SÃO JOSÉ-RS 0 (5) x (4) 0 CHAPECOENSE

Jogando em casa, o São José fez valer o mando de campo e criou as melhores chances do primeiro tempo diante da Chapecoense, que não levou perigo ao gol de Fábio. A primeira chegada do Zequinha foi logo aos três minutos, com chute forte de Tiago Pedra, que mandou para fora. Depois, aos sete, Gustavo Xuxa soltou uma pancada na direção do gol, e Tiepo mandou para escanteio. Em uma das melhores oportunidades, aos 18, Xuxa bateu em cima da linha, e Joílson salvou a Chape. No rebote, Rafael Tavares cabeceou por cima e desperdiçou a chance. Antes do intervalo, Gustavo Xuxa recebeu passe preciso de Thayllon, mas acabou desarmado na sequência.

O São José seguiu ofensivo no segundo tempo, sem dar brechas para a Chapecoense. Logo na saída de bola, após boa jogada pela esquerda, Thayllon cruzou na área, e Marcos Vinícius quase marcou contra ao tentar afastar o perigo e acertar a trave. Aos 13, Thayllon driblou Alan Rushel e finalizou bem para o gol, mas viu Tiepo fazer boa defesa. Depois, nos minutos finais, a Chape finalmente chegou perto. Aos 36, Renato soltou uma bomba para o gol, mas mandou por cima da meta de Fábio. E, aos 41, Aylon recebeu bom passe de Paulinho Moccelin, mas finalizou para fora. Assim, sem alterações no placar, a decisão acabou indo para os pênaltis.

Nas cobranças, brilhou a estrela do goleiro Fábio, que defendeu os dois últimos chutes da Chapecoense, batidos por Paulinho Moccelin e Lima, e foi fundamental para a vitória por 5 a 4 do São José. Fábio, Marcão, Thayllon, Matheusinho e Crystopher converteram para os gaúchos – Alexandre foi parado em Elias. Do lado da Chape, Vini Locatelli, Renato, Alan Rushel e Aylon converteram.

Ponte Preta 0 (5) x (3) 0 Vila Nova

O equilíbrio marcou o primeiro tempo da partida entre Ponte Preta e Vila Nova-GO. Com poucas chances para os dois lados, o placar não foi alterado. A Macaca arriscou com Bruno Reis, que carimbou a zaga, na finalização fraca de Apodi e no chute para fora de Roger, que estava cara a cara com o goleiro adversário. Do lado do time goiano, Talles foi quem chegou mais perto, quando chutou forte de fora da área e viu a bola passar rente ao travessão.

O parâmetro do segundo tempo não mudou muito. No entanto, a Ponte Preta criou. Aos nove minutos, Roger foi parado em Fabrício. Depois, Bruno Rodrigues finalizou com perigo, mas o lance já estava em impedimento. Henrique Trevisan também viu Fabrício fazer boa defesa. E, por fim, Vinícius Zanocelo acertou o travessão. Já o Vila Nova teve a melhor oportunidade aos 23, quando Gilsinho levantou a bola na área, e Brunão cabeceou com perigo. No entanto, o placar insistiu em não sair do zero e a decisão foi para os pênaltis.

Nas cobranças, a Ponte Preta levou a melhor: vitória por 5 a 3. Roger, João Paulo, Vinícius Zanocelo, Dawhan e Bruno Reis converteram. Do lado do Vila Nova, Dimba, Emanuel Biancucchi e Mario Henrique marcaram, enquanto Gilsinho perdeu.

Fonte: CBF
Print Friendly, PDF & Email

Facebook Comments

Comments are closed.