James DeHart nomeado como Coordenador dos EUA para a região do Ártico

James DeHart nomeado como Coordenador dos EUA para a região do Ártico

O Departamento de Estado dos EUA nomeou James DeHart como Coordenador dos EUA para a região do Ártico. DeHart liderará os esforços do Departamento relacionados ao Ártico, ocupando um cargo que ficou vago desde 2017.

Os EUA estão lançando uma abordagem diplomática abrangente na região do Ártico, diz oficial de alto nível.

Encarregado de Negócios James P. DeHart da embaixada americana em oslo e a diretora Mette Sørfonden em Forsvarsmateriell durante assinatura do contrato da venda de cinco aeronaves de patrulha marítima Boeing P-8A Poseidon – Crédito – Asgeir Spange Brekke

– Daqui a alguns anos, as pessoas vão olhar para trás, para este verão, e vê-lo como um importante pivô, uma virada, com uma atenção mais sustentada e duradoura dos Estados Unidos à região Ártica.

O recém-nomeado Coordenador dos EUA para a região do Ártico, James P. DeHart, fez a previsão durante uma coletiva de imprensa telefônica na quarta-feira.

O diplomata de carreira DeHart expressou que os EUA estão determinados a trabalhar com parceiros em toda a região, incluindo os governos do Ártico, as comunidades locais e indígenas e o estado do Alasca.

Nossos objetivos para a região são que seja pacífica e uma área de baixa tensão, e que haja uma estreita cooperação entre as nações do Ártico.James DeHart, Coordenador dos EUA para a região do Ártico.

– Queremos ver o crescimento econômico e o desenvolvimento de uma forma que apoie as comunidades locais, incluindo as comunidades indígenas da região, e de uma forma que seja ambientalmente sustentável, que respeite os princípios de boa governança e transparência, acrescentou. 

DeHart é o primeiro oficial norte-americano de alto nível no Ártico em quase quatro anos. O almirante da Guarda Costeira dos EUA Robert Papp ocupou o cargo de Representante Especial dos EUA para a região do Ártico de 2014 a 2017.

A reorganização do Departamento de Estado em 2017 e a subsequente remoção do cargo de Representante Especial dos EUA para a Região do Ártico sinalizou a falta de interesse da administração Trump para a região ártica. Em seu discurso de abertura, DeHart assegurou que os EUA buscam esforços sustentados na região ártica.

Interesse renovado

A criação do Escritório do Coordenador dos EUA para a região do Ártico pela Administração Trump segue uma série de impulsos em direção ao Ártico recentemente. 

– Se você olhar para o que está acontecendo em nosso sistema nos últimos meses, verá que estamos lançando uma abordagem diplomática abrangente e integrada e um envolvimento na região do Ártico, disse DeHart.

Entre outros acontecimentos, ele citou a visita do secretário de Estado Mike Pompeo à Dinamarca há duas semanas. 

– Eu acho muito significativo que eles tiveram uma reunião quadrilateral lá, que incluiu os ministros da Groenlândia e das Ilhas Faroe, reflexo de nosso crescente envolvimento com a Groenlândia e as Ilhas Faroe.

Ele também mencionou a abertura do consulado dos EUA em Nuuk, que foi reaberto neste verão, após 67 anos.

Temos a abertura de nosso consulado em Nuuk, Groenlândia, o que é realmente significativo quando você olha os recursos finitos que temos para nossas plataformas diplomáticas ao redor do mundo.James DeHart, Coordenador dos EUA para a região do Ártico.

A inauguração ocorreu apenas dois meses depois que os Estados Unidos anunciaram um pacote de ajuda de US $ 12,1 milhões para a Groenlândia a ser usado no desenvolvimento de energia e recursos, capacitação educacional e desenvolvimento rural sustentável.

Os EUA também aumentaram sua presença militar no extremo norte europeu recentemente. Em maio, os navios de superfície dos EUA operaram no Mar de Barents pela primeira vez desde os anos 1980 em um exercício com a marinha britânica. 

Neste verão, a Força Aérea dos Estados Unidos divulgou uma estratégia para o Ártico . É a primeira vez que o Departamento da Força Aérea emite uma estratégia para a região do Ártico. 

DeHart também citou o memorando emitido pela Casa Branca em junho para o desenvolvimento de uma frota quebra-gelo até 2029. Em suas observações iniciais, ele expressou que os EUA querem ter certeza de que terão a capacidade de operar no Ártico americano como o atual a frota está envelhecendo. 

– Queremos ter uma frota disponível para missões de segurança; para apoiar a busca e salvamento; apoiar, quando apropriado, atividades econômicas; e ciência e pesquisa também.  

Fonte: USA Gov – Imagem em destaque: James DeHart, então assessor sênior do Departamento de Estado dos EUA para negociações de segurança e bureau de acordos de assuntos político-militares, fala após uma reunião com seu homólogo sul-coreano sobre o Acordo de Medidas Especiais (SMA) na seção de relações públicas da Embaixada dos EUA em Seul, Coreia do Sul, 19 de novembro de 2019. (Lee Jin-man / Pool via Reuters)

Print Friendly, PDF & Email