GP da Itália: Análise

GP da Itália: Análise

O GP da Itália como sempre reservou muitas surpresas e causou novas discussões entre os fãs em torno do regulamento da FIA. O GP foi justo?

O piloto francês Pierre Gasly (AlphaTauri) venceu, este domingo pela primeira vez, uma prova da Fórmula 1, na oitava corrida do mundial.

Carlos Sainz (McLaren) foi segundo e Lance Stroll (Racing-Point) foi terceiro, numa tarde com um pódio inédito, marcada pelo safety car seguido de bandeira vermelha na corrida após o acidente de Leclerc, punição de dez segundos a Lewis Hamilton e Antonio Giovinazzi e a Ferrari a não terminar com qualquer carro no top 10, pela segunda vez seguida, depois de Spa, na Bélgica, há duas semanas. O atual campeão do mundo acabou no sétimo lugar.

Gasly é o 109.º piloto da história a vencer um Grande Prémio, naquela que é a primeira vitória em 24 anos de um piloto francês na Fórmula 1, depois de Olivier Panis em 1996. Charles Leclerc, Sebastian Vettel, Max Verstappen e Kevin Magnussen abandonaram.

Saída de Vettel, acidente de Leclerc, punição a Hamilton

O arranque, emotivo, ficou marcado pelas más saídas de Vallteri Bottas e Max Verstappen. O finlandês da Mercedes arrancou em segundo e caiu para sexto, ao passo que o holandês da RedBull caiu de quinto para sétimo. Sainz subiu para segundo, seguido de Lando Norris, Sergio Pérez e Daniel Ricciardo. Albon também começou mal e foi penalizado em cinco segundos por cortar a chicane inicial.

A tarde negativa – mais uma – para a Ferrari começou quando Sebastian Vettel teve problemas de freios, foi em frente na primeira chicane da sexta das 53 voltas e desistiu, provocando o primeiro abandono da corrida.

Ao fim de 20 voltas, Kevin Magnussen teve problemas e encostou numa altura em que Hamilton tinha mais de dez segundos de vantagem para Sainz. O safety car entrou na pista devido aos problemas do piloto da Haas – que abandonou – e Hamilton, tal como Giovinazzi, foi às boxes com o pitlane supostamente fechado.

Na volta 24, Charles Leclerc terminou mais uma tarde péssima para a Ferrari, que não teve chance de competir em casa. O monegasco sofreu um forte acidente na curva da Parabólica, abandonou e a direção da prova, apos novo safety car, parou a corrida na volta 26 com bandeira vermelha – algo que não acontecia desde Baku 2017 – para retirar o carro e corrigir a barreira de proteção. Entretanto confirmada a infração de Hamilton e Magnussen, ambos foram penalizados com um Stop & Go de dez segundos, a cumprir nas primeiras três voltas subseqüentes.

Punição estranha, suposta manipulação e muitas perguntas

Se Stroll pôde fazer a troca de pneus com a parada obrigatória nos boxes devido a bandeira vermelha, por que a punição de Lewis e Giovinnazi de stop and go não foram descontadas com essa mesma parada nos boxes? Afinal, eles pararam no box e esperaram muito mais que 10 segundos. São coisas que deveriam ser revistas porque fica confuso demais aceitar tais decisões. Faz parque fechado com a bandeira vermelha e segue o jogo.

Quanto aos alertas, é muito complicado o piloto reparar algo contornando a parabólica, então o ideal é sinalizar no carro e piscar na frente da tela dos engenheiros um pop-up de alerta de pitlane fechado.

Precisava mesmo fechar o Pitlane? Precisava mesmo de um Safety car tendo em vista que o carro de Kevin estava em um ponto da curva que não oferecia risco?

Porque Lando Norris não foi punido depois de claramente ter diminuído a velocidade para não congestionar o box da Mclaren?

Resumindo, na minha humilde opinião saiu tudo como FIA e Ferrari queriam. Tiraram a possibilidade de Hamilton igualar Schumacher no GP DE MUGELO. Porém existe a lei do retorno e nenhuma das duas Ferraris conseguiu pontuar se essa possibilidade também estava no suposto plano.

Lembrando que Bottas não conseguiu sair do lugar, enquanto Hamilton foi jogado para ultimo no Grid injustamente e ainda conseguiu chegar em 7° lugar.

Pontos positivos: Mclaren, Riccardo, Gasly, Lewis Hamilton

Pontos negativos: Ferrari, Haas, Williams e Pérez

Fonte: Formula 1

Imagem em destaque: Globo Esporte e TVL24

Quando começamos o Press Periódico para tentar trazer a verdade para o resto do mundo, sabíamos que seria um grande desafio. Mas fomos recompensados pela incrível quantidade de suporte e feedback dos leitores que nos fizeram crescer e melhorar.

Faça parte da missão de espalhar a verdade! Ajude-nos a combater as tentativas de silenciar nossas vozes e torne-se um assinante.

Print Friendly, PDF & Email