Militares dos três Comandos Conjuntos que atuam na Operação Verde Brasil 2 organizam diversas ações dentro da área da Amazônia Legal. Eles trabalham em apoio a órgãos de controle ambiental e de segurança pública para prevenir e reprimir delitos ambientais, como desmatamento ilegal e focos de incêndio.

Nas últimas 24 horas, o Comando Conjunto Príncipe da Beira, sediado na 17ª Brigada de Infantaria de Selva, situada na capital rondoniense, Porto Velho, estabeleceu duas bases de operações: na Usina Hidrelétrica de Samuel, em Rondônia, e na Gleba Afluente, no Acre. Militares desse Comando Conjunto realizaram missão de reconhecimento aéreo no município de Cujubim, em Rondônia.

Em Itaituba, no Pará, o Comando Conjunto Marechal Soares de Andrea e as agências envolvidas na Operação reuniram-se pela primeira vez no 53° Batalhão de Infantaria de Selva. Participaram da reunião representantes da Força Nacional de Segurança Pública, da Polícia Federal, da Polícia Militar, do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (IBAMA), do Distrito Sanitário Especial Indígena (DSEI), da Fundação Nacional do Índio (FUNAI) e do 7º Grupamento de Bombeiros Militar.

Já os militares do Comando Conjunto Barão de Melgaço, instalado na 13ª Brigada de Infantaria Motorizada, na capital mato-grossense, estabelecem postos de bloqueio e controle de estradas no município de Ronuro, no mesmo Estado. Eles também fiscalizam madeireiras no município de Nova Ubiratã.

Nesta quinta-feira (14), militares do Comando Conjunto Barão de Melgaço participam de reunião com detalhamento das ações a serem desenvolvidas com as agências envolvidas na Operação. O comando é do General de Brigada Reinaldo Salgado Beato. O planejamento da Operação Verde Brasil 2 prevê o emprego de 3815 militares e 440 agentes, que atuam com apoio de 110 viaturas, 20 embarcações e 12 aeronaves.

Assessoria de Comunicação Social (Ascom)
Ministério da Defesa

Print Friendly, PDF & Email

Facebook Comments