Uma visão sucinta das reformas econômicas

(Artigo publicado na edição de 28 de junho de 2019 no site The Norwegian American)

M. Michael Brady 
Asker, Noruega

“A matéria de capa da edição atual da Apollon, a revista de pesquisa da Universidade de Oslo, trata do modelo nórdico, um termo genérico para as políticas econômicas e sociais comuns aos países nórdicos. Apollon, a palavra norueguesa para Apolo, o antigo deus grego do conhecimento e outros atributos, é um nome ambicioso para uma revista. Igualmente ambicioso é o subtítulo da reportagem de capa “Samarbeid, solidaritet, likestilling” (Cooperação, solidariedade, igualdade), um lema tripartido, como o famoso francês Liberté, égalité, fraternité (Liberdade, igualdade, fraternidade).

As políticas econômicas e sociais dos países nórdicos evoluíram de maneiras diferentes. Essa evolução na Noruega começou no auge da Grande Depressão em 8 de junho de 1931, em Menstad, um distrito da comuna de Skien, em Telemark, em um conflito trabalhista na fábrica da Norsk Hydro. Foi um desastre que se destacou, mesmo na vida econômica conflituosa do período entre guerras. Isso fez com que fosse um dos gatilhos da promulgação, em 1935, do Hovedavtale (Acordo Coletivo de Trabalho), o ponto de virada legal que abriu o caminho para o desenvolvimento do Modelo Nórdico como o conhecemos hoje. Apropriadamente, o artigo da Apollon é intitulado “Den revolusjonerende reformen” (A reforma revolucionária)”.

Leitura adicional:

“Den revolusjonerende reformen”, de Morten S. Smedsrud, Apollon, 6 de junho de 2019:

Universidade de Oslo

Fonte: The Norwegian American

Facebook Comments

Comments are closed.