Notícia da semana veiculada por vários meios de comunicação noruegueses, em plena semana de volta às aulas, foi o convite do governo a que municípios iniciem a “Escola Flexível”.

O governo abre o caminho para os municípios se candidatarem para iniciar um esquema de teste com o início flexível de escolas. Isto é afirmado pelo Ministro da Educação e do Conhecimento Jan Tore Sanner. Cabe aos próprios municípios decidir como irão adotar.

(NRK)

De acordo com o site Høyre “municípios podem agora experimentar escolas flexíveis” e “o governo convidará os municípios a experimentar diferentes esquemas e modelos que possam tornar a escola mais flexível.”

A escola deve estar pronta para receber todas as crianças. Ao mesmo tempo, as crianças têm condições diferentes, que também podem depender de quando no ano em que nasceram. Todas as crianças devem ter uma boa transição do jardim de infância para a escola. É por isso que abrimos as portas para a criação de escolas mais flexíveis (…) É a escola que vai se adaptar às crianças, e não as crianças que se adaptarão à escola. Todos os alunos devem se sentir seguros e bem na escola, e obter o melhor benefício de sua educação.


(Jan Tore Sanner)

A manchete do jornal Aftenbladet, de Stavanger, ontem a tarde, foi de que  “Em 20 de Agosto, a Direção de Educação enviará convites aos municípios para participarem no teste de novos modelos para o arranque das Escolas Flexíveis”.

Apenas há uma hora atrás, o próprio governo norueguês anunciou, em comunicado de imprensa em sua própria página, Regjeringen.no, o seguinte:

O governo está agora convidando os municípios a experimentar diferentes esquemas e modelos para iniciar escolas mais flexíveis. – A escola deve estar pronta para receber todas as crianças. Ao mesmo tempo, as crianças têm condições diferentes, que também podem depender de quando no ano em que nasceram. Todas as crianças devem ter uma boa transição do jardim de infância para a escola. É por isso que abrimos a porta para uma escolarização mais flexível, diz Jan Tore Sanner, Ministro da Educação, do Conhecimento e da Integração.

Os regulamentos de hoje permitem que as crianças iniciem a escola mais cedo ou mais tarde do que a idade indica. No entanto, relativamente poucos usam essa oportunidade. Hoje, menos de dois por cento dos alunos são atrasados ​​ou acelerados da escola.

– Queremos que os municípios experimentem modelos diferentes para as escolares flexíveis. Estas podem ser tentativas ancoradas em regulamentos ou modelos atuais, com oportunidades de aplicar exceções aos regulamentos. Por exemplo, pode haver diferentes modelos de tempo e prática em torno do início da escola da criança ou uso flexível de pessoal entre o jardim de infância e a escola, diz Sanner.

Um dos propósitos de experimentar modelos diferentes para flexíveis é ganhar mais conhecimento sobre como podemos fazer boas transições e adaptar o início escolar aos melhores interesses da criança. Independentemente de qual modelo os municípios desejam experimentar, o município deve garantir que os testes não tenham conseqüências adversas para as crianças.

– A educação adaptada é um princípio central nas escolas norueguesas. É a escola que se adaptará às crianças e não as crianças que se adaptarão à escola. Todos os alunos devem se sentir seguros e bem na escola e obter o melhor benefício de sua educação, diz Sanner.

Os regulamentos de hoje facilitam a cooperação com os pais na transição entre o jardim de infância e a escola. Boa cooperação e boa informação podem ajudar os pais a fazerem boas escolhas quando se trata de saber se uma criança deve ser adiada ou expedida da escola.

Por exemplo, para facilitar ainda mais a cooperação dos pais na transição entre o jardim de infância e a escola, os municípios podem ter a cooperação dos pais na transição do jardim de infância para a escola como uma área de foco especial.

