A educação norueguesa é uma das melhores do mundo, por esta razão, vários países fazem questão de ter uma ou mais escolas norueguesas em seu território. A finalidade é dupla: que os noruegueses que ali vivem, seja temporaria ou permanentemente, continuem a estudar a partir de sua excelente grade e que outras crianças possam ter a oportunidade de ser educadas no modelo norueguês.

Em alguns casos, há uma cooperação entre o governo norueguês e o governo de um determinado local, que adota a educação em uma espécie de “plano-piloto” como foi o caso de Angola. Em 2008, a Angola, firmou uma parceria interessante para a educação, especificamente para a formação de professores na Província de Bié. Angola entendeu que formar professores a partir da educação norueguesa faria toda a diferença na vida das crianças angolanas. Em um trabalho inédito, o programa chamou à participação os homens, o que é incomum na cultura angolana – ter homens na educação infantil – e o que é comum na educação infantil norueguesa. Um bom trabalho baseado na educação para meninas (muito enfatizado pela Primeira-Ministra do Reino da Noruega Sra. Erna Solberg) foi um ponto alto no programa. Abaixo, parte do programa transcrito:

“O Ministério dos Negócios Estrangeiros da Noruega e a Ajuda de Desenvolvimento do Povo para o Povo em Angola (ADPP) assinaram um contrato em 2005 relativo ao estabelecimento e implementação da Escola de Professores do Futuro (EPF) na província do Bié. A ADPP tem trabalhado como uma ONG em Angola há muitos anos, executando o projeto de educação pré-serviço de professores (EPF) que a Noruega agora está apoiando com um total de 15 milhões de NOK. para o período 2005-2008. O objetivo do projeto é “melhorar a disponibilidade de professores, inclusive de professoras, e elevar a qualidade do ensino primário na província ao longo do tempo”. Um objetivo do EPF é formar professores para áreas rurais e semi-urbanas. Outro objetivo é formar professores que participam da reconstrução do país e prepará-los para o futuro (…) EPF preenche uma lacuna importante no sistema de ensino em Angola. A formação inicial de professores não é apenas uma formação de professores de alta qualidade, mas também educa os futuros professores como pessoas. O treinamento combina teoria e prática, métodos modernos de ensino, incluindo aprendizado ativo, e treinam professores que são capazes de trabalhar e viver em comunidades rurais. O EPF parece ter grandes potencialidades para futuros desenvolvimentos em relação à sociedade civil em Angola. Há, no entanto, a necessidade de mais estudos aprofundados para avaliar os impactos a mais longo prazo que os professores do EPF têm nas escolas e comunidades em que estão trabalhando”. (NORAD)

Entretanto, a parceria Angola-Noruega na área da educação não pára por aí. O Instituto Nacional de Petróleo (INP), por exemplo, é um provedor de treinamento para o setor de petróleo e gás em cooperação com o RKK (um centro de recursos norueguês para as escolas secundárias profissionais) e a Escola Técnica de Offshore de Stavanger (SOTS), principalmente na formação de instrutores para o próprio INP (RKK). Esse é um trabalho bastante claro no campo das empresas de aprendizagem, e que como se sabe, é um benefício não apenas para os estudantes, mas também para as empresas que formam à sua maneira os seus profissionais.

De uma maneira diferente, a Rússia também reconheceu a supremacia norueguesa na educação. No noroeste da Rússia uma escola passou a ser financiada pelo Reino da Noruega, é a Gymnasium No. 1 Murmansk, que fica em Murmansk, capital do Oblast de Murmansk, a 200 km ao norte do Círculo Polar Ártico. É um programa de parceria em que além do ensino local depois que os alunos terminam o ginásio eles podem ir para Tromsø, no norte da Noruega, continuar os estudos, normalmente nas áreas de Tecnologia da Informação e Empreendedorismo. E após isso, retornam para a Rússia para trabalhar nas empresas norueguesas que estão instaladas lá, em um programa em que tanto a Noruega quanto a Rússia são beneficiadas.

Bjarne Berg que está na escola em Murmansk desde o início e é responsável pelas atividades diárias declarou que :  

“Em média, cerca de 70% dos alunos russos partem para a Noruega para estudar (…) Acreditamos que a escola norueguesa-russa é um projeto bem-sucedido, considerando os nossos orçamentos bastante limitados”.

