Monge etíope de 114 anos pode ser o mais antigo sobrevivente de coronavírus

Monge etíope de 114 anos pode ser o mais antigo sobrevivente de coronavírus

Sua idade o coloca em um pequeno grupo de pessoas que sobreviveram ao COVID-19 e à pandemia de gripe espanhola há um século.

Um monge etíope pode ser a pessoa mais velha a ter sobrevivido ao coronavírus, derrotando a doença após ser hospitalizado por três semanas.

A idade exata de Tilahun Woldemichael é inverificável, pois ele não tem certidão de nascimento, mas sua família acredita que ele tem 114 anos. Nesse caso, ele poderia muito bem ser a pessoa mais velha até agora a sobreviver ao COVID-19, superando a espanhola Maria Branyas, 113, que sobreviveu ao vírus em maio com apenas sintomas leves.

Woldemichael deixou o hospital na quinta-feira após receber oxigênio e dexametasona, um esteróide barato e amplamente disponível recomendado pelo ministro da Saúde da Etiópia para uso em pacientes que necessitam de oxigênio ou ventilação.

O Chief Medical Officer da Inglaterra recentemente elogiou os testes no Reino Unido, mostrando que a droga reduziu as taxas de mortalidade por COVID-19 em cerca de um terço naqueles com os sintomas mais graves como “o resultado mais importante do estudo até agora”.

O neto do supercentenário, Biniam Leulseged, disse à Associated Press que ficou emocionado quando seu avô foi levado ao hospital, mas agora está “muito feliz porque estamos juntos novamente”.

Mostrando à AP uma fotografia de seu avô comemorando seu centenário, ele brincou: “Ele estava parecendo jovem naquela época também”.

Sua idade venerável significa que ele teria vivido a pandemia de gripe espanhola de 1918-20, que na Etiópia é conhecida como yehidar beshita.

 Acredita-se que entre 5.000 e 10.000 pessoas tenham morrido apenas da gripe em Adis Abeba.Sabe-se agora que várias pessoas sobreviveram às duas pandemias, com um século de diferença. 

Além de Woldemichael e Branyas, está Sylvia Goldsholl, de Nova Jersey, que comemorou seu 108º aniversário em 29 de dezembro de 2019. “Eu sobrevivi a tudo porque estava determinada a sobreviver”, disse Goldsholl ao News 12 New Jersey.

Ada Zanusso, 103, de Lessona na Itália, não apenas viveu os dois eventos, mas também foi infectada e sobreviveu, sofrendo uma febre leve com o COVID-19.

Perguntada pela AP sobre o que a levou à doença, ela respondeu: “Coragem e força; fé.”

Fonte The Jerusalem Post

Contar hoje com uma mídia isenta, ética e informativa é a busca de todo leitor.

Somos o DUNA PRESS JORNAL.

Uma Agência de Notícia On-Line, trabalhando com informações gerais que podem ser lidas por toda a família, em uma abordagem que prima pela ética e pelo respeito ao leitor. 

Clique aqui e torne-se um assinante de nosso jornal.

Divulgue sua Empresa, Serviços ou produtos clicando aqui.

Print Friendly, PDF & Email