News

Medidas de apoio ao trabalhador podem alcançar até 80% da população

Compartilhar

Estudo do Ipea mostra que medidas emergenciais do Governo Federal devem ajudar no enfrentamento ao coronavírus

Um estudo feito pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) aponta que 80% dos brasileiros estão em famílias que podem ter acesso a pelo menos um dos benefícios sociais criados pelo Governo Federal durante a pandemia do novo coronavírus: o auxílio emergencial de R$ 600 ou o Benefício Emergencial de Preservação do Emprego e da Renda (BEm).

O estudo mostra que os outros 20% da população tem fonte de renda estável. Neste grupo estão os aposentados, pensionistas, servidores públicos e ainda quem recebe o Benefício de Prestação Continuada (BPC).

O economista do Ipea e um dos autores da pesquisa, Marcos Hecksher, explicou que o estudo mostra quem pode ser alcançado pelas duas medidas do governo. “De cada dez brasileiros, oito moram em domicílios onde alguma pessoa da família é parte do público-alvo de pelo menos uma dessas duas medidas. A cobertura potencial é maior entre as pessoas mais pobres e as que trabalham nas ruas e praças do que entre as mais ricas e as que já trabalhavam em casa antes mesmo da pandemia”, afirmou.

Principais beneficiados 

De acordo com o Ipea, os beneficiários do auxílio emergencial são, principalmente, os trabalhadores autônomos (47,8%), os empregados do setor privado sem carteira assinada (29,7%) e os trabalhadores domésticos sem carteira (12,3%).

No caso do Programa Emergencial de Manutenção do Emprego e Renda, 95,1% são empregados formais do setor privado, e 4,9%, trabalhadores domésticos com carteira assinada.

Resultado do estudo 

A conclusão do estudo é que as duas medidas analisadas não somente têm potencial de atenuar o impacto da crise para uma ampla parcela da população, como também estão desenhadas de forma a atender melhor os menos favorecidos da distribuição de renda no País.

“A abrangência potencial das medidas sobre os ocupados e os desempregados também se mostrou elevada, o que indica que elas possam ajudar a preservar o capital humano, o capital organizacional das empresas e impedir maiores quedas da produtividade quando a economia começar a se recuperar da crise”, registra o texto.

O economista do Ipea Marcos Hecksher avaliou que a perda de renda pelo desemprego é uma das consequências da pandemia que os benefícios poderão atenuar. “Estimei uma queda da população ocupada de 3,5 milhões de pessoas entre fevereiro e março de 2020. Isso é o dobro da maior queda anterior na série histórica iniciada em 2012”, afirmou.

Lei 13.982/20 instituiu o auxílio emergencial para os trabalhadores informais, enquanto a Medida Provisória 936/20 criou o Programa Emergencial de Manutenção do Emprego e Renda, voltado aos trabalhadores formais do setor privado.

Fonte: gov.br

Print Friendly, PDF & Email

Compartilhar

Joabson João

Colunista associado para o Brasil em Duna Press Jornal e Magazine, reportando os assuntos e informações sobre atualidades sócio-políticas e econômicas da região.
Botão Voltar ao topo
Translate »