Crônicas

A escravidão pelas dívidas – parte 03

Como já tentamos demonstrar, portanto, via links ao final, em ambos os artigos, o endividamento deve parar. Criar prosperidade financeira deve ser feita com recursos próprios na esmagadora maioria das vezes. Como também, devemos sopesar a capacidade de endividamento saudável e criar o crescimento econômico próprio ou de seu negócio passo a passo, utilizando recursos já ganhos e poupados.

Não estar preso ou vinculado a dívidas penosas, tanto em quantidade paga mensalmente, como em anos de pagamentos, é uma liberdade sem igual na forma econômica que somos ensinados e vivemos no mundo de hoje.

Basta ver quanto tempo, caso ficasse desempregado ou sem renda mensal, você aguentaria pagar todas as suas despesas de hoje ou conseguiria sobreviver e manter seu lar, sua família, estudos, etc. Analisando simploriamente estas situações você verá se realmente está numa situação saudável, se tem gordura para queimar em virtude de acontecimentos em nossas economias, vida profissional, urgências, entre outros fatores.

Como já pincelamos, o mundo atual está para o viés consumista, comprar e comprar, independente se necessário ou não. Nos bombardeiam com informações a todo momento. Nossas carências, baixa auto estima e ansiedades nos levam a “crer” que precisamos algo melhor sempre, mais novo a todo momento, mais moderno e por aí seguimos, gastando quase tudo que ganhamos, para andar com o “melhor” carro, ter a “maior e melhor” casa.

A história propriamente já demonstrou, bem como pesquisas em diversas áreas, que mais de 60% dos divórcios de casais que estão juntos há cinco anos ou mais, acontecem por dívidas, causas financeiras, dificuldades neste campo. Sociedades e empresas que terminam suas atividades ou acontece a briga de sócios, estão repletas de pessoas mal resolvidas financeiramente e estão escravos das dívidas, cheios de contas não pagas e não tendo de onde reverter isto naquele momento.

Nos hospitais as filas de atendimentos, doenças mais graves, uma grande maioria vive com muito pouco de recursos, ou ainda, estão sofrendo com dívidas financeiras.

Assim, há estudos, que em todas estas situações, estima-se que a média destes problemas são ocasionados em função das dívidas, falta de ganho suficiente para ser solvente e poder crescer financeiramente. As próprias depressões econômicas acontecidas ao longo dos últimos séculos ou mesmo décadas demonstraram um aumento assombroso de suicídios, pois como na crise de 1929, milhares de famílias foram arruinadas pelos suicídios de pessoas que perderam tudo, casa, carro, propriedades rurais, trabalho, carreira, etc.

Hoje, mesmo números levantam que a maioria dos casos de suicídio, ou pelo menos mais de 50% está ligado ao insucesso financeiro, pessoas endividadas ou que mal conseguem sobreviver com o mínimo para a existência digna, alimentação, vestuário, moradia.

Há casos e situações que demonstram isto de várias formas. As pessoas são corruptas por dinheiro, traem o que é ser correto e bom para todos, para benefício próprio, ocasionando mal financeiro para outros em consequência, contribuindo para danos catastróficos para muitos sendo corrupto. De igual forma as pessoas matam por dinheiro, assaltando, encomendando assassinatos, entre outras formas. Também, se prostituem por dinheiro, se colocando como objeto para ganhar algum dinheiro.

As famílias não prosperam e não vivem felizes e tranquilas quando há falta de dinheiro ou o mínimo para sobreviver, de modo que em todos os casos e outros que entram neste tema a falta de dinheiro desencadeia medo, raiva, insegurança, ansiedade demasiada, todas situações estressantes e que só nos prejudicam. Este parágrafo por si só resume muito bem a importância deste tema e de ser trabalhado nas famílias e nas escolas desde a mais tenra idade.

Há relatos de pessoas que venderam órgãos, como o rim, para poder comprar celular e computador de última geração em países fechados econômica e politicamente, corruptos ao extremo, etc.

O que nos resta claro é que quem não paga seus débitos em sentido financeiro, também, não é uma pessoa livre. Não pagar suas dívidas gera um débito de energia, além de tão somente em dinheiro papel e isto irá andar negativamente com você até que “pague” a conta.

