Latifi decepcionado com a falta de ritmo

Latifi decepcionado com a falta de ritmo

Nove das 10 equipes do grid marcaram pontos no domingo, mas houve frustração para uma e foi Nicholas Latifi quem sentiu que mais perdeu com a Williams.

A Williams ainda não pontuou nesta temporada, chegando perto do 11º lugar para Latifi na Áustria e Monza e outro para George Russell em Mugello. Em Nurburgring, no entanto, Latifi ficou em 14º e lamentou a falta de ritmo.

“Estou desapontado com a falta de ritmo e um pouco de frustração, obviamente”, disse Latifi. “Não havia realmente uma coisa de destaque que estivesse meio errada com o carro … parecia meio na janela, mas definitivamente perdemos muito ritmo em comparação com os carros com os quais normalmente queremos lutar – Haas e o Alfa Romeos”.

“Na última parte da corrida, fomos colocados em posição de tentar lutar um pouco, embora com pneus muito piores, lutando contra carros que eram mais rápidos e pneus novos. Então eu fiz o meu melhor, tive alguns momentos de corrida, especialmente com [Daniil] Kvyat nas últimas cinco ou seis voltas consecutivas que eu estava defendendo na Curva 1, 2, 3 a cada volta. Então foi divertido, pelo menos gostei dessa parte”.

“É sempre uma boa experiência … mas não posso deixar de me sentir um pouco desapontado por esta corrida, pois acho que no ritmo relativo da corrida foi provavelmente um passo atrás em comparação com as anteriores”.

Houve uma área onde Latifi notou falta de desempenho durante a corrida, mas ele acha que o carro Williams não estava apresentando o nível que mostrou ser capaz.

“Nós sabemos onde o carro está fraco. Há algumas áreas em que pude ver claramente os carros atrás de mim onde estou perdendo um pouco. Especificamente em todas as grandes zonas de frenagem, eu estava perdendo muito”.

“Eu estava puxando o máximo que podia, mas não era o suficiente e eu estava perdendo o tempo de volta lentamente em comparação com os outros caras. Então, simplesmente não era para ser, teremos que analisar o porquê”.

Latifi subiu para 12º por não parar sob o Safety Car, mas ficou impotente para se defender com pneus mais velhos de nomes como Sebastian Vettel e Kimi Raikkonen, mas ele tinha sentimentos mistos sobre essa aposta.

“Eu acho que poderia ter sido de qualquer maneira. Havia uma chance muito boa de que pudesse ter terminado da mesma forma para nós com base no ritmo do carro, mas pelo menos não pitting nos deu a chance de subir nas posições mais altas e, com sorte, tirar vantagem de algum infortúnio para os outros, mas nós simplesmente não tinha ritmo e não havia como deixar alguns daqueles carros para trás”, concluiu.

Fonte: Fórmula 1

Assine Prêmio: 
Contar hoje com uma mídia isenta, ética e informativa é a busca de todo leitor. Nosso Jornal e Revista oferecem informações gerais que podem ser lidas por toda a família, em uma abordagem que prima pela ética e respeito. Torne-se um assinante Prêmio e obtenha 25% de desconto aplicando o código (WELIMA).

Print Friendly, PDF & Email