História

Estado de Israel: 72 Anos de Sobrevivência

Compartilhar

Há 72 anos atrás, no dia 14/05/1948, as 16 horas, era criado o Estado de Israel no oriente médio. Depois de séculos desejosos deste dia, após tanto sofrimento e dor durante holocausto Judeu, finalmente fora reestabelecido seu lar. Entretanto, este não seria o fim de suas guerras.

No dia seguinte (15/05/1948), os países vizinhos: Egito, Síria, Transjordânia (atual Jordânia), Iraque e Líbano, com apoio de unidades militares de países como Arábia Saudita e Sudão, invadiram o novo país em retaliação a partilha da Palestina entre os Judeus e Árabes. Este seria então o primeiro de uma série de confrontos que o novo país passaria.

A guerra da independência, como era conhecida pelos israelenses, teve como desfecho uma grande vitória do novo país concluída em 1949 com uma serie de armistícios entre os países vizinhos. Com esta batalha, a região dominada por Israel cresce consideravelmente, mas não sem custos.

Enquanto o mundo afora reconhecia a autonomia e existência do novo país, a liga árabe (composta pelos países da parte norte do continente Africano e parte do Oriente Médio) se recusava. Só viriam a reconhecer ao longo do século de conflitos graças a inigualável defesa dos israelenses.

Em 1956 busca reclamar do Egito o direito de navegação pelo Tiro, Reino Unido e França o auxiliam já que tinham interesses na Península do Sinai. Neste mesmo período a União Soviética passa a auxiliar militarmente os Palestinos, vendendo suas armas para as guerrilhas regionais. Isto por sinal é algo que dura até hoje. O resultado é o continuo conflito nas fronteiras entre Israel e os Árabes.

No ano de 1967 Israel, com o intuito de prever um movimento Egípcio, inicia a campanha da “guerra dos 6 dias”, a ideia era antecipar ao eminente ataque egípcio. O resultado é o crescimento de seu território, como exemplo o da Cjordânia e a Cidade Antiga de Jerusalém (Jerusalém Oriental).

Entre 1968 a 1970 o Egito tenta recapturar a Península do Sinai das mãos israelenses. O conflito se encerra com um cessar-fogo entre ambas as partes.

A Yom Kippur ou “O dia do Perdão”, é uma das celebrações mais importantes entre os Judeus. E neste em 1973 Egito e Síria fazem um ataque surpresa com o intuito de recuperar, novamente, o território perdido. Neste embate, Israel conquista o território de Golan ao expulsar os Sírios da localidade, porém, graças ao cessar-fogo das Nações Unidas, o país acabara por perder o canal do Suez para o Egito.

Em 1982 Israel ataca o Líbano, sua motivação era de proteger seus cidadãos de ataques terroristas providos por Yasser Arafat. O movimento foi um sucesso, tendo o líder da Fatah se retirando do território.

De 1990 em diante, os Estados Unidos passam a tomar o protagonismo militar naquela região. É preciso fazer notar que estes conflitos acima foram apenas parte do ocorrido. Israel era constantemente atacada, como o é até hoje. O único objetivo do país é existir em paz e desde então defende-se para isto. Muitos acordos tentaram sair do campo das intenções, porém era sempre recusado por parte dos Palestinos.

Podemos resumir todos estes 72 anos de conflitos entre Israel e Palestina com a seguinte colocação: Enquanto um quer a paz, o outro deseja a guerra.

Ajude-nos a levar o jornalismo independente a todas as partes!

Graças ao apoio de leitores como você, é possível realizar um excelente trabalho jornalístico de pesquisa e investigação, oferecendo um serviço sério de alta qualidade com imprensa livre e jornalismo independente.

Em uma época em que notícias falsas e distorcidas estão em todas partes, seu apoio é vital para o bom desenvolvimento da informação.

Entre no link abaixo e nos ajude a continuar o nosso trabalho com informações gerais que podem ser lidos por toda a família em uma abordagem que prima pela ética e pelo respeito ao leitor.

Referencias:

Porque não existe um Estado Palestino?

Print Friendly, PDF & Email

Compartilhar

Vitor Guerino

Me chamo Vitor Guerino P. de Oliveira, tenho 24 anos e resido na cidade de São Paulo. Graduando em história e estudante assíduo de filosofia - minha maior paixão - e política, estou sempre presente na vida acadêmica publicando artigos científicos relacionados bem como em seminários e entre outros estudos focados. Minha especialidade mora na História Antiga, bem como sua Filosofia. Sou também cursado em ciências políticas, fluente em inglês e atuo na área de pesquisas. Colunista do jornal Duna Pess.
Botão Voltar ao topo
Translate »