Viagens e Turismo

Série conheça o Sul do Brasil: Antonina/PR

Compartilhar

Antonina tem seu conjunto histórico e paisagístico tombado como Patrimônio da União.

A cidade de Antonina surgiu devido à devoção a Nossa Senhora do Pilar. Eram duas irmãs que rezavam a Virgem do Pilar, o que fez com que o pequeno vilarejo se movimentasse e no dia 15 de agosto (como é até hoje), a cidade recebesse inúmeros fiéis que lotam a imponente Igreja Matriz construída em 1715.

Possui uma paisagem privilegiada, emoldurada pelos morros circundantes e pelas escarpas da Serra do Mar, com vegetação exuberante, sendo banhada pelas águas tranquilas da Baía de Antonina, onde o Atlântico avança com mais profundidade em toda a costa brasileira.

Casario de Antonina. É uma cidade histórica, notadamente pelo conjunto arquitetônico antigo, ruas estreitas e uma tranqüila população que conserva sua tradições culturais e religiosas. Até o final de 1970 a principal fonte geradora de empregos diretos e indiretos, foi o Porto Barão de Tefé. Antonina (PR). Foto: Werner Zotz Antonina (PR). Foto: Werner Zotz

O cenário bucólico do centrinho histórico é um dos cartões-postais da cidade. De frente para a Baía de Antonina e contornado por uma cadeia de montanhas da Serra do Mar, o espaço é salpicado por coloridos sobrados coloniais e calçamentos em pedra.

Ruínas do antigo depósito de erva-mate que Antonina guarda em suas ruas estreitas e suas construções seculares mais de 300 anos de história. A cidade viveu sua fase áurea durante o Ciclo da Erva-Mate, na segunda metade do século XIX. Hoje, essas construções atraem milhares de turistas, que encontram nelas uma forma de conhecer o passado e aprender mais sobre a história do Paraná.

Completam a paisagem as ruínas de um antigo porto, responsável pelo escoamento da erva-mate no século 19. Nos arredores, as atrações ficam por conta da natureza. Com boas corredeiras, o rio Cachoeira é um dos mais concorridos quando o assunto é rafting. As descidas acontecem em um trecho de três quilômetros e duram cerca de uma hora e meia.

Casario de Antonina ao lado da Igreja do Bom Jesus do Sarivá, popularmente conhecida como Igreja da Estação. É uma cidade histórica, notadamente pelo conjunto arquitetônico antigo, ruas estreitas e uma tranquila população que conserva sua tradições culturais e religiosas. Até o final de 1970 a principal fonte geradora de empregos diretos e indiretos, foi o Porto Barão de Tefé.

O ponto de partida da aventura é a Estrada do Bairro Alto, onde a pedida é fazer caminhadas por trilhas e tomar banho nas cascatas. Os adeptos do montanhismo se encontram no Pico do Paraná, na divisa entre Antonina e Campina Grande do Sul. Com 1.962m, é o maior do estado.

O barreado, comida típica do estado do Paraná, composto de carne cozida, pimentas nativas, farinha de mandioca refinada, arroz e banana cortada em fatias.

Para repor as energias, aposte no prato típico da cidade, o Barreado. A iguaria é preparada em panela de barro e feita com pedaços de carne e farinha de mandioca. O cozimento dura três horas e o prato, de dar água na boca, é servido acompanhado por banana da terra e laranja.

Fonte com Turismo.gov.br

Print Friendly, PDF & Email

Compartilhar

Joice Maria

Colunista associado para o Brasil em Duna Press Jornal e Magazine, reportando os assuntos e informações sobre as atualidades sócio-políticas e econômicas da região.
Botão Voltar ao topo
Translate »