Ex-atacante marcou no empate, por 1 a 1, diante da Ferroviária, no ABC paulista, pelo Campeonato Paulista de 1993

Nascido para fazer gols, o ex-atacante Serginho Chulapa marcou seu nome na história de dois dos principais clubes do futebol nacional: São Paulo e Santos. Dono de personalidade forte e tentos por onde passou, o ex-jogador ia às redes pela última vez em sua gloriosa carreira há exatos 27 anos, no empate, por 1 a 1, entre São Caetano x Ferroviária pelo Paulistão de 1993.

Revelado pelo São Paulo, Serginho é o maior artilheiro da história do clube do Morumbi, com 242 gols. Pelo Tricolor, o ex-jogador conquistou o título do Campeonato Brasileiro, em 1977, além do tricampeonato paulista, em 1975, 1980 e 1981. Ao todo, o goleador defendeu as cores tricolores de 1973 até 1982, sendo emprestado em 1973 para o Marília.

Após grande sucesso no São Paulo, Serginho foi negociado com o Santos, onde também marcou história, tornando-se o segundo maior artilheiro do clube após a era Pelé, com 104 gols, mesmo número de João Paulo. Neymar é o líder com 138 gols em 225 partidas.

Pelo clube da Vila Belmiro, Serginho foi fundamental na conquista do Paulista de 1984, quando marcou o único gol da final daquela edição diante do Corinthians. Também com a camisa alvinegra, foi o principal goleador do Campeonato Brasileiro de 1983.

Depois do Santos, Serginho ainda defendeu o Corinthians, times de Portugal e Turquia, Santos novamente e Portuguesa Santista, antes de chegar ao São Caetano, em 1991. Defendeu o clube do ABC por três temporadas, anotando ao todo, 12 gols, sendo o último no empate, por 1 a 1, diante da Ferroviária pelo estadual de 1993.

Na oportunidade, no estádio Anacleto Campanella, em São Caetano do Sul, os afeanos abriram o placar aos 38 minutos, com o atacante Romildo, e Serginho anotou a igualdade aos 44 minutos da primeira etapa, decretando o empate. Quem também defendia o São Caetano nesta época era o lateral direito Zé Carlos, que chegou à Copa do Mundo de 1998.

Acervo CBF
Histórias em Copa do Mundo

Sendo um dos principais goleadores do Brasil em 1977, Serginho Chulapa vinha sendo convocado por Claudio Coutinho para a Seleção Brasileira e era “nome certo” na Copa do Mundo do ano seguinte, na Argentina.

Mas por conta do seu temperamento explosivo, não concordou com a marcação de um impedimento diante do Botafogo, em Ribeirão Preto, pelo Brasileiro de 1977, acabou agredindo o assistente e foi suspenso durante um ano, ficando de fora do mundial.

Quatro anos mais tarde, Serginho foi titular do ataque que encantou a todos na Copa do Mundo de 1982, na Espanha. Ao lado de Toninho Cerezo, Falcão, Sócrates, Zico e Éder, o ex-goleador anotou dois gols naquele mundial, na primeira fase contra a Nova Zelândia e pelo Grupo 3 -segunda fase- no clássico contra a Argentina. Posteriormente, o Brasil foi eliminado pela Itália, que conquistou o título daquela edição.

Ficha técnica:
São Caetano 1 x 1 Ferroviária
Local:
 estádio Anacleto Campanella, em São Caetano do Sul;
Data: 31 de março de 1993.

Árbitro: Valter Francisco dos Santos.

São Caetano: Solitinho; Zé Carlos, Cleber, Adriano (China) e Donizete; Tobias, Paulo Rodrigues e Vander Luis; Cocan, Zeomar e Serginho Chulapa. Técnico: Luis Carlos.

Ferroviária: Airton; Fabio Henrique, Fonseca, Paulinho Oliveira e Luciano; Alcinei, João Batista e Cesar; Paulo Américo, Romildo (Moisés) e Edelvan. Técnico: Vail Mota.

Foto: Site Trivela
Fonte: Federação Paulista de Futebol
Print Friendly, PDF & Email

Facebook Comments

Comments are closed.