O Poder Transformador de Deus

O Poder Transformador de Deus

Segunda parte da resenha sobre o livro : O peregrino

Lemos livros para alimentar a alma, elevar-nos mais próximos do divino e transcendente, o corpo, cuidar deste templo e fortaleza, e a mente, o conhecimento para vencer os obstáculos da vida e as limitações típicas de medíocres. Os dias turbulentos têm trazido incertezas, dúvidas e agonia por não sabermos o que esperar do dia de amanhã. Estaremos empregados? Saudáveis? Livres? Somos ainda, diante de tudo, senhores do nosso destino?

Cremos que em um mar revolto, baixo uma forte tempestade, entregar o comando da embarcação a quem tem mais capacidade, soa não somente lógico como bastante acertado. Entregar a Deus nossa alma, mente e corpo é depositar nossas certezas e incertezas em quem saberá gerenciá-las. Por isso, a obra O Peregrino, pode ser um meio de ensinarmos a nossa mente tão secular e cheia de razões e deduções, o quanto um simples, porém audacioso, salto de fé pode trazer de benefícios para nossa vida.

Nosso querido Cristão, como relatado no texto da segunda passada, reuniu-se com Deus na cidade celestial, mas sua família ainda haveria de passar por desafios grandiosos em sua jornada rumo ao encontro com O Senhor. Sua esposa Cristiana e seus filhos, guiados através de um dos personagens mais carismáticos e profundos da obra, Sr. Grande coração, uma figura que reúne sabedoria, força e coragem, sendo tanto conselheiro e consolador como também um determinado guerreiro.

O palestrante internacional Richard Blackaby deixa claro que: “Muitos dos personagens se tornaram amados ao longo dos anos. O Sr. Grande Coração é, obvio, heróico. Ele pacientemente guia Christiana, sua família e vários outros retardatários. Ele bravamente luta contra vários gigantes e derrota todos eles. Curiosamente, Christiana descobre que, como ela inicialmente não solicitou a assistência de Grande-Coração, ele não foi fornecido. No entanto, uma vez que ela pediu sua ajuda, ele viajou com ela e seu grupo pelo restante de suas viagens e deu-lhes assistência inestimável.

Bunyan faz muitos pontos práticos e  importantes sobre como Deus daria muito mais assistência aos crentes se apenas pedíssemos Sua ajuda e reivindicássemos Suas promessas.”

A personagem Christiana é uma legitima peregrina, percorrendo o caminho para o destino celestial, embora seja diferente a forma como o marido enfrentou o mesmo. A segunda parte é um aviso que apesar de nossas limitações, temos o poder de decidir como viveremos neste mundo e como desfrutaremos da liberdade que a nós foi concedida, não pelo estado ou pelos homens, mas por Deus.

A obra de Bunyan é um retrato fiel e didático da vida cristã e uma inspiração a todos que almejam o transcendente para além das prisões materialistas do presente, mas também é um consolo a todos que se perderam de si mesmos e de Deus.

Na segunda parte, o número de personagens que Christiana encontra no caminho, peregrinos como ela  e cooperadores de sua trilha, apontam que mesmo falhos podemos percorrer a estrada que grandes mártires e celebres teólogos fizeram e termos não somente a recompensa final, mas o crescimento que a jornada traz. Vemos a importância do amor ao próximo, estando este em servir os mais fracos em sua trajetória de vida.

Com essa quarentena e todo o medo que ela traz, nos sentimos mais desligados do peso dos dias e mais ligados com nossas famílias e, sobretudo, com Deus, Esse livro nos revelou com a simplicidade que somente grandes mestres podem fazer que a despeito da adversidade e negatividade, somos livres para crer e viver dias melhores caso tenhamos a força da fé para lutarmos por eles.

Print Friendly, PDF & Email