Esportes

Fenomenal: Corinthians era campeão paulista invicto há 11 temporadas

Ronaldo ‘Fenômeno’ foi um dos principais responsáveis pelo título corintiano, a 26ª conquista ao longo de sua história

O dia 3 de maio de 2009 pode ser considerado histórico para o torcedor corintiano. Após retornar à elite nacional no ano anterior, o Corinthians contou com uma campanha ‘fenomenal’ para ressurgir no cenário brasileiro com o título do Campeonato Paulista de forma invicta, o 26º de sua história vencedora.

Após reconduzir o clube alvinegro à principal divisão nacional, o técnico Mano Menezes tinha a responsabilidade de recolocar o Corinthians como um dos principais postulantes ao título estadual, já que a equipe de Parque São Jorge não ficava no lugar mais alto do pódio no quesito paulista desde 2003.
Com a base campeã do Campeonato Brasileiro da Série B, Mano Menezes foi encontrando o time ideal ao longo do Paulistão. Apesar de oscilar no aspecto desempenho, o Corinthians se manteve invicto até a estreia de sua principal contratação para o ano: Ronaldo.

Após fazer a sua primeira aparição com a camisa do Corinthians no dia 4 de março daquele ano diante do Itumbiara-GO, pela primeira fase da Copa do Brasil. o Fenômeno voltava a campo quatro dias depois, em seu debute no Paulistão. E logo de cara o adversário era o Palmeiras, no Dérbi que aconteceu no estádio Paulo Constantino, o Prudentão, em Presidente Prudente.

Ronaldo entrou em campo aos 18 minutos do segundo tempo, no lugar do argentino Escudero, quando o Palmeiras vencia por 1 a 0, com gol de Diego Souza. Quando a vitória palmeirense era dada como certa, o camisa 9 marcou de cabeça, após cobrança de escanteio, e empatou o Dérbi aos 43 minutos. Na comemoração, parte do alambrado acabou cedendo, tamanha a festa corintiana.

Campanha

Naquela temporada, o regulamento do Campeonato Paulista previa a disputa em turno único dos 20 clubes participantes, sendo que os quatro melhores avançariam à semifinal, definida em dois jogos, e posteriormente à decisão, também decidida em dois confrontos.

O Corinthians terminou a primeira fase na terceira posição, com 39 pontos, cinco atrás do líder Palmeiras, e um a menos que o São Paulo, segundo melhor geral. O Santos foi o quarto colocado com 37 pontos. Deste modo, o Alviverde enfrentaria o time da Baixada Santista, enquanto São Paulo e Corinthians fariam o Majestoso por uma vaga na final.

Tricampeão brasileiro consecutivo na época, o São Paulo chegava como favorito e tinha a vantagem de decidir a segunda partida no Morumbi. O primeiro jogo aconteceu no dia 12 de abril, no Pacaembu e quando a bola rolou, o Tricolor saiu na frente com Miranda, mas o Corinthians conseguiu empatar ainda na primeira etapa com Elias. Já nos acréscimos do embate, o volante Cristian acertou um chute da intermediária para superar Ceni e decretar a vitória dos mandantes por 2 a 1.

Na volta, o Corinthians foi ao Morumbi com a vantagem de jogar pelo empate para chegar à finalíssima. O time de Mano Menezes administrou a igualdade na primeira etapa e matou o confronto no segundo tempo com gols de Douglas e Ronaldo, garantindo a passagem para enfrentar o Santos, que venceu os dois confrontos diante do Palmeiras. Por ter melhor campanha que o rival santista, o Corinthians visitaria o Santos na Vila Belmiro e tinha a vantagem de fazer o segundo jogo no Pacaembu.

Fenômeno

Na Vila Belmiro, o Santos colocava a esperança de título no talento de Neymar, ainda promessa da base santista. Apesar da empolgação santista, Ronaldo mostrou no gramado que já foi palco do “Rei”, que ainda era um fenômeno, apelido que ganhou na Itália, em 1997, quando atuava pelo Inter de Milão.

Após Chicão abrir o placar em cobrança de falta, o Corinthians viu a vantagem aumentar quando Ronaldo se aproveitou de bola rebatida no meio-campo, dominou e bateu por baixo de Fábio Costa. No segundo tempo, Triguinho descontou para o time da casa com ajuda do goleiro Felipe, mas o centroavante corintiano mostrou o seu talento após receber de Elias, driblar Triguinho e encobrir o arqueiro santista para dar números finais ao jogo: 3 a 1.

Com a vantagem de poder perder por até um gol de diferença, o Corinthians chegava ao Pacaembu em busca do título invicto. Precisando reverter a vantagem corintiana, o Santos abriu o placar com Kléber Pereira, de pênalti, mas o lateral esquerdo André Santos deixou tudo igual ainda na primeira etapa e definiu o placar, fazendo a festa dos quase 37 mil presentes no Paulo Machado de Carvalho. Ao longo da campanha, o Corinthians alcançou 13 vitórias e 10 empates, 41 gols marcados e 18 sofridos. Até hoje, o time Alvinegro é o último a levantar o caneco sem nenhum derrota.

Ficha técnica:
Corinthians 1 x 1 Santos
Local: 
estádio do Pacaembu, em São Paulo;
Data: 3 de maio de 2009;
Árbitro: Sálvio Spínola Fagundes Filho (SP);
Auxiliares: Vicente Romano Neto (SP) e Giovani Cesar Canzian (SP);
Cartões amarelos: Felipe, Elias, Cristian, Dentinho, Douglas (SCCP); Neymar, Fabiano Eller, Roberto Brum, Germano, Domingos 2 (SFC);
Cartão vermelho: Domingos (SFC);
Público: 36.860;
Renda: R$ 1.894.376,00;
Gols: Kléber Pereira (SFC) e André Santos (SCCP).

Corinthians: Felipe; Alessandro, William, Diego e André Santos (Wellington Saci); Cristian, Elias e Douglas (Fabinho); Dentinho (Morais), Ronaldo e Jorge Henrique. Técnico: Mano Menezes.

Santos: Fábio Costa; Luizinho (Molina), Domingos, Fabiano Eller e Triguinho; Roberto Brum, Germano e Paulo Henrique (Robson); Madson, Neymar (Maikon Leite); Kléber Pereira. Técnico: Vagner Mancini.

Fotos: Daniel Augusto Jr. / Ag. Corinthians
Fonte: FPF
Print Friendly, PDF & Email

Wesley Lima

Colunista associada para o Brasil em Duna Press Jornal e Magazine, reportando os assuntos e informações sobre atualidades culturais, sócio-políticas e econômicas da região.
Botão Voltar ao topo