Deve preparar-se para as crianças mais novas nos novos currículos

No trabalho sobre renovação de assunto e novos currículos a partir de 2020, o Ministério encomendou uma visão geral do conhecimento das crianças mais novas. A visão geral mostra quais são os bons métodos de trabalho e ambiente de aprendizagem para os alunos mais jovens.

– Estamos trabalhando para tornar a escola melhor e mais adaptada às crianças menores. Novos currículos tornarão mais os assuntos mais práticos, e especialmente nos primeiros passos os sujeitos poderão ter uma abordagem exploratória e com mais brincadeiras, diz Sanner.

Os grupos de currículo utilizaram a base de conhecimento em seu trabalho com novos currículos, e os currículos têm objetivos de competência que permitem uma abordagem curiosa, exploratória e lúdica aos sujeitos, o que proporcionará uma boa transição do jardim de infância para a escola.

A Diretoria de Educação enviará convites aos municípios para participar do teste de novos modelos para o início da escola flexível em 20 de agosto.


(Comunicado de Imprensa, 16.08.2019, Regjeringen)

Mas, afinal, o que é uma escola flexível?
Escola Flexível (Flexischools / flexible leraning) é um assunto que vem sendo debatido há quase 10 anos e cuja proposta pedagógica basicamente pretende acolher todos os alunos, de maneira ainda mais inclusiva e respeitando o ritmo de aprendizagem e as necessidades particulares de cada estudante, em uma escola que privilegie adaptar-se às crianças que ali estão e não o contrário, o que promoveria uma maior igualdade, tanto social quanto de gênero. 

A Escola Flexível, no entanto, não é uma unanimidade na Noruega. Para alguns estudiosos, o ponto positivo é que ela ajudaria a reduzir diferenças de gênero, isto é, uma educação com menos diferenciações entre meninos e meninas, e de ritmos de aprendizagem e necessidades especiais, o que significaria que uma criança de 5 anos, por exemplo, poderia iniciar a classe de alfabetização se ela tiver conhecimento e maturidade para isso, e desde que autorizada por seus responsáveis. Outros estudiosos defendem que uma escola flexível pode retardar o ritmo de conteúdo de aprendizagem, e que poderia significar uma separação entre as crianças, pois as crianças de famílias com uma renda maior, geralmente, têm acesso a mais conhecimento, estando propensas a uma alfabetização mais precoce. 

Sobre a questao o site Adressa.no informou que: 

O Comitê de Stoltenberg (Stoltenbergutvalget), um grupo de especialistas criado pelo Ministério da Educação e Pesquisa, reuniu o conhecimento sobre por que as diferenças de gênero na escola ocorrem e propôs medidas que podem neutralizar isso. O início flexível da escola é um deles e significa que os alunos iniciam a escola em diferentes momentos ao longo do ano (…) As escolas norueguesas devem ser inclusivas, assim como garantir igualdade e educação adaptada. Isso significa que os alunos têm o direito de ser diferentes na comunidade que a escola forma. Aqui, os alunos recebem ajuda e apoio de diferentes maneiras, em diferentes momentos e com diferentes durações. Nesta comunidade, os alunos devem experimentar ser incluídos academicamente, socialmente e emocionalmente. A educação igual garante que nenhum aluno receba uma oferta pior do que outros. O treinamento também deve ser adaptado às condições e necessidades individuais do aluno na situação de aprendizagem. A educação adaptada tem sido um princípio estatutário na escola norueguesa desde 1975. Os alunos têm o direito de adaptar o ensino, tanto no ensino normal como no ensino especial, se necessitarem. O objetivo da educação especial é proporcionar condições de aprendizagem diferentes e melhores do que a educação ordinária de cada aluno. A relação entre educação ordinária e educação especial é, em certa medida, relativa, dizem os pesquisadores. Isso significa que quanto melhor o ensino regular, menor a necessidade de educação especial.


(Artigo por Anne Sofie Samuelsen, primeira professora de Educação Especial, Departamento de Educação e Aprendizagem da NTNU)

Comments are closed.