that would hasten the onset of some new virus. “He was on so much medicine, it scared me,” mom Belinda* explained. “Yet he was so ill, he had to have it. And, the more he had, the worse off his immune system was.” “He couldn’t play in the woods in the spring because he would develop horrible rashes,” she noted. “He was much more confined to the house then.” (…) The emotional stresses of peer pressure, hours of homework, and lack of enough relaxation contributes to low immune systems among schooled children, according to several of the moms. Christopher, who had been so ill with migraine headaches, also suffered pneumonia, bronchitis, vicious colds, and asthma with increasing regularity. Now he plays street hockey, swims, and plays baseball with hardly ever a cold, much less asthma…” (Em: Pode o Homeschooling salvar a saúde de seus filhos? *)

Tradução: As mães dizem que seus filhos adoecem com muito menos freqüência em casa. Eles citam dieta, horário, menos estresse e falta de exposição a crianças que disseminam germes como principais motivos. Nicholas Anders * sofria de sinusite crônica, asma brônquica e asma episódica – todos provocados por simples resfriados. Seu sistema imunológico estava tão reprimido que parecia pegar tudo. A aula de ginástica foi um problema. Quase sempre sentia um calafrio por causa da transpiração que apressaria o surgimento de algum novo vírus. “Ele estava com muito remédio, isso me assustou”, explicou a mãe Belinda *. “No entanto, ele estava tão doente, ele tinha que tomar (os remédios). E, quanto mais ele tomava, pior o seu sistema imunológico era.” “Ele não podia brincar na floresta na primavera porque iria desenvolver erupções horríveis”, observou ela. “Ele estava muito mais confinado à casa então”. As tensões emocionais da pressão dos colegas, as horas de trabalho de casa e a falta de relaxamento suficiente contribuem para o baixo sistema imunológico das crianças em idade escolar, de acordo com várias mães. (…) Christopher, que estava tão doente com enxaquecas, também sofria de pneumonia, bronquite, resfriados e asma com crescente regularidade. Agora (que está em homeschooling) ele joga hóquei de rua, nada e joga beisebol com quase nenhum um resfriado, muito menos asma.

“Less shared germs  – and lice. Google “lice in schools” and you get over 5.5 million hits, many of them referencing necessary school policies for dealing with them. During flu seasons, entire schools get shut down because so many administrators, faculty and students are sick at the same time, and it’s an effort to spare those who don’t already have it. Admittedly, no one has ever done a study on homeschooling and lice and germs, and either could be picked up during a homeschooling family’s many outings. That said, it’s a logical leap to conclude less incidents of both when children aren’t in a closed-up room surrounded by the illness of the season – or lice. (…)Less need for medication. Again, there has been no scientific study, but strong anecdotal evidence exists in the homeschooling community that many children, labeled in school with any of a variety of behavioral or cognitive disorders, have seen symptoms of such disorders decrease or disappear completely. This means prescribed medications can be cut or eliminated and, along with them, the unhealthy side effects they create…” (**)Parentatthehelm – 12 benefícios do Homeschooling para a saúde

Tradução: Germes menos compartilhados – e piolhos. O Google “piolhos nas escolas” recebe mais de 5,5 milhões de acessos, muitos deles referenciando as políticas escolares necessárias para lidar com eles. Durante as temporadas de gripe, escolas inteiras são fechadas porque muitos administradores, professores e alunos estão doentes ao mesmo tempo, e é um esforço para poupar aqueles que ainda não estão. É certo que ninguém nunca fez um estudo sobre homeschooling, piolhos e germes, e qualquer um poderia ser pego durante muitas saídas de casa homeschooling. Dito isso, é um salto lógico concluir menos incidentes de ambos (piolhos e germes) quando as crianças não estão em uma sala fechada cercada pela doença da estação – ou piolhos. (…) Menos necessidade de medicação. Mais uma vez, não houve estudo científico, mas existem fortes evidências casuais na comunidade de ensino em casa de que muitas crianças, apontadas na escola com uma variedade de distúrbios comportamentais ou cognitivos, viram os sintomas de tais distúrbios diminuírem ou desaparecerem completamente. Isso significa que os medicamentos prescritos podem ser cortados ou eliminados e, junto com eles, os efeitos colaterais pouco saudáveis ​​que eles criam.

E a pergunta que fica é…

Que tipo de pai/ mãe não faria o que fosse necessário para salvar seu filho?

Nota: Homeschooling não significa que escolas serão fechadas e professores serão extintos. Homeschooling apenas significa uma opção a mais para as famílias. Liberdade de escolha. Homeschooling deve existir para todos aqueles que queiram ou precisem. Poder escolher: dentro de casa ou fora de casa, isso sim é liberdade. E liberdade é um Direito Humano Universal (Declaração Universal dos Direitos do Homem, especialmente artigo 3º. ).

Conheça mais sobre Homeschooling em nosso livro:

Para saber mais sobre o livro clique:

Duna Press Periódico – Lançamento do Livro Educação, Homeschooling e Família

Para ter uma pequena prévia acesse aqui:

Leia a íntegra das citações em:

(*)Pode o Homeschooling salvar a saúde de seus filhos?

(**) Parentatthehelm – 12 benefícios do Homeschooling para a saúde

Saiba um pouco mais em:

Nações Unidas – Declaração Universal dos Direitos do Homem

PDF – Doenças infecciosas e parasitárias – Guia de Bolso do Ministério da Saúde (BR)

European Society of Clinical Microbiology and Infectious Diseases

Infectious Diseases Society of America 

Homeschooling Today Magazine

Childrensmd.org – Por que médicos e advogados colocam os filhos em Homeschooling?

The Healthy Path.org – O ensino em casa é uma oportunidade incrível para estudantes com doenças crônicas

Comments are closed.