Equipamento desenvolvido pela Aeronáutica identifica novo coronavírus no ar

Equipamento desenvolvido pela Aeronáutica identifica novo coronavírus no ar

Na busca pelos melhores recursos científicos para serem usados na guerra contra a Covid-19, a corrida contra o tempo é fator decisivo e de extrema importância. Na terceira e última parte da série sobre o uso de tecnologias no combate ao novo coronavírus, o leitor acompanha as iniciativas da Aeronáutica.

Um dos exemplos é o equipamento que identifica a presença do coronavírus no ar. A inovação, que deve ser finalizada em sete semanas, é desenvolvida nos laboratórios do Instituto Tecnológico de Aeronáutica, o ITA. A universidade pública localizada em São José dos Campos, São Paulo, é subordinada ao Departamento de Ciência e Tecnologia Aeroespacial (DCTA) da Força Aérea Brasileira (FAB).

O novo aparelho foi projetado a partir de tecnologia usada em equipamento que monitora nuvens radiológicas e detecta se há radiação na área.Com essa inovação será possível monitorar áreas de 50 metros quadrados e indicar possíveis riscos de contaminação do vírus nesses espaços. O protótipo da invenção ainda não recebeu nome, mas está em construção.

Essa não é a primeira ação do ITA para auxiliar no enfrentamento à pandemia. A universidade colocou conhecimentos acumulados ao longo de décadas à disposição da sociedade brasileira. Por intermédio de seu Centro de Competência em Manufatura (CCM), a instituição de ensino superior disponibilizou um guia de fabricação de equipamento de proteção individual (EPI) baseado em normas e regulamentações. O manual traz informações relevantes, tanto para quem precisa quanto para quem quer contribuir com a fabricação e a doação dos equipamentos O guia traz regulamentação e dicas de processo de impressão 3D.

Peças para respiradores

O CCM do ITA atualmente produz máscaras de proteção, com impressoras 3D e injeção, em parceria com empresas. Além disso, confecciona peças para respiradores a serem utilizados em Unidades de Terapia Intensiva (UTIs).

“As peças feitas para os respiradores do Hospital da Aeronáutica de São José do Campos foram feitas e testadas com sucesso. Estamos, agora, fazendo testes com peças confeccionadas tanto em nylon quanto em aço para as válvulas que quebraram do Hospital Ipiranga, em São Paulo”, informa o professor Carlos César Aparecido Eguti, da área de mecatrônica do CCM. Ele adianta que “os testes foram bem sucedidos, e continuaremos executando a produção”.

Lavatório portátil

As contribuições com soluções de combate à Covid-19 no ITA, não param. A Divisão de Engenharia Civil desenvolveu o Lavatório Autônomo de uso Compartilhado, esse batizado de Lavac. A iniciativa facilita a higienização das mãos em locais públicos prevenindo a contaminação e disseminação do novo coronavírus.

O projeto surgiu a partir da demanda do Pró-Reitor de Administração do ITA, Coronel Luiz dos Santos Alves, que vislumbrou o uso de lavatórios móveis na volta às aulas presenciais do Instituto, ainda sem data definida. O protótipo do Lavac foi utilizado na cerimônia de celebração dos 70 anos de criação do ITA, no mês de maio.

O projeto do lavatório foi executado pelo Engenheiro Rodolfo Belasco, técnico da Divisão, e pela Tenente Engenheira Dafne de Brito, instrutora do Departamento de Recursos Hídricos e Saneamento Ambiental, sob coordenação da Capitão Engenheiro Mayara Murça, que é Chefe da Divisão.

O lavatório portátil foi idealizado para locais com pouca ou nenhuma infraestrutura permanente. Não precisa estar conectado a qualquer equipamento ou fonte de energia. O aparelho ainda possui estrutura compacta sob rodas que facilita o transporte.

As facilidades são muitas: o acionamento da torneira por pedal evita o uso da mão no equipamento, além de reduzir o consumo de água. O dispenser de sabão também possui alavanca, podendo ser acionado com o cotovelo. O protótipo pode ser usado por quatro usuários simultaneamente e tem capacidade para ser acionado 600 vezes.

De acordo com a Assessoria de Comunicação do Ita, embora o projeto surgiu para prevenir a contaminação no ITA, a iniciativa pode ser levada para as demais organizações militares do campus e para a sociedade em geral. Como as aplicações do Lavac no âmbito do Comando da Aeronáutica não se limitam à higienização, o lavatório pode servir de suporte no ambiente operacional em exercícios de campanha ou missões de conflito.

A intenção também é dar continuidade ao projeto. A ideia da Instituição é estudar tecnologias para criar um sistema de reuso da água, de forma a aumentar a capacidade do lavatório projetado inicialmente.

Assessoria de Comunicação Social (Ascom)
Ministério da Defesa

Print Friendly, PDF & Email