Hoje, os noruegueses comem muito mais tomates do que há 25 anos atrás, isso após grandes esforços de pesquisadores, fabricantes e lojas, o volume de negócios de tomates aumentou de menos de 5 quilos de tomates por pessoa por ano – para entre 15 e 20 quilos. Os noruegueses comercializam cinco vezes mais tomates do que quando a pesquisa começou.

Tem havido uma boa cooperação entre os produtores e hoje existem cerca de 30 diferentes variedades de tomate produzidas na Noruega que os consumidores podem escolher.

Ministra da Agricultura e Alimentação, Olaug Bollestad.

Ministra da Agricultura e Alimentação Olaug Bollestad na competição de alimentos no Festival do Tomate em Finnøy. Foto: Ministério da Agricultura e Alimentação

A tecnologia de estufa mais desenvolvida tem contribuído para este progresso. As emissões de gases do efeito estufa nas estufas norueguesas foram reduzidas para metade desde a década de 2000, e mais da metade da energia é baseada em energia renovável. O clima pode ser controlado com temperatura e irrigação, e na Noruega são usados ​​10 litros por dia. kg de tomate em comparação com a Espanha, onde 60 litros de água são usados ​​por dia. quilos de tomate.A pesquisa mostra que o sabor e a saúde são muito influenciados pelas condições de cultivo e pelo grau de maturação na colheita, e que os tomates não precisam necessariamente da luz solar. O clima em estufas norueguesas pode ser regulado para que os tomates possam ter um sabor tão bom quanto os importados.

No último inverno, uma nova pesquisa de consumo foi realizada no Nofima (Nofima AS, um dos principais institutos de pesquisa aplicada da Noruega, nas áreas de pesca, aquicultura e pesquisa de alimentos, com sede em Tromsø, e atividades de pesquisa em Alta, Bergen, Stavanger, Sunndalsøra, Tromsø e Ås) em cinco cantinas em Rogaland, o que mostrou que 84% dos participantes preferiram o tomate produzido na Noruega.

Fonte: Regjeringen