Presente em todas as edições desde Atlanta 1996, velejador vai disputar o evento pela sétima vez

O 43° lugar no Mundial de Laser, obtido na última semana, em Melbourne (Austrália), pode até não ser o resultado esperado pelo velejador Robert Scheidt. Ainda assim, o bicampeão olímpico tem motivos de sobra para comemorar. Além de ter assegurado a vaga nos Jogos Olímpicos Tóquio 2020, Scheidt se tornará o segundo atleta sul-americano com mais participações na história do evento: sete.
Presente em todas as edições desde Atlanta 1996, Scheidt perde apenas do atirador peruano Francisco Boza, que foi a oito Jogos. Por outro lado, ele deixa para trás o argentino Juan Curuchet (ciclismo), o peruano Juan Gira (tiro esportivo) e os brasileiros Torben Grael (vela) e Hugo Hoyama (tênis de mesa). Outros dois atletas do país também têm seis Jogos Olímpicos no currículo, mas ainda podem igualar Scheidt, caso se classifiquem para Tóquio 2020: a meio-campista Formiga (futebol) e o cavaleiro Rodrigo Pessoa (hipismo saltos).
“Estou muito feliz com a classificação para os Jogos Olímpicos, que será a minha sétima participação. É uma grande oportunidade e uma grande honra integrar a delegação brasileira. Mas quero dizer também que o meu objetivo é ser competitivo nos Jogos Olímpicos, e os próximos meses serão de muito trabalho e muito treinamento”, disse Scheidt, maior medalhista do Time Brasil na história dos Jogos, ao lado de Torben: cinco pódios (2 ouros, 2 pratas e 1 bronze).
Esta será a quinta participação de Scheidt na classe Laser. Em Pequim 2008 e Londres 2012, ao lado de Bruno Prada, o velejador competiu na Star, que não integra mais o programa olímpico.

Foto: Wander Roberto/Exemplus/COB

Fonte: COB

Print Friendly, PDF & Email

Facebook Comments

Comments are closed.