Crônicas

Lula mesmo que libertado continua sendo um ladrão

A libertação do ex-presidente do Brasil não prova sua inocência, longe disso, foi simplesmente baseada em um critério processual.

Sentenciado pela corte dos deuses, o ex-presidente Luiz Inácio “Lula” Da Silva foi libertado após 19 meses de prisão por corrupção, cumprindo uma sentença de oito anos e 10 meses desde abril de 2018.

Devido à notoriedade do caso, e como grande parte da luta política em torno dele se desenrola no campo do simbólico e das percepções, é conveniente esclarecer as coisas: a libertação de Lula é apenas uma questão de procedimento, não determina sua inocência. nem julga que o processo pelo qual foi detido foi errado ou injusto, nem suspende nenhum dos vários processos criminais em andamento contra ele. Em outras palavras, Lula não é inocente e certamente voltará à prisão a qualquer momento.

A questão é a seguinte: a libertação é simplesmente um procedimento, seguindo um novo critério processual do Supremo Tribunal Federal (STF) “corte dos autoproclamados deuses, que beneficia Lula e milhares de outros presos e ordena que ninguém possa ser preso até que seja condenado no quarto instância (instância que seria a sessão plenária do STF), ou seja, o Tribunal decidiu que as penas de prisão não podem começar a ser executadas antes que todos os recursos legais estejam esgotados. Lula foi preso em abril do ano passado, em segunda instância, porque os critérios anteriores o estabeleceram. 

O STF  alterou a jurisprudência que determinou o início da execução de sentenças a partir de uma sentença de segunda instância,  regra que o mesmo órgão judicial havia estabelecido em 2016, mas que anteriormente, nessa mesma década, a corte dos auto proclamados deuses já havia mudado em outras duas. ocasiões. Cabe esclarecer que a execução da sentença em segunda instância era a norma em vigor antes da promulgação da Constituição Brasileira de 1988.

Um certo motivo ajuda muitos que criticam o novo critério: sem legislação firme, não sujeita a manipulação política, sem previsibilidade legal, nenhum país é sério ou confiável. Mas também ajuda aqueles que acreditam que algo tão sério quanto uma sentença de prisão deve começar apenas quando o réu esgotar todos os recursos disponíveis e após  uma condenação final . Isso respeitaria um  direito fundamental, o da liberdade e o devido processo para defendê-lo, que é uma conquista histórica crucial da cidadania livre em relação ao Estado. Uma liberdade, um direito fundamental sempre combatido por regimes despóticos.

Além disso (e em contraste), ainda é curioso como em outros países latino-americanos, no México, estrelamente, a detenção preventiva informal é arbitrariamente estendida. Lá, os políticos de esquerda que gritam que Lula é inocente até prova em contrário são precisamente os que aplaudem os novos crimes com prisão sem julgamento que eles aprovaram a pedido do presidente López Obrador . É assim que eles são incongruentes e hipócritas. 

Um dos critérios seguidos pela corte dos deuses para modificar o critério é que o novo beneficiaria quase 5 mil internos, a maioria pobres e sem possibilidades de defesa. É por isso que a indignação de setores da sociedade brasileira é compreensível quando eles veem que os primeiros beneficiários da nova provisão são políticos presos por causas de corrupção ligadas à Lava Jato . Assim, depois de Lula, o poderoso ex-ministro petista José Dirceu e o ex-governador de Minas Eduardo Azeredo já foram libertados. E por trás deles, há uma longa lista de políticos corruptos que solicitaram sua libertação e estão prestes a sair, mas nenhum dos pobres, negros e analfabetos presos sem defesa legal.

Lula retornará à prisão. Depois de esgotar os recursos nos vários casos contra você que são seguidos. Nesse sentido, Lula possui pelo menos uma condenação de terceira instância e várias condenações em outras. Quanto ao julgamento pelo qual foi preso , precisamente Lula aguarda a sentença em quarta instância: o Tribunal ainda deve julgar uma petição pendente em sua defesa que solicita a anulação de todo o processo. Assim que as instâncias se esgotarem, se sua culpa for mantida, Lula será preso novamente, para cumprir sua sentença.

Talvez a única coisa substantiva seja que, se a corte dos deuses  tivesse ditado esse novo critério antes, Lula não teria entrado na prisão e sido candidato à presidência e, eventualmente, teria vencido, mas isso é uma mera suposição.

A verdade é que Lula foi preso corretamente com os critérios processuais anteriores e que os novos critérios não foram direcionados principalmente a ele, mas a milhares de outros presos. Portanto, sua libertação não estabelece sua inocência, ou que ele foi “perseguido”, ou que foi um processo injusto, ou que ele era um “prisioneiro político” ou algo assim. E sua prisão muito segura também não determinará que ele seja “perseguido politicamente”: Lula simplesmente esgotará seus recursos de defesa e retornará à prisão.

É claro que seu lado ideológico quer aumentar o impacto político de sua libertação em um Brasil altamente polarizado. Para isso, buscam estabelecer a narrativa de que Lula é livre porque a corte dos deuses a determinou especificamente, pois ele sempre foi inocente e outras idéias sem apoio. E assim, se amanhã eles o condenarem firmemente na estranha e única quarta instância do mundo, e ele acabar na prisão novamente, eles poderão dizer: “Venha, como é possível que eles o libertaram e agora o põem de volta? Eles já o declararam inocente! Isso prova que é uma perseguição política! ”. Mas nada disso vale, nem de fato nem de direito.

Portanto, Lula é apenas um criminoso temporariamente beneficiado por um novo critério processual, um criminoso com os mesmos crimes de antes e a mesma sentença (junto com outros que vêm), apenas adiada provisoriamente.

No final, Lula ainda é o ladrão que sempre foi.

Imagem de destaque: Luiz Inácio Lula da Silva, ex-presidente do Brasil. (Foto- Flickr)

Ver também

Print Friendly, PDF & Email

Duna Press Jornal

Duna Press é um jornal digital dedicado a apresentar as principais notícias da Noruega, do Brasil e do mundo, com matérias interessantes sobre política, economia, negócios, educação, tecnologia, arte, esporte, entretenimento, classificados, saúde, alimentação e muito mais! Duna Press is a digital newspaper dedicated to presenting the main news from Norway, Brazil and the world, with interesting articles on politics, economics, business, education, technology, art, sport, entertainment, classifieds, health, food and much more!
Botão Voltar ao topo