Estudo do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento cruzou dados sobre valor de produção agrícola e do PIB

Um estudo realizado pelo Departamento de Financiamento e Informação da Secretaria de Política Agrícola, do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) aponta os municípios que lideram o valor da produção de algodão herbáceo, milho e soja e apresentaram os maiores valores para o PIB per capita (Produto Interno Bruto por habitante). O estudo cruzou os dados da classificação dos municípios pela Pesquisa Agrícola Municipal (PAM), do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), com o PIB. 

Foram selecionados 20 municípios produtores de soja, milho, feijão, cana-de-açúcar, café, algodão herbáceo, arroz, cacau e laranja, que representaram 59% do valor da produção do país. “Nota-se que estes municípios têm um PIB per capita mais de duas vezes maior do que a média nacional (R$ 31.834,00). Campos de Júlio (MT) apresentou PIB per capita de R$ 190.239, seis vezes maior do que a média nacional. Sapezal (MT) teve um PIB per capita de R$ 103.552, em 2018, mais que três vezes o PIB per capita do país.”, afirmou o coordenador geral de Avaliação de Políticas e Informação do Mapa, José Garcia Gasques. Outros municípios, como Diamantino (R$ 91.907) e Nova Ubiratã (R$ 90.449), também apresentaram PIB per capita muito superior à média nacional.

As regiões que lideram o valor da produção de algodão, milho e soja, são as que têm gerado a maior riqueza no campo, indicada pelo PIB. Numa posição abaixo, estão as áreas de cana de açúcar, feijão e laranja. As regiões com o mais baixo valor do PIB per capita são as áreas de café, cacau e arroz, com PIB per capita cerca de 20% a 30% abaixo da média nacional. “Esses resultados mostram que as regiões que têm incorporado níveis crescentes de tecnologia também têm liderado a geração de renda na agricultura. Nessa corrida, produtos com maior dificuldade de deixar padrões tradicionais de produção estão ficando para trás, o que tem levado ao empobrecimento de importantes regiões brasileiras”, completou Gasques.

Maiores economias agrícolas municipais

Os dados da Pesquisa Agrícola Municipal (PAM), divulgada em setembro do ano passado pelo IBGE, mostram que São Desidério (BA), Sapezal (MT) e Sorriso (MT) são os municípios com o maior valor de produção agrícola do país. São os principais produtores de algodão herbáceo, soja, milho, entre outros grãos, e campeões de geração de riqueza no campo. O órgão avaliou 38 culturas permanentes e 33 temporárias. Entre os 50 municípios com maior valor da produção agropecuária, 18 estão no Mato Grosso.

O primeiro lugar do ranking pertence a São Desidério, situado a oeste da Bahia, com valor da produção de R$ 3,6 bilhões, em 2018, alta de 54,4% em relação ao ano anterior. Metade desse valor foi gerada pela soja, correspondendo a 1,6 milhão de toneladas. Na segunda posição de maior município produtor brasileiro está Sapezal, que fica a oeste de Mato Grosso, com R$ 3,3 bilhões (+28%). Além de produzir soja, girassol, feijão e arroz, seu principal produto é o algodão herbáceo, cujo valor da produção foi de R$ 1,8 bilhão, em 2018.

Sorriso, localizado ao norte de Mato Grosso, saiu da primeira posição, em 2017, para a terceira, em 2018. O valor da produção somou R$ 3,3 bilhões, em 2018. O principal produto desse município é a soja, cuja produção foi de 2,2 milhões de toneladas, gerando um valor da produção de R$ 2 bilhões. Sorriso também é um importante produtor de milho, o primeiro do país, e de feijão.

Importância

“Esse estudo tem sido a base de diversos trabalhos sobre a agricultura brasileira, além de ser importante fonte de informação sobre os municípios”, avalia José Garcia Gasques, sobre o que representa o estudo do IBGE como fonte para acompanhamento das informações agropecuárias em nível municipal.

Imagem em destaque: Divulgação/Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento

Fonte: gov.br

Print Friendly, PDF & Email

Facebook Comments

Comments are closed.