Grosjean sobre Raikkonen e Alonso: são surpreendentemente semelhantes

Grosjean sobre Raikkonen e Alonso: são surpreendentemente semelhantes

O descontraído Kimi Raikkonen e o intenso e determinado Fernando Alonso podem parecer opostos, mas Romain Grosjean – um ex-companheiro de equipe de ambos os pilotos – revelou uma maneira pela qual os dois eram “surpreendentemente” semelhantes.

Em uma recente Instagram Live com Will Buxton, Grosjean foi perguntado sobre qual de seus companheiros de equipe ele mais admira – o francês tendo corrido com Alonso na Renault em 2009 e Raikkonen na Lotus em 2012 e 13.

“Bem, isso é difícil para mim”, respondeu ele. “Comecei na Fórmula 1 ao lado de Alonso, depois voltei ao lado de Raikkonen e tive Kevin [Magnussen] agora, então sim, realmente, muito difícil”.

“Aprendi muito com Fernando e Kimi, da mesma maneira, surpreendentemente”.

Com 53 vitórias, três campeonatos e 200 pódios entre eles, ambos são obviamente vencedores, mas Grosjean diz que sua abordagem ao fim de semana do Grande Prêmio também foi muito semelhante.

“Muitas pessoas pensam que são muito diferentes, mas a maneira como começaram o FP1 estava no domingo às 15h10 – é tudo o que importava”, disse ele.

“Eles não se importavam se eram rápidos ou lentos nos treinos livres, estavam apenas se preparando para a corrida e, quando você é jovem, quer ser rápido em todas as sessões – então aprende sobre isso e pensa: : ‘OK, essas são as condições que estamos tendo [agora], mas no domingo elas serão um pouco diferentes, então vamos mudar isso e resolver”, explicou Grosjean.

Atualmente em preparação para sua quinta temporada consecutiva com a Haas e terceiro com Kevin Magnussen como companheiro de equipe, Grosjean também elogiou o dinamarquês.

“Bem, ele é rápido. Ele é muito rápido. Então Kev é um companheiro de equipe difícil de vencer. Ele é um viking de verdade, nunca o deixará ir. Ele é incrível.

“Eu não estava feliz com ele antes de ser seu companheiro de equipe. Mas quando você está no mesmo time, sabe que ele luta o máximo possível para trazer pontos para o time, é incrível”.

“Então, sim, tivemos algumas [colisões] no ano passado, mas conversamos e apenas adaptamos a maneira como estamos competindo juntos, pois tínhamos um ponto de vista diferente, só isso, e depois mudamos. E agora está muito bom ”, concluiu.

Fonte: Fórmula 1
Print Friendly, PDF & Email