O alto grau de consumismo que estamos imersos está levando a maioria esmagadora das pessoas ao endividamento, a exemplo de nosso próprio país, que mostra que o crescimento das dívidas das pessoas é exponencial, nas últimas três décadas principalmente.

Estando em dívidas ou na insolvência, inevitavelmente você atrairá mais do mesmo, pois esta é a lei da atração e funciona também no que se refere a nossa vida financeira. Parece bobagem, mas não é. Quando falamos dívidas isso significa tanto as contas já em débito, ou seja, débito que já possui, como também quando vai comprar algo que nem mesmo sabe se conseguirá pagar, pois as vezes o indivíduo nem mesmo começou a trabalhar ou não está tendo uma renda ou trabalhando no momento, ou ainda que dificilmente ganhará o correspondente para pagar o débito assumido ou o tempo que terá que trabalhar para pagar o financiamento e o bem é mais que a própria vida útil do que comprou.

Se viveres nos moldes do escrito nestes últimos dois parágrafos criará inevitavelmente um campo energético de dívidas, e, como já mencionado, a lei da atração fará com que surjam mais dívidas e situações semelhantes. No entanto, o contrário também é verdade. Assim, se você poupar, guardar para investir, de fato fazer investimentos, seja em bancos, corretoras, imóveis, negócios, entre outros, você atrairá pela mesma lei coisas do tipo, mais prosperidade e crescimento, pois dinheiro atrai mais dinheiro.

Como já pincelamos o que determina o sucesso financeiro de uma pessoa não é apenas o quanto se ganha, mas como gasta seu dinheiro, quanto poupa e a forma como administra tudo, principalmente receita com despesas e, receita e investimentos. A lei básica de economia, portanto, que garantirá seu sucesso é: GASTAR MENOS DO QUE SE GANHA.

Portanto, não importa em que fase da vida você se encontra ou o tamanho da sua renda, mesmo assim você pode e deve economizar. Também não importa o tamanho dos teus problemas neste momento, você pode economizar, pois este é o caminho para o sucesso financeiro.

Confiança e autoestima vão te ajudar a manter o foco. Seja você mesmo sem provar ou comprar algo para ter mais status, saindo do consumismo. Seja racional nos seus hábitos de consumo, pois do contrário permanecerá escravo das dívidas.

Resumidamente e finalizando é isto, ações que gerarão coisas boas no futuro. Você precisa agir, buscar conhecimento e estudar para construir sua prosperidade, pois você cria os problemas e também resolve. Infelizmente, por dezenas de motivos e principalmente para nos escravizar, não fomos educados para ter prosperidade, e sim, para ter uma vida sempre com alguma dívida, pagando juros e amarrados ao consumismo e bancos. Merecemos e teremos mais, desde que utilizemos o conhecimento e leis universais.

Poupe e crie um lastro para você, de onde possa criar mais e mais, com recursos próprios e, automaticamente, criará um campo de prosperidade e atrairá cada vez mais benefícios para si e sua família.

  • A escravidão pelas dívidas – parte 01 – clique aqui.
  • A escravidão pelas dívidas – parte 02 – clique aqui.

Fonte da imagem: voyager1.net

Contar hoje com uma mídia isenta, ética e informativa é a busca de todo leitor. Somos o DUNA PRESS JORNAL. Uma Agência de Notícia On-Line, trabalhando com informações gerais que podem ser lidas por toda a família, em uma abordagem que prima pela ética e pelo respeito ao leitor. Torne-se um assinante de nosso jornal clicando no banner abaixo:

– U$ 1,00 mensal

– U$ 10,00 anual (com todos os benefícios nesta opção – Press, Magazine, artigos científicos diversos, entre outros acessos)

DUNA Press Jornal – Jornalismo Ético, Sério, Educativo e Informativo.

Print Friendly, PDF & Email

Leonardo Garbossa

Colunista associado para o Brasil em Duna Press Jornal e Magazine, reportando os assuntos e informações sobre atualidades sócio-políticas e econômicas da região.
Botão Voltar ao topo