fbpx
News

Paraná promove debate sobre a Reforma Tributária

Compartilhar

Live mediada pelo secretário da Fazenda Renê Garcia Junior debateu os quatro textos em tramitação no Congresso Nacional. Todas as propostas propõem mudanças na base tributária de consumo e estabelecem a união de impostos com o objetivo de simplificar o sistema tributário, com alíquotas únicas.

As propostas de reforma tributária em análise no Congresso Nacional foram detalhadas e debatidas na manhã desta quarta-feira (07) pelos participantes da Live “Caminhos para a Reforma Tributária”, promovida pela Secretaria de Estado da Fazenda e pela Assembleia Legislativa do Paraná, com mediação do secretário da pasta, Renê Garcia Junior.

Dentre todos os quatro textos analisados – as Propostas de Emenda Constitucional nº 110/2019 (Senado) e 45/2019 (Câmara), o Projeto de Lei Ordinára 3887/2020, de autoria do Executivo, e o substitutivo nº 192 à PEC 45/19, do Comsefaz –, alguns consensos: é preciso aliviar a carga tributária da população de menor renda, acabar com a guerra fiscal entre os estados e restabelecer o nível de confiança no ambiente de negócios, além da necessidade de adaptação ao universo dos negócios eletrônicos.

Todas as propostas propõem mudanças na base tributária de consumo e estabelecem a união de impostos com o objetivo de simplificar o sistema tributário, com alíquotas únicas. O projeto do governo, porém, mexe apenas em tributos federais. Já as PECs e o substitutivo são mais amplos e incluem mudanças também na tributação sobre consumo de estados e municípios.

As principais divergências se concentram no número de tributos que devem ser unificados, nos períodos de transição, na questão da autonomia dos estados para a gestão das receitas e na criação de um imposto de valor agregado (IVA) dual, e não único, como pretende o Ministério da Economia.

PEC 110 – A PEC 110/19, em análise no Senado, acaba com nove tributos (ISS, ICMS, IPI, PIS, Pasep, Cofins, Cide, IOF, Salário Educação) e cria um imposto sobre operações com bens e serviços, o IBS.

O ex-secretário da Fazenda do Paraná e ex-deputado federal Luiz Carlos Hauly ressaltou os três principais pilares da PEC 110: a simplificação radical, a tecnologia e a diminuição da carga tributária para os mais pobres. “A proposta prevê um imposto com cinco alíquotas nacionais únicas. No que tange à cobrança eletrônica por meios de pagamento, é importante porque acaba com o imposto declaratório. Hoje, se o empresário está com pouco caixa, a primeira coisa que faz é deixar o imposto de lado para esperar um parcelamento”, analisou.

Em relação à população de baixa renda, ele destacou a redução das alíquotas dos itens essenciais. “A alíquota média mundial para comida e remédio é de 6% e 7%, e no Brasil infelizmente é de 34% e 33%”, comparou. Os ganhos com a redução da carga, acrescentou, podem chegar a 7% do PIB ao ano – aproximadamente R$ 500 bilhões.

PEC 45 – A Proposta de Emenda Constitucional 45/19, do deputado Baleia Rossi (MDB-SP), em análise na Câmara, acaba com cinco tributos (PIS, Cofins, IPI, ICMS e ISS) e também cria um imposto sobre bens e serviços. Para Bernard Appy, diretor do Centro de Cidadania Fiscal (instituição que elaborou a proposta contida na PEC), a criação de um imposto único, gerido conjuntamente por União, estados e municípios, é fundamental para garantir a devolução dos créditos acumulados e dar mais segurança e confiança aos contribuintes e entes da federação.

A proposta prevê um prazo total de dez anos para a substituição dos atuais tributos. “Essa transição é importante para dar segurança jurídica. Estamos falando em reduzir 3% do PIB de benefícios fiscais sem aumentar a carga tributária, mas muitas empresas fizeram seus investimentos em cima dos benefícios atuais, que são muito distorcidos. Se houver uma transição muito rápida, essa empresa que fez o investimento pode perder competitividade e ter perda de capital”, explicou Bernard Appy.

