Olhamos absolutamente impressionados como um país de tamanho continental, consegue conter tamanhas barbaridades, diversidades, antagonismos e pensamentos controversos. Como num país continental, observamos tamanha pluralidade de pensamentos, hábitos, costumes, tradições, mas o que mais falta é o Senso de Patriotismo, Civismo, Brasilidade e Moral.

Como num país tão grande, podemos encontrar tantas riquezas – mineral, vegetal, animal – Tanta diversidade dessas riquezas, um povo que tanta sobreviver, que busca trabalhar para esse sobreviver no dia a dia, e ter uma minoria parasitária que busca apenas manter sua estrutura de poder e ganhos, sem se importar com o todo.

Americanos, japoneses, russos, ingleses, australianos, canadenses, chineses, enfim, o mundo todo queria estar aqui dentro, ter o Brasil como seu país. Lembro de uma piada antiga que dizia que se trocassem a população do Brasil com a do Japão de lugar, em dez anos teríamos uma superpotência, e o Japão? Submergiu. Isso poderia parecer engraçado, mas é terrível, pois, essa situação de emperramento que vemos não vem dessa massa gigantesca de brasileiros, mas de uma oligarquia nefasta que detém o poder no nosso país e não o deixa crescer. Uma praga de Gafanhotos políticos que claramente vende o país para ganhar lucros em cima daquilo que é direito do povo.

A anos insisto no mesmo assunto, sobre a tese da Colonização Brasileira. A História nos mostra que a partir de nosso “achamento” pelos portugueses fomos colônia até 07 de setembro de 1822, passando pelos ciclos econômicos de colonização – pau brasil, açúcar, gado, ouro, pedras preciosas, algodão, drogas do sertão, depois disso, café. Mas observamos que, sempre ocorreu uma dominação de uns poucos sobre todos.

Fomos colônia de Portugal, mas, também colonizados pelos ingleses, holandeses, norte americanos e ultimamente pelos chineses, se levarmos em consideração a dominação econômica de nosso país dependendo desses países, através de políticas econômicas nada favoráveis ao Brasil, mas muito favoráveis a esses grupos oligárquicos. Não somos contrários a parcerias comerciais, é até de suma importância que tal coisa ocorra, mas, que se pague a justa proporção para que possamos nos desenvolver, porém o que vemos é sempre a submissão de todos a um viés escravista, uma visão de dominação total.

Podemos ser independentes, devemos ser independentes, temos de lutar por isso, cabendo a nós brasileiros, deixar para nossas gerações futuras uma nação rica e prospera, uma nação onde a desigualdade não exista, onde não haja escalas de riqueza ou separatismos sociais, raciais ou sexuais. Somos talvez a única nação no mundo a ter condição de ser o celeiro do mundo, o fornecedor de matérias primas básicas, o desenvolvedor de tecnologia com preço justo, onde poderemos olhar nosso povo sendo apenas uma única coisa.

Claro, sempre haverá aqueles que mais possuem, pois, isso depende da vontade, do empenho, da expectativa de trabalho, haverá ricos, mas não necessita existirem miseráveis. Podemos ter grandes fortunas, que paguem corretamente aquilo que é devido para garantir a todos uma igualdade de serviços e atendimentos, nosso país tem potencial para que tenhamos apenas boa situação populacional, social e economicamente falando, como observamos em países como a Noruega, Suíça, Irlanda, Alemanha, Austrália etc.

Para isso precisamos ter leis mais coerentes e honestas, não o que temos visto, onde a corte maior do país determina que não se algemem criminosos para não constrange-los, mas nada faz contra as prisões arbitrárias e violentas ocorridas agora no período de pandemia onde prefeitos e governadores estão desconsiderando tal visão legal, e tornando seus municípios ou estados em situações de estado de sítio. Sabemos que a pandemia é perigosa, mas, será que quando passar vão prender assaltantes, assassinos, traficantes com a mesma violência que tem tratado cidadãos de bem?

Precisamos de políticos que tenham em mente seus reais papeis – Servidores Públicos do povo – mas, como podemos ter isso, se esses mesmos políticos colocaram na Constituição em seu artigo 1º, Parágrafo único –  Todo o poder emana do povo, que o exerce por meio de representantes eleitos ou diretamente, nos termos desta Constituição. Ou seja, o povo não tem acesso ao poder total, somente seus representantes, que na verdade hoje representam muito a sí próprios ou a seus partidos ou a suas oligarquias de poder.

Precisamos de um Judiciário menos perdulário e mais justo, não visando seus ganhos particulares com penduricalhos em seus salários magnificamente altos de forma arrumada, leis que sejam justas para todos e não apenas para que tenha dinheiro e possa pagar bons advogados, além de uma Constituição que seja a altura do povo e não que oprima esse povo

Temos de dar um basta à essa prática enganadora de tudo que é partido falar em Democracia, em Estado Democrático de Direito, quando na verdade isso só afeta a essa casta de gafanhotos privilegiados e alguns outros nichos atrelados a esse poder. Temos de ter sim a real democracia no Brasil, aquela que Emana do Povo, Pelo Povo, Para o Povo.

Que país é esse??? Já bradava Cazuza. Um país que Deus deu o que tinha de melhor, mas, Satanás veio e colocou aqui o que de pior havia: a Corrupção Política e seus usuários.

Ai? Deu Merda.

Assine DUNA Press Periódico – Jornalismo Ético, Sério e Informativo
Adquira na Amazon.com em E-book e impresso
Print Friendly, PDF & Email

Facebook Comments

Comments are closed.