Honda deixando F1, mercado de pilotos e mais pontos de discussão antes do GP da Eifel

Honda deixando F1, mercado de pilotos e mais pontos de discussão antes do GP da Eifel

Após a viagem à Rússia para a última corrida de Fórmula 1, volta para o oeste neste fim de semana para o Grande Prêmio da Eifel. A corrida marca um retorno a Nurburgring pela primeira vez desde 2013, mas com base nas histórias que pensamos que farão notícia no paddock. Aqui está o que pensamos quais serão os principais pontos de discussão esta semana na Alemanha.

1. Saída da Honda

Longe de ser uma sexta-feira tranquila antes de um fim de semana sem corrida, há alguns dias a Honda anunciou que não vai permanecer na Fórmula 1 além do final de 2021. A notícia veio como uma surpresa, com o fabricante japonês fazendo grandes progressos com a Red Bull (e Toro Rosso em 2018), ajudando-os a um confortável segundo lugar no campeonato de construtores.

O relacionamento parecia estar indo bem, mas a Honda deseja alocar recursos em outras partes da empresa como parte de um foco mais amplo na neutralidade de carbono. E isso deixa a Red Bull no limbo.

Espere muitas perguntas sobre o que isso significará para a equipe de Christian Horner, com os regulamentos atuais determinando que a Renault seria obrigada a dar a eles uma unidade de força em 2022 se a Red Bull não conseguisse outro acordo antes.

Depois que seu relacionamento se deteriorou no final de sua última parceria – que terminou em 2018 quando a Red Bull uniu forças com a Honda – nenhum dos lados estará particularmente interessado em trabalhar juntos novamente, mas Horner pode convencer outro fabricante a ajudá-los?

881515498
A primeira participação da Honda na F1 foi no Grande Prêmio da Alemanha de 1964, em Nurburgring
2. O sistema de pontos de penalidade

As notícias da Honda ofuscaram um pouco o que se esperava que fosse um grande ponto de discussão na Alemanha – ou seja, o sistema de pontos de penalidade. Mas os pilotos ainda terão muito a dizer sobre como funcionam as punições e as possíveis repercussões.

Diferentes infrações acarretam diferentes níveis de pontos – bem como penalidades imediatas – e se um piloto acumular 12 pontos em um período de 12 meses, ele receberá uma proibição automática de uma corrida. Nenhum piloto atingiu esse total ainda na F1, mas Lewis Hamilton estava parecendo muito perto quando ele originalmente conseguiu mais dois pontos na Rússia, elevando seu total para 10, antes de serem rescindidos pelos comissários. Lewis Hamilton critica os pênaltis ‘ridículos’ no GP da Rússia.

3. Hamilton (ainda) com 90 vitórias

E esses pontos de penalidade entraram em foco porque as penalidades que Hamilton pegou por realizar largadas de treino no lugar errado custaram a ele uma chance de vitória na Rússia. Isso significa que ele ainda tem 90 vitórias, e perto de igualar o recorde de todos os tempos de Michael Schumacher.

Dado que Nurburgring é a sede de Schumacher – ele nasceu em Hurth, a menos de 100 km de distância, seria um tanto adequado se Hamilton se igualasse ao benchmark no circuito, especialmente porque não se esperava que fosse sediar uma corrida este ano antes da pandemia.

É provável que Hamilton enfrente menos perguntas sobre isso durante a preparação, mas enquanto ele continua com 90 vitórias, há sempre a possibilidade de um marco importante ser alcançado na tarde de domingo.

119741844
Hamilton venceu uma de suas quatro aparições na F1 em Nurburgring, em 2011. Lá, ele ficou ao lado do diretor de operações da McLaren Simon Roberts – agora diretor da equipe em exercício da Williams
4. Um Schumacher na frente de sua torcida

Mesmo enquanto Hamilton está tentando igualar o recorde de Michael, o filho de Schumacher, Mick, está garantindo que o sobrenome famoso esteja nas manchetes por seus próprios motivos.

Antes de Lewis conquistar a pole na Rússia, Mick venceu a corrida especial de Fórmula 2 e garantiu o terceiro lugar na corrida de curta distância para aumentar sua liderança no campeonato. Agora ele fará sua estreia no FP1 em Nurburgring, dirigindo pela Alfa Romeo, e o fará na frente de até 20.000 fãs.

Schumacher testou máquinas de F1 antes, mais recentemente para a Ferrari em Fiorano e anteriormente para a Alfa Romeo no teste de temporada do Bahrain, mas sua corrida FP1 será a primeira vez que Schumacher participará de uma sessão de F1 durante um fim de semana de corrida desde Michael em sua corrida final no Brasil em 2012.

5. Atualizações mais significativas da Ferrari

A Ferrari teve um fim de semana encorajador na Rússia, onde um pequeno número de atualizações foram introduzidas em seu carro, e Charles Leclerc terminou em um impressionante sexto lugar. No entanto, tanto Leclerc quanto o chefe da equipe Mattia Binotto minimizaram o impacto das novas peças em Sochi, dizendo que o resultado se deveu mais a um melhor equilíbrio do carro.

Mas eles também apontaram para atualizações maiores chegando para Nurburgring, onde a Ferrari está procurando um aumento de desempenho mais substancial. Esta temporada não foi a mais tranquila para a Ferrari, mas se eles puderem começar a progredir no desenvolvimento do carro, ainda têm corridas suficientes para se colocarem na luta pelo terceiro lugar no campeonato de construtores.

1276978631
Será que a Ferrari vai recuperar algum desempenho com suas novas atualizações no Grande Prêmio da Eifel?
6. O mercado de pilotos

E a Ferrari provavelmente será o centro das discussões do mercado de pilotos que estão acontecendo no momento. Enquanto nomes experientes como Sergio Perez e Nico Hulkenberg estão disponíveis para a próxima temporada, também estão disponíveis uma série de talentos que atualmente fazem parte da Ferrari Driver Academy.

Schumacher é o mais conhecido e faz sua estreia no FP1 pela Alfa Romeo na sexta-feira, mas ele vai compartilhar um pouco dessa luz com Callum Ilott. O jovem piloto britânico está atualmente em segundo lugar atrás de Schumacher na classificação da F2 e é recompensado por seu progresso impressionante com uma aparição no FP1 para Haas.

Ambos são boas perspectivas e buscam ganhar uma vaga no próximo ano, enquanto Robert Shwartzman – quinto no campeonato de F2 em seu ano de estreia depois de vencer o título de Fórmula 3 na temporada passada – também terá um passeio FP1 em Abu Dhabi para avaliar seu potencial.

Grande Prêmio do 70º aniversário da F1
Alfa Romeo e Haas têm assentos abertos para 2021 – e eles não têm escolha
7. Uma luta acirrada pelo P3

A Mercedes pode parecer que está com o campeonato de construtores todo fechado e a Red Bull está confortável com o segundo lugar, mas a luta pelo terceiro é fascinante. A McLaren está atualmente no terceiro lugar, mas depois de não conseguir marcar na Rússia, está apenas dois pontos à frente da Racing Point.

A Renault também está em forma, marcando 63 pontos nas últimas quatro corridas – incluindo quatro resultados nos cinco primeiros – em comparação com 44 da McLaren e 41 do Racing Point. Isso os deixa apenas sete pontos atrás da McLaren e a mais consistente das três equipes.

Mas a Ferrari também não pode ser excluída, como mencionamos em suas atualizações antes. Eles estão a 32 pontos do terceiro, depois de marcar apenas 13 pontos nas últimas quatro rodadas, mas se as atualizações do carro trouxerem um passo decente no desempenho, eles têm o potencial de colocar pressão sobre os que estão à frente.

Fonte: Fórmula 1

Assine Prêmio: 
Contar hoje com uma mídia isenta, ética e informativa é a busca de todo leitor. Nosso Jornal e Revista oferecem informações gerais que podem ser lidas por toda a família, em uma abordagem que prima pela ética e respeito. Torne-se um assinante Prêmio e obtenha 25% de desconto aplicando o código (WELIMA).

Print Friendly, PDF & Email