(Fotos: reprodução twitter oficial @MercedesAMGF1)

A disputa no circuito Hermanos Rodríguez foi conturbada para algumas equipes. O astro dessa etapa foi Sergio Perez, que correu em casa e teve o apoio da maioria nas arquibancadas. O grid de largada foi liderado por Charles Leclerc, seguido de Sebastian Vettel e Lewis Hamilton. Max Verstappen perdeu a pole e foi punido em -3 posições no grid após ignorar bandeira amarela na qualificação 3.

Após as luzes se apagarem, Hamilton já estava colado em Vettel, que forçou o inglês para a grama de tal forma, que o fez pisar nos freios para evitar uma colisão antes mesmo da curva 1. Em seguida, durante a curva 3, Verstappen foi tocado lateralmente por Hamilton, ambos saíram do traçado e cortaram pela grama, mas o inglês conseguiu sair à frente do piloto RBR, que perdeu várias posições e caiu para P8. Com a confusão, Albon assumiu a P3, seguido de Sainz na P4.

Cinco voltas à frente, Verstappen ultrapassou Valtteri Bottas e subiu para a P7, o que não durou muito: Bottas abriu asa na zona de DRS antes da curva 1 e retomou a posição. Verstappen teve seu pneu traseiro direito furado pelo finlandês durante um toque de sua asa frontal, o que o levou direto para os boxes.

Em 10/71, houve uma batalha entre Sergio Perez e Daniil Kvyat pela P8: com a asa móvel aberta, Perez aproveitou o vácuo de Kvyat e o ultrapassou por dentro antes da curva 1, o que resultou em um som estrondoso dos fãs em comemoração ao ataque bem sucedido do mexicano.

Na volta de número 13/71, Lando Norris foi para o seu frustrado pit-stop: ao ser liberado para retornar à pista, Norris andou uns metros no pit-lane e logo parou, ao notar que a roda dianteira esquerda estava solta. O piloto Mclaren desligou o motor e perdeu muito tempo ao esperar ser empurrado de volta para a área dos boxes. Mais uma corrida que se tornou um pesadelo para Lando após o GP da Bélgica, em Spa.

Nove voltas depois, Verstappen, que se encontrava na P13, foi forçado para fora por Kevin Magnussen e quase bateu na traseira do piloto Haas. Embora tenha sido agressivo, a FIA não achou necessário uma investigação para avaliar se deveria punir Magnussen.

Lewis Hamilton fez sua segunda parada nos boxes em 24/71 e colocou pneus duros, que a equipe acreditava que durariam até o final da corrida. A troca de pneus foi uma das mais rápidas da prova, com o tempo de apenas 2.4s.

Na volta 36/71, houve uma disputa acirrada entre Carlos Sainz e Pierre Gasly pela P12: Gasly tentou ir por dentro antes da curva 1, mas Carlos atrasou nos freios e bloqueou. Em seguida o francês abriu asa na reta antes da curva 4 e assumiu a posição do espanhol. Mais adiante, Vettel (que liderava a prova) quase bateu na traseira de Sainz durante a curva 5, mas aproveitou o movimento rápido de esquiva para deixar o piloto Mclaren para trás. Uma volta depois, Vettel foi para os boxes e colocou pneus médios.

Charles Leclerc foi para sua segunda parada em 43/71, que seria conturbada: um problema de fixação da roda traseira direita atrasou sua saída em 4 segundos, o que comprometeu a estratégia da equipe para o piloto.

Ao faltarem apenas 10 voltas para o fim, Daniel Ricciardo abriu asa e ultrapassou Perez antes da curva 1, mas um problema de travamento em sua roda dianteira direita, o tirou de frente e o levou direto para o gramado. Assim, Perez manteve a P7.

Kimi Raikkonen abandonou ao detectar problemas de resfriamento em seu C38, consequentes de um toque sofrido na volta inicial. Lando Norris completou a lista dos que não concluíram o GP, ao receber a ordem da equipe para se retirar: a Mclaren notou que “alguns parâmetros do carro estavam acima do limite”.

Na penúltima volta, durante a curva 16, Kvyat tocou na roda traseira direita de Nico Hulkenberg e o fez bater de costas no muro. Com o toque, Kvyat recebeu punição de uma posição abaixo após cruzar a linha de chegada. Com isso, Hulkenberg assumiu a P10 e garantiu 1 ponto para a Renault.

E o primeiro a cruzar a linha de chegada foi Lewis Hamilton, que rompeu com uma série de duas vitórias da Red Bull, seguido de Vettel e Bottas. Charles Leclerc (que chegou em quarto) fez a volta mais rápida, com o tempo de 1.19.232 em 53/71 e garantiu +1 ponto.

No momento, Hamilton precisa de 4 pontos para se tornar hexacampeão mundial de Fórmula 1, junto com a Mercedes, que já conquistou o título de hexa no Japão.

Confira o resultado com os top 10:

144Lewis HamiltonMERCEDES711:36:48.90425
25Sebastian VettelFERRARI71+1.766s18
377Valtteri BottasMERCEDES71+3.553s15
416Charles LeclercFERRARI71+6.368s13
523Alexander AlbonRED BULL RACING HONDA71+21.399s10
633Max VerstappenRED BULL RACING HONDA71+68.807s8
711Sergio PerezRACING POINT BWT MERCEDES71+73.819s6
83Daniel RicciardoRENAULT71+74.924s4
910Pierre GaslySCUDERIA TORO ROSSO HONDA70+1 volta2
1027Nico HulkenbergRENAULT70+1 volta1

A próxima etapa será o GP dos Estados Unidos, no dia 3, às 16:10h (horário de Brasília).

Facebook Comments

Comments are closed.