Três mortos e vários feridos em ataque terrorista na Basílica de Notre Dame na França

Três mortos e vários feridos em ataque terrorista na Basílica de Notre Dame na França

Três pessoas foram mortas e várias outras feridas em um ataque terrorista na cidade de Nice, no sul da França, na quinta-feira.

Diz-se que o agressor atacou pessoas com uma faca dentro da basílica de Notre-Dame, no coração da cidade. Um suspeito já foi preso. Uma fonte policial disse que ele foi ferido quando as forças de segurança intervieram e foi levado para o hospital.

Duas pessoas – um homem e uma mulher – foram mortas dentro da igreja e uma terceira pessoa, gravemente ferida, morreu em um bar próximo onde haviam se refugiado, informou a AFP citando fontes policiais.

A condição das várias pessoas feridas não é clara.

O presidente Macron deve ir para Nice depois de presidir uma reunião especial de crise do governo na quinta-feira de manhã. O departamento nacional antiterrorista da França iniciou uma investigação que será realizada pela polícia judiciária e equipes de segurança interna.

Cenas de pânico ao redor de Notre Dame

O ataque traz de volta memórias terríveis tanto para o povo de Nice que sofreu outros ataques terroristas nos últimos anos, quanto para toda a França. Vem como um choque adicional na véspera de um novo bloqueio nacional para combater a pandemia coronavírus.

O agressor atingiu pouco antes das 9h locais, na grande igreja perto de uma das avenidas mais movimentadas da cidade na Côte d’Azur, na França.

Daniel Conilh, um funcionário de bar de 32 anos que serve em um café próximo, descreveu a cena enquanto se desenrolava.

“Todo mundo fugiu, houve tiroteio. Uma mulher saiu direto da igreja dizendo para nós: ‘corra, corra, alguém caiu, vai ter tiroteio, pessoas estão mortas'”, contou, acrescentando que pediu calma quando clientes em pânico fugiram do café.

Separadamente, um homem armado com uma pistola e supostamente ameaçando transeuntes foi morto a tiros pela polícia em Avignon, também no sul da França. A polícia diz que ninguém mais ficou ferido e não havia provas “nesta fase” de um ataque islâmico.

Na Arábia Saudita, um segurança da embaixada francesa foi esfaqueado por um homem que foi preso, informou a embaixada em um comunicado. O guarda foi ferido e levado para o hospital, mas não se diz que sua vida está em perigo.

Prefeito culpa ‘Islamo-fascismo’

O prefeito de Nice, Christian Estrosi, foi um dos primeiros a dar detalhes do ataque nas redes sociais. “Confirmo que tudo sugere que foi um ataque terrorista”, acrescentou.

“Basta, agora é hora da França se isentar das leis de paz para acabar com o islamismo-fascismo de uma vez por todas do nosso território”, acrescentou Estrosi.

Marine Le Pen, chefe do Rassemblement National (RN, “National Rally” de extrema-direita, pediu aos líderes políticos que intensifiquem sua resposta.

“A aceleração dramática dos atos islâmicos de guerra contra nossos cidadãos e nosso país impõe aos nossos líderes uma resposta abrangente destinada a erradicar o islamismo de nosso solo”, disse ela no Twitter. “É uma ideologia que está travando uma guerra contra nós”, acrescentou.

Uma chamada semelhante veio de Eric Ciotti, membro da Assembleia Nacional Francesa que representa o departamento alpes-marítimos. Ele disse que era necessário “mudar o quadro para erradicar os islâmicos”, