Albon admite que teve flashbacks de confrontos anteriores antes de subir ao pódio

Albon admite que teve flashbacks de confrontos anteriores antes de subir ao pódio

A surpreendente primeira vitória de Pierre Gasly para a equipe júnior da Red Bull, AlphaTauri, na última vez em Monza, pressionou ainda mais Alex Albon, que ainda estava em busca de seu primeiro pódio para a equipe sênior que ingressou às custas de Gasly na temporada passada. Mas o piloto tailandês nascido na Inglaterra absorveu isso de forma brilhante em um caótico Grande Prêmio da Toscana para finalmente conquistar aquele tão esperado pódio – embora ele admita que “teve que trabalhar para isso”.

Com o companheiro de equipe Max Verstappen forçado a sair ao ser pego em uma colisão na primeira volta , Albon carregou as esperanças da Red Bull em uma pista de Mugello, onde emergiu como o segundo pacote mais forte. E apesar de lutar para sair da linha no início – e nas duas reinicializações subsequentes – o que o deixou para trás, ele foi capaz de se recuperar a cada vez.

“Era complicado lá fora”, disse ele. “Tínhamos que trabalhar para isso. Foi bom finalmente conseguir aquele pódio, também nas circunstâncias. Não éramos bons fora da linha, então muitas das ultrapassagens tiveram que acontecer”.

“Quando você perde posições na largada, sempre sente que vai dar mais trabalho, mas nunca duvida que vai conseguir voltar lá. Na primeira passagem, usei muitos pneus para ultrapassar, acho, dois carros”.

“Nos médios estávamos fortes, então eu sabia que o ritmo estava lá, mas fiquei um pouco assustado com outra bandeira vermelha porque estava feliz por estar naquela posição. A Renault foi forte nas largadas, e a Racing Point também. Fiquei animado quando perdemos outra posição na largada, mas eu sabia que tínhamos ritmo”.

“Era mais uma questão de paciência durante a corrida, e ter certeza de não usar os pneus muito cedo, então você tinha algo para ultrapassagens mais tarde”.

Sua passagem sobre Daniel Ricciardo da Renault para o terceiro lugar foi impressionante, principalmente porque nas duas últimas vezes ele lutou por um pódio – com Lewis Hamilton no Brasil no ano passado e novamente com Hamilton na Áustria no início desta temporada – ele tentou movimentos semelhantes por fora e veio aos golpes. Desta vez, porém, funcionou perfeitamente.

“Estivemos bem na última curva, bem no último sector, este fim-de-semana o que é bom num circuito onde só existe um lugar para ultrapassar – na Curva 1,” acrescentou. “Não peguei a Renault tanto quanto pensava, então foi um mergulho de última hora lá fora”.

“Claro que fiquei um pouco preocupado, mas deixei espaço suficiente. Quando você o envia de fora, fica esperançoso e tem flashbacks de tempos anteriores, quando lutava por pódios, mas conseguimos passar ilesos”.

Albon se tornou o primeiro piloto tailandês a garantir um pódio na história da F1, e é o primeiro piloto além de Verstappen a marcar um pódio para a equipe desde Ricciardo, quando ele venceu o Grande Prêmio de Mônaco 2018.

Fonte: Fórmula 1

Assine Prêmio: 
Contar hoje com uma mídia isenta, ética e informativa é a busca de todo leitor. Nosso Jornal e Revista oferecem informações gerais que podem ser lidas por toda a família, em uma abordagem que prima pela ética e respeito. Torne-se um assinante Prêmio e obtenha 25% de desconto aplicando o código (WELIMA).

Print Friendly, PDF & Email