Na Conferência de Oslo em 2015, um trabalho sobre escolas seguras foi trazido à lume e o Brasil endossou a Declaração das Escolas Seguras, assim como outras nações, esse ano.

Segue a íntegra do texto disponível em Coalizão Global para Proteger a Educação

Declaração das Escolas Seguras  foi elaborada por meio de pesquisas lideradas por Noruega e Argentina, em Genebra, na Suíça, ao longo do primeiro semestre de 2015. O objetivo da declaração é oferecer aos países a oportunidade de expressar total apoio político para a proteção e continuação da educação em áreas de conflitos, especialmente armados, sendo um instrumento para os Estados endossarem e comprometerem-se a implantar as  Diretrizes para a Proteção de Escolas e Universidades contra o Uso Militar durante o Conflito Armado . A Declaração foi aberta para aprovação na Conferência de Oslo sobre Escolas Seguras convocada pelo Ministério de Relações Exteriores da Noruega em 29 de maio de 2015. 

Os seguintes Estados endossaram a Declaração das Escolas Seguras (a partir de 2 de maio de 2019):

Afeganistão

Albânia

Andorra

Angola

Argentina

Armênia

Áustria

Bélgica

Bolívia

Bósnia e Herzegovina

Botsuana

Brasil

Bulgária

Burkina Faso

Camarões

Canadá

República Centro-Africana

Chade

Chile

Costa Rica

Costa do Marfim

Chipre

República Checa

República Democrática do Congo

Dinamarca

Djibuti

República Dominicana

Equador

El Salvador

Fiji

Finlândia

França

Georgia

Alemanha

Grécia

Haiti

Honduras

Islândia

Iraque

Irlanda

Itália

Jamaica

Jordânia

Cazaquistão

Quênia

Líbano

Libéria

Liechtenstein

Luxemburgo

Macedônia

Madagáscar

Malásia

Mali

Malta

Moldávia

Mônaco

Montenegro

Moçambique

Países Baixos

Nova Zelândia

Níger

Nigéria

Noruega

Palestina

Panamá

Paraguai

Peru

Polônia

Portugal

Catar

Roménia

San Marino

Sérvia

Serra Leoa

Eslováquia

Eslovênia

Somália

África do Sul

Sudão do Sul

Espanha

Sudão

Suécia

Suíça

Reino Unido

Uruguai

Iémen

Zâmbia

Imagem: Protecting Education