A Noite dos Cristais foi um “marco” na história da Alemanha Nazista, alcançando um grau de violência inédito. O nome deve-se à fenomenal quantidade de vidros quebrados espalhados pelas ruas ao longo desta noite infame. Mais de 30.000 Judeus foram levados a Campos de Concentração apenas nesta noite, e aproximadamente 16.000 levados para a fronteira com a Polônia, que não os aceitou, deixando-os por quase uma semana sem alimentação, sendo devolvidos à Alemanha, em um vai e vem penoso e humilhante.

Talvez a lembrança deste horrível momento na vida deste povo deveria nos levar a chorar. Mas, não vou chorar, vou acender luzes para iluminar o mundo, como este povo vem fazendo. Pois, a noite entre 9 e 10 de novembro de 1938, não pode ser esquecida. Tem de ser lembrada, se possível, com muita luz. Em minha casa as luzes da sala não serão apagadas. Será a minha forma de trazer luz a um mundo escurecido pelo ódio, pela discriminação, pela falta de humanidade. Mesmo que você não tenha descendência ou ascendência judia, faça isso, em memória dos milhares que foram torturados, mortos ou deportados para campos de concentração.

A perseguição nazista à comunidade judaica alemã já havia começado em abril de 1933, com a convocação aos cidadãos alemães à boicotarem os estabelecimentos pertencentes a judeus, também os proibindo de frequentar estabelecimentos públicos, inclusive hospitais.

Incentivados por Goebbels, Ministro da Propaganda Nazista, Doutor em Filosofia pela Universidade de Heidelberg, o maior celeiro de cultura da Alemanha, fundada em 1386 e cujos alunos têm inacreditáveis 55 prêmios Nobel, a Alemanha e a Áustria mostraram seu lado mais pútrido. Goebbels proibiu a polícia de dar proteção e proibiu os bombeiros de apagarem os incêndios, a menos que “colocassem em risco bens de não Judeus”.

As justificativas usada pelos nazistas, para dar início amplamente a este genocídio, foi o assassinato do então diplomata alemão em Paris, Ernst von Rath, pelo jovem Herschel Grynszpan, um estudante judeu de 17 anos, dois dias antes. Trajetória para o Holocausto estava sendo aberta.

Os resultados desta barbárie causaram, a destruição de mais de mil Sinagogas, cerca de 7500 lojas de Judeus foram depredadas, suas vitrines transformadas em resíduos de vidros, incontáveis residências foram invadidas, saqueadas e vandalizadas, todos os Centros Comunitários Judaicos queimados, em uma única noite.

Naquela noite fatídica, esse povo, que nos deu a Bíblia Sagrada, o monoteísmo, o descanso semanal obrigatório, o respeito pelas mulheres, crianças, animais, e pelo idoso,  viram os céus iluminados pelas labaredas provenientes das sinagogas e rolos da Torá que queimavam, e ouviram o barulho ensurdecedor de milhares de vidraças estilhaçadas, pessoas sendo, mortas, espancadas e presas, pelo simples fato de serem judeus.

A Noite dos Cristais ou Kristallnacht, foi o fósforo que ascendeu o estopim, de um dos maiores genocídios em massa da história, aliás quando o mundo descobriu o horror dos campos de concentração nazistas, a palavra genocídio nem existia. Nunca antes, nem depois, um governo organizou uma infraestrutura tão eficiente e organizada, para matar pessoas.

A Alemanha de Hitler dizimou 6 milhões de judeus e 10,5 milhões de eslavos. Também perseguiu gays, ciganos, romenos e sérvios, e qualquer um que se opuse-se ao regime. Também devemos relembrar os soldados mortos pertencentes aos Aliados, constituídos por países como França, Inglaterra, EUA, Brasil e, posteriormente, URSS, que constituíram a aliança formada na Segunda Guerra.

Pois bem, quero trazer aqui algumas informações, que talvez você leitor não saiba, mas, as maiores descobertas cientificas da humanidade, vieram do povo Judeu, descobridores como Colombo, Cabral, Fleming que trabalhou juntamente com Boris Chaim, na descoberta de vacinas, como a Sabin e a Penicilina, eram judeus. A máquina de costura de Singer e os Jeans de Lewis, o Controle Remoto e a Realidade Virtual, o Long Play, o Vídeo Cassete e a TV a Cores, o Prozac, Valium, o Raio X e a Quimioterapia, também foram inventadas por judeus.

Foram judeus os inventores do Rim Artificial, do desfibrilador, do Marca Passo. Judeus criaram o Google, o Microfone e o Cabo de Fibra Ótica. O Pendrive e o conector USB. A Medicina Não Invasiva e pelo menos 45 medicamentos inovadores.

Sendo apenas 0,2% da população mundial, os Judeus ganharam 22,5% dos Prêmios Nobel – 203 dos 905 Prêmios Nobel.  E também nas artes , Burt Bacharach, Bárbara Streisand, Woody Allen, Steven Spielberg, Leonard Bernstein, Bob Dylan, Neil Diamond, George Gershwin, Irving Berlin, Marc Chagall.

E qual o motivo? Por que um povo tão pequeno deu tantos inventores, músicos, pintores, economistas, autores?

Em minha modesta opinião isto se deve ao princípio básico da educação Judaica: Tikun Olam – Consertar o Mundo, melhorá-lo. Quando o Judeu lê a Torá (Bíblia), logo no início, no sexto dia, Deus diz: “Façamos o Homem”. Na interpretação Judaica, Deus está falando com o próprio Homem. Ele está dizendo que cabe ao homem ajudar na criação, completar um mundo criado incompleto para que cada homem o aprimore.

Exatamente por isto é que não vou chorar. Provavelmente algumas lágrimas escorrerão por minha face ao lembrar da Noite dos Cristais Quebrados. Mas, serão lágrimas de agradecimento e respeito por todo o legado histórico, científico e cultural deixado pelo povo judeu, mas, o que mais aprendo com o povo judeu, está relacionado a sua fé e esperança, uma verdadeira lição, que me ensina a não desistir defronte as dificuldades, que acontecem ocasionalmente na minha vida. Por isso, vou acender luzes durante toda esta noite, de 9 à 10 de novembro, fazendo a minha parte, tentado trazer luz a um mundo que, infelizmente, ainda tem muita escuridão.

Adaptação por Joice Ferreira, ao texto original do Autor Marcos L Susskind, que possuía o titulo “Não vou chorar”.

Fontes:

Opinião: “Noite dos Cristais” e o silêncio dos alemães. Made For Minds. Acessado em 09/10/2019. Disponível em https://www.dw.com/pt-br/opini%C3%A3o-noite-dos-cristais-e-o-sil%C3%AAncio-dos-alem%C3%A3es/a-46194265

Noite dos Cristais. Brasil Escola. Acessado em 09/10/2019. Disponível em https://brasilescola.uol.com.br/historiag/noite-dos-cristais.htm