O Império do Japão também mantém uma parceria de longa data com o Reino da Noruega, uma parceria tão bem-sucedida que tem até nome “NORPAN”! O Projeto NORPAN é uma parceria para propósitos específicos de excelente educação e pesquisa em clima e dinâmica climática. A parceria internacional é firmada entre o Instituto Geofísico da Universidade de Bergen (Noruega) e quatro importantes instituições de ensino e pesquisa japonesas em Tóquio. O financiamento para Excelentes Educação e Pesquisa é co-administrado pelo Conselho de Pesquisa da Noruega INTPART e pelo Centro Norueguês de Cooperação Internacional em Educação. 

O Centro Norueguês de Cooperação Internacional em Educação (SIU) publicou o relatório “Cooperação com o Japão no Ensino Superior: premissas, desafios e oportunidades”, com o objetivo de fortalecer as parcerias educacionais com o Japão.

O estudo Noruega-Japão: Pesquisa e Educação em igualdade de gênero e diversidade (NJ_BREGED), uma colaboração de educação e ensino de três anos entre o Centro de Pesquisa de Gênero (CGR) no Departamento de Estudos Interdisciplinares de Cultura da NTNU (Noruega) e o Instituto de Estudos de Gênero (IGS) na Universidade de Ochanomizu (Tóquio, Japão) nos campos de igualdade e diversidade de gênero, também tem financiamento pela financiado pelo INTPART, o Conselho de Pesquisa da Noruega para o período 2019-2022.

A cooperação entre Noruega e Japão é muito antiga e sólida e conta com uma Rede Acadêmica (Rede Acadêmica Noruega-Japão), cujo seminário 2019 aconteceu no último 06 de fevereiro em Oslo. O evento é co-organizado pelo Conselho de Pesquisa da Noruega e pela Sociedade Japonesa para a Promoção da Ciência (JSPS). As palestras sobre carreiras, apresentações e atividades de construção de redes foram direcionadas a pesquisadores interessados ​​em formar uma comunidade de pesquisadores noruegueses e japoneses.

Outra prática bastante usual atualmente é a de profissionais viajando até a Noruega para aprender sobre Educação Norueguesa. Foi o que fez a professora Sarah Heller, diretora e co-fundadora da Fiddlehead de Seatle, Estados Unidos, que passou uma semana em Trondheim, na Noruega, em setembro de 2018. Segundo a professora, durante essa visita, ela teve a oportunidade de observar as práticas de educação na Noruega e conversar com os professores sobre sua filosofia e métodos de ensino. A Sra. Heller descobriu que as escolas norueguesas honram a infância, e o mundo natural é tecido na educação. O ritmo de aprendizagem é mais lento do que nos EUA, com menos transições para os alunos. Os estudantes noruegueses passam horas fora – cada criança traz um conjunto completo de equipamentos para atividades ao ar livre e a expectativa é que muito do aprendizado e das brincadeiras sejam ao ar livre. De acordo com a Sra. Heller, em seus diálogos com os professores da Noruega, ela aprendeu que há uma abordagem diferente para a escola e a aprendizagem na Noruega.

O mundo inteiro está tão atento à educação norueguesa que recentemente uma reportagem da Learning World (Euronews) em associação com a Wise Foundation of Qatar versou sobre educação infantil norueguesa. Assista ao vídeo clicando em: Learning World (Euronews) – Wise Foundation of Qatar.

Sanjay Gupta (neurocirurgião americano, chefe associado do serviço de neurocirurgia do Grady Memorial Hospital, em Atlanta na Geórgia, e professor assistente de neurocirurgia na Escola de Medicina da Universidade Emory) foi até a Noruega visitar uma escola de educação infantil para descobrir como são as aulas que tanto desenvolvem criatividade e habilidades de pensamento crítico. O documentário foi ao ar pela CNN, nos Estados Unidos, em uma reportagem especial sobre educação infantil na Noruega no programa semanal sobre saúde e vida saudável apresentado pelo médico. Clique aqui para assistir.

Reino Unido, Espanha, Bélgica, Emirados Árabes Unidos (Dubai), Estados Unidos, Kenya, Nigéria, China, Hong Kong, Singapura e Filipinas dispõem de escola norueguesa* com informações sobre o assunto disponível na internet através dos sites das instituições. Confira clicando abaixo no nome dos países:

Reino Unido 1

Reino Unido 2

Espanha 1

Espanha 2

Espanha 3

Espanha 4

Bélgica

Emirados Árabes Unidos – Dubai

Estados Unidos 1

Estados Unidos 2

Kenya

Nigéria

China

Hong Kong

Singapura

Filipinas 1

Filipinas 2

*não necessariamente escola, pode tratar-se de jardim de infância ou educação técnica (profissionalizante).

Saiba mais!

Parceria Angola-Noruega e baixe o PDF em NORAD

Parceria Rússia-Noruega – Livro: O Marco Norueguês para a Cooperação Educacional com a Rússia: Política educacional com uma sugestão de relações exteriores. Jannecke Wiers-Jenssen, Håkan T. Sandersen. Editora Springer. 2017.

PDF Norwegian Cooperation Programme in Higher Education with Russia.

Regjeringen

NTNU

Conselho de Pesquisa da Noruega. (2012). NORRUSS Rússia e o Alto Norte / Ártico. Documento do programa.

University of Washington

Projeto NORPAN – Universidade de Bergen

Wise Foundation of Qatar

Leia também:

Por que os noruegueses são tão felizes?

Os Reinos da Noruega e da Dinamarca na lista dos países mais felizes do mundo

O ambiente ao ar livre em jardins de infância noruegueses como espaço pedagógico para a brincadeira, aprendizagem e desenvolvimento de crianças. Thomas Moser e Marianne T. Martinsen. Conferência da Associação de Pesquisa. Reino Unido. 2010.

The Science of Play: How to Build Playgrounds That Enhance Children’s. Susan G. Solomon. University Press of New England. 2014.

Outras fontes para consulta:

Bie, KN (1974). Estudantes no exterior . Oslo: Universidade de Oslo, Instituto de Pesquisa Educacional.

Blumenthal, P., Goodwin, CDW, Smith, A., & Teichler, U. (1996). Mobilidade acadêmica em um mundo em mudança: tendências regionais e globais . Londres: Jessica Kingsley.

Conselho de Pesquisa da Noruega. (2012). NORRUSS Rússia e o Alto Norte / Ártico. Documento do programa . 

De Wit, H. (2002). Internacionalização do ensino superior nos Estados Unidos da América e na Europa: uma análise histórica, comparativa e conceitual . Westport: Greenwood.

De Wit, H. (2013). Internacionalização, significado e racionalidade. In H. de Wit (Ed.), Uma introdução à internacionalização do ensino superior (pp. 13-46). Milão: Università Cattolica del Sacro Curore.

De Wit, H., & Hunter, F. (2015). O futuro da internalização do ensino superior na Europa. Ensino Superior Internacional, 83 , 2–3.

Forstorp, P.-A., & Mellström, U. (2013). Eduscapes: Interpretar os fluxos transnacionais do ensino superior. Globalização, Sociedades e Educação, 11 (2), 1-24.

Frølich, N. (2005). Políticas de internacionalização e práticas internacionais em instituições de ensino superior: um estudo de caso de cinco instituições de ensino superior norueguesas . Documento de trabalho 23. Oslo: NIFU STEP.

Frølich, N. (2006). Ainda acadêmico e nacional: Internacionalização na pesquisa e ensino superior na Noruega. Ensino Superior, 52 (3), 405–420.

Gornitzka, Å. (2006). Qual é o uso de Bolonha na reforma nacional? Em V. Tomusk (Ed.), Criando a área europeia de ensino superior (pp. 19-41). Dordrecht: Springer.

Harvey, L., & Green, D. (1993). Definindo qualidade. Avaliação e Avaliação no Ensino Superior, 18 (1), 8–35.

Kälvemark, T. e van der Wende, M. (1997). Conclusões e discussão. Em T. Kälvemark e M. van der Wende (Eds.), Política nacional para a internacionalização do ensino superior na Europa (pp. 259-271). Estocolmo: Agência Nacional de Ensino Superior.

Knight, J. (2003). Definição de internacionalização atualizada. Ensino Superior Internacional, 7 (33), 2–3.

Knight, J. (2004). Internacionalização remodelada: definição, abordagens e racionalidades. Jornal de Estudos em Educação Internacional, 8 (1), 5-31.

Knight, J. (2013). Um modelo para a regionalização do ensino superior: o papel e a contribuição do ajuste. Revista Tuning for Higher Education, 1 (1), 105–125.

Knight, J., & de Wit, H. (1995). Estratégias de internacionalização do ensino superior: perspectivas históricas e conceituais. Em H. De Wit (Ed.), Estratégias para internacionalização do ensino superior: Um estudo comparativo da Austrália, Canadá e Estados Unidos da América (pp. 5-32). Amesterdão: EAIE.

Korteniemi, E. (2011). Cooperação nórdica com a Rússia em educação e pesquisa . Tema Nord 211: 545. Copenhague: Conselho Nórdico de Ministros.

Luke, C. (2006). Eduscapes: Capital do conhecimento e culturas. Estudos em linguagem e capitalismo, 1 , 97-120.

Michelsen, S., & Aamodt, PA (2007). Evaluering av kvalitetsreformen (Sluttrapport) [Avaliação da reforma da qualidade (Relatório final)]. Oslo: Conselho Norueguês de Pesquisa.

Ministério Norueguês dos Negócios Estrangeiros. (2007). A estratégia do Alto Norte dos governos noruegueses. 

NOU (1989). Grenseløs læring: Mottak av utenlandske studenter, studentutveksling og internaljonalisering [Conhecimento sem fronteiras]. NOU 13, papel verde. Oslo: Ministério da Cultura.

OCDE. (2014). Educação em resumo 2014 . Paris: OCDE.

Panorama. (2015). Estratégia de cooperação em ensino superior e pesquisa com Brasil, China, Índia, Japão, Rússia e África do Sul (2016-2020) . Oslo: Ministério Norueguês da Educação e Pesquisa.

Qiang, Z. (2003). Internacionalização do ensino superior: para um marco conceitual. Policy Futures in Education, 1 (2), 248-270.

Robertson, SL & Keeling, R. (2008). Agitando os leões: Estratégia e táticas no ensino superior global. Globalização, Sociedades e Educação, 6 (3), 221-240.

Rotevatn, J. (1998). Til tjeneste for utdannings-Norge [De plantão para a Noruega acadêmica]. Oslo: Statens Lånekasse para utdanning.

SIU. (2013). Internofinal perfil? Estratégias para as relações internacionais e universitárias e internacionais [perfil internacional? Estratégias de internacionalização em universidades e faculdades norueguesas]. Bergen: Centro Norueguês de Cooperação Internacional em Educação.

Slaughter, S. e Rhoades, G. (2004). Capitalismo acadêmico e a nova economia . Baltimore: John Hopkins University Press.

Stensaker, B., Frølich, N., Gornizka, Å. & Maassen, P. (2008). Internacionalização do ensino superior: a lacuna entre as necessidades políticas nacionais e as necessidades institucionais. Globalização, Sociedades e Educação, 6 (1), 1-11.

Sundet, M. (2016). Bons amigos e parceiros sem rosto: cooperação educacional para construção de comunidades na região de Barents. Em SL Robertson, K. Olds, R. Dale e QA Dang (Eds.), Regionalismos globais e ensino superior: Projetos, processos, política (pp. 192-210). Londres: Edward Elgar Publishing.

Tunander, O. (1994). Inventando a região de Barents: Superando a divisão leste-oeste no norte. Em OS Stokke & O. Tunander (Eds.), A região de Barents: Cooperação no Ártico(pp. 31-56). Londres: Sage, Instituto Internacional de Pesquisa para a Paz e o Instituto Fritjof Nansen.

Van der Wende, M. (1997). A relação entre políticas nacionais de internacionalização e aquelas para o ensino superior em geral. Em T. Kälvemark e M. van der Wende (Eds), Políticas nacionais para a internacionalização do ensino superior na Europa (pp. 10-41). Estocolmo: Agência Nacional de Ensino Superior.

White paper No. 18. (2012–2013). Perspectivas de longo prazo: o conhecimento fornece oportunidades . Oslo: Ministério da Educação e Pesquisa.

White paper No. 19. (1996-1997). Om studier i utlandet [Em estudos no exterior]. Oslo: Ministério da Igreja, Educação e Pesquisa.

White paper No. 27. (2000-2001). Você também pode gostar: Krev din rett . [Cumpra o seu dever, exija os seus direitos] Oslo: Kirkewondings- og forskningsdepartementet.

White paper No. 66. (1984-1985). Om høyere utdanning [Sobre o ensino superior]. Oslo: Kultur og vitskansdepartementet.

White paper No. 7. (2011–2012). O alto norte: Visões e estratégias . Oslo: Ministério dos Negócios Estrangeiros.

Wiers-Jenssen, J. (2008). A mobilidade estudantil e o valor profissional do ensino superior do exterior . Oslo: Unipub.

Wiers-Jenssen, J. (2015). Estudantes russos na Noruega: Por que eles vêm e como eles lidam . Relatório 11. Oslo: Nordisk insitutt for studier av innovation, forskning og utdanning.

Crédito da imagem: Estudar Fora