O cristianismo hoje é a religião mais perseguida que existe. Provavelmente sempre foi. No entanto, não há dúvida nenhuma de que o cristianismo passa pelo período de maior perseguição de toda a história, sendo hoje a crença religiosa mais hostilizada do globo terrestre, proscrita em aproximadamente cinquenta países. Cristo disse que isso aconteceria no período que chamou de últimos dias, a terminação do sistema de coisas. “Sereis pessoas odiadas por todas as nações, por causa de vossa lealdade a mim.” (Mateus 24:9).

Consoante a este fato, o desprezo pela vida humana, especialmente quando crenças ou ideologias políticas totalitárias estão lutando arduamente para tornarem-se supremas e soberanas em um determinado território, sociedade ou país, como é o caso da China, por exemplo, fica evidente quando centenas de cristãos são brutalmente assassinados em decorrência de suas crenças religiosas, mas absolutamente ninguém na mídia mainstream nacional e internacional,e é importante enfatizar, absolutamente ninguém, dá importância a este fato, que, além de relevante, é da mais urgente gravidade. Nas raras ocasiões em que o genocídio de cristãos é mencionado, fatos são deliberadamente distorcidos para que a culpa pelos massacres e chacinas não recaia sobre os agressores, os muçulmanos. Também é normal omitir a religião das vítimas. Definitivamente, nunca encontramos em publicação alguma a palavra cristofobia. A palavra islamofobia, por outro lado, entrou para o vernáculo cotidiano.

Isto acontece porque parcela significativa da mídia global é progressista, e o progressismo é um virulento opositor do cristianismo. Como uma filosofia política que carrega os valores beligerantes de Satanás, o Diabo, nem poderia ser diferente. É óbvio que o cristianismo estará sempre na mira desta agressiva e maledicente ideologia.

A mídia insiste em ignorar sistematicamente as agressões que cristãos sofrem diariamente. Dos 50 países que mais perseguem cristãos, 33 são países de maioria muçulmana. Hoje, no mínimo 245 milhões de cristãos vivem em território hostil ao cristianismo. Ásia e África, sem dúvida nenhuma, são os piores continentes para os praticantes do cristianismo. Pouquíssimos países são tolerantes. Na verdade, ser um cristão praticante nestas regiões é um verdadeiro ato de fé. Em abril de 2015, 148 cristãos foram brutalmente assassinados por extremistas jihadistas em uma universidade no Quênia. Não obstante, não vemos referência alguma sobre o mesmo na mídia.