Conheça como funciona o trabalho de uma OSCIP que resgata animais em situação de risco e abandono

O abandono de animais cresce cada vez mais, a maioria das pessoas quando se deparar em uma situação de abandono ou maus tratos, entra em contato imediatamente com alguma entidade de regaste ou abrigo, acreditando que elas têm a obrigação de agir e recolher este animal imediatamente, mas na maioria dos casos não é assim que funciona.

As entidades de regate ou abrigos, são formadas por voluntários, que dedicam seu tempo e dinheiro no recolhimento destes animais. É um trabalho que exige muito amor, dedicação e paciência, pois os animais são resgatados em sua maioria em péssimos estado de saúde e higiene, animais atropelados, vítimas de maus tratos e fêmeas com os filhotes.

Um exemplo deste trabalho é a SOS Peludinhos, que se apresenta como OSCIP – Organização da Sociedade Civil de Interesse Público, de proteção animal do município de Itajaí e desde 2011 mantêm o foco de suas atividades na proteção dos animais na cidade. Sem fins lucrativos, a entidade se mantém por meio de voluntários, doações da comunidade, protetores da região e todos os amantes de animais.

Alguns voluntários da Ons SOS Peludinhos em um evento. Foto Facebook

Como não possui abrigo ou sede própria, quando um animal é resgatado, ele fica na responsabilidade de um dos voluntários, que dá um lar temporário ou LT, como é mais conhecido. Este voluntário tem a responsabilidade de cuidar da saúde, alimentação e dar abrigo até que o animal seja adotado.

As adoções funcionam através das feirinhas, que acontecem em média duas vezes por mês, e são montadas em estacionamentos de supermercados, onde o voluntário se responsabiliza pela locomoção do animal, até o local onde a feirinha está acontecendo e se o animal não for adotado, ele retorna para casa de seu cuidador temporário, e através de divulgações das redes sociais, onde o grupo posta pedidos de adoção, fotos de animais perdidos, de animais encontrados e histórias de solidariedade.

Quando um animal é adotado, uma ficha é preenchida com todos os dados de seu novo dono, para futuros acompanhamentos e se por algum motivo o animal for devolvido por seu adotante, ele retorna para seu tutor voluntário. Infelizmente isso é muito comum, quando alguém toma a decisão de adotar, deve estar ciente que o animal possui suas necessidades fisiológicas, precisa de cuidados e atenção, que não é como um aplicativo de celular que você utiliza e o desinstala quando lhe convém.

Cada animal resgatado é vacinado, desvermifugado e castrado e se for filhote, tem a castração garantida quando alcançar a idade adequada da castração, para assim auxiliar no controle populacional de animais de ruas e também na prevenção de câncer nas manas e no útero das fêmeas e câncer de próstata e testículos nos machos. 

Quando uma denúncia de abandono ou maus tratos chega a OSCIP SOS Peludinhos, os voluntários se locomovem ao local com seus próprios veículos ou de carona, lembrando que todos trabalham, tem suas famílias e suas obrigações, então, sacrificam seu tempo de folga ou hora de almoço para se deslocar até o local.

Quando um animal chega e é resgatado ferido, doente ou vítima de maus tratos, os voluntários imediatamente encaminham para os hospitais veterinários da região e estas contas, são pagas através de “vaquinhas”, organizam brechós de objetos doados, como calçados e roupas, onde os voluntários se disponibilizam para orientações sobre a causa animal ou arrecadações através de rifas e calendários.

A OSCIP SOS Peludinhos também trabalha na estimulação do amor e o respeito aos animais. Auxiliam os órgãos competentes no sentido de aprimorar a legislação relacionada aos direitos dos animais, incentivando a fiscalização e conscientização da população, sobre abandono e maus tratos, promovendo campanhas educativas e orientando a população quanto ao respeito e cuidados com os animais e fiscalizar o cumprimento da legislação relativa aos animais, promovendo as ações judiciais competentes, quando for o caso.

Há mais ou menos um ano temos acompanhado de perto o trabalho dos voluntários desta OSCIP, e podemos garantir que não é fácil. Quase que diariamente a equipe se depara com uma história triste de abandono, animais que são atropelados e não socorridos, filhotes recém nascidos jogados em saco plásticos ou caixa de papelão em matagais ou latas de lixos, ainda possuindo o cordão umbilical, animais adultos que não couberam na mudança ou são abandonados por se tornarem doentes ou velhos demais.

Também presenciamos muitas histórias de adoção com finais felizes e estas histórias foram as responsáveis pela nossa iniciativa de escrever este artigo, para que mais pessoas conheçam e ajudem esta OSCIP, pois, assim, mais histórias com finais felizes acontecerão.

Você pode ser um voluntario, não é preciso nenhum conhecimento específico para ajudar, basta ter boa vontade e amor no coração. Cada um auxiliando da sua maneira, hoje a SOS Peludinhos conta com o apoio de pessoas que permitem que o sonho de dar um lar para cães e gatos se torne realidade. Você também pode doar ração, cobertores, lençóis, panos e jornais para animais não passarem frio, bem como, casinha e produtos de limpeza.

Para ajudar a SOS Peludinhos sendo um voluntario, basta entrar em contato através do número (47) 99187-4638.

A OSCIP possui ainda uma fan page no Facebook e uma conta no Instagram onde recebe dezenas de solicitações semanais, realizando atendimentos na medida de sua capacidade.

Como você pode ajudar uma entidade de resgate de animais?

Antes de mais nada, precisamos conscientizar as pessoas a não abandonar, não machucar os animas de rua, ou negligenciar qualquer animal. Faça sua parte e seja um bom cidadão. Quando você se responsabiliza por um animal precisa oferecer todos os cuidados necessários e saber que é uma vida, que ele tem sentimentos. Abandoná-lo causará muito sofrimento e, na maioria dos casos, ele não sobreviverá nas ruas.

Além do abandono, maus tratos, como bater, negar água ou alimento, manter o animal preso por correntes também é considerado crime. É preciso denunciar. A Lei 9605/98 (Lei de Crimes Ambientais) prevê maus tratos como crime. Caso você presencie qualquer situação que possa colocar um animal em risco, tire fotos, grave um vídeo e denuncie. Você pode salvar uma vida.

Fonte Facebook
Fonte Imagem destacada Pixabay
Print Friendly, PDF & Email

Facebook Comments

Comments are closed.