Ao contrário do que ocorre na PEC 110, nessa proposta o IBS prevê a manutenção da autonomia dos entes federados na gestão das alíquotas, ou seja, União, estados e municípios poderão fixar percentuais acima ou abaixo da alíquota de referência, e assim gerir sua arrecadação.

COMSEFAZ – Os estados também apresentaram sua proposta de Reforma Tributária por meio do substitutivo 192 à PEC 45, protocolado pelo Comitê Nacional de Secretários da Fazenda, Finanças, Receitas ou Tributação dos Estados e Distrito Federal (Comsefaz). “Pela primeira vez houve um consenso entre todos os 27 entes federados”, destacou o secretário da Fazenda de Pernambuco, Décio Padilha.

A sugestão dos estados mantém a unificação de cinco tributos em um Imposto sobre Bens, Direitos e Serviços (IBS) mas cria também um Imposto Seletivo, de âmbito federal, que incidiria sobre álcool, cigarro e armas. “O imposto único é fundamental, o contribuinte fará o recolhimento em um único documento de arrecadação de receita”, disse.

O substitutivo ainda cria um Fundo de Desenvolvimento Regional e Incentivo às Exportações, que receberia repasses da arrecadação da União com os impostos e somaria até R$ 480 bilhões em dez anos. O montante será destinado a compensar as perdas dos estados com mudanças na repartição dos recursos e na arrecadação de exportações.

PROPOSTA CBS – Por fim, a proposta do governo federal está no Projeto de Lei 3887/20, em discussão na Câmara dos Deputados, que prevê a Contribuição sobre Bens e Serviços (CBS) em substituição a duas atuais (PIS e Cofins).

A defesa do texto foi feita pelo subsecretário de Tributação e Contencioso da Receita Federal, Sandro de Vargas Serpa. Ele explicou que, apesar de a União ter encaminhado um PL prevendo a CBS, a intenção ainda é criar um IBS (Imposto sobre Bens e Serviços), uma espécie de imposto sobre valor agregado, envolvendo também tributos estaduais e municipais.

O governo federal está ainda analisando qual seria o melhor modelo de IBS, principalmente em relação à distribuição. Segundo Serpa, existe a possibilidade de se adotar um modelo “dual”, onde haveria o IVA federal e um IVA dos estados. Esta possibilidade não existe nas outras propostas em tramitação, que preveem apenas o modelo único.

Serpa adiantou que o governo proporá ao Congresso aprovação da reforma em fases. A primeira delas seria com a votação da CBS. Posteriormente, um segundo pacote proporia mudanças no Imposto de Renda de Pessoas Físicas e Jurídicas e no IPI, além da desoneração da folha salarial.

CONSENSO – O secretário da Fazenda de Pernambuco, Décio Padilha, reforçou que a questão de um IVA “dual” é uma grande divergência, bem como os prazos de transição e o número de tributos a serem fundidos.

“Por outro lado, as propostas têm muitas convergências entre si, e essas divergências podem ser facilmente resolvidas na esfera política”, opinou Bernard Appy.

A live contou também com a participação do deputado estadual Luiz Claudio Romanelli, representando a assembleia legislativa do Estado.

Assista à íntegra do debate no link http://www.youtube.com/watch?v=MKOTm-mKQvE&fbclid=IwAR0CWxecXXc7TqLCSJgyBksIPeLgget6lZw0K_2N4wliYLXY9i2i8hgF2sI

Fonte: Agência de Notícias do Paraná

Assine Prêmio: 
Contar hoje com uma mídia isenta, ética e informativa é a busca de todo leitor. Nosso Jornal e Revista oferecem informações gerais que podem ser lidas por toda a família, em uma abordagem que prima pela ética e respeito. Torne-se um assinante Prêmio e obtenha 25% de desconto aplicando o código (WELIMA).

Print Friendly, PDF & Email

Wesley Lima

Colunista associado para o Brasil em Duna Press Jornal e Magazine, reportando os assuntos e informações sobre atualidades culturais, sócio-políticas e econômicas da região.
Botão Voltar ao topo
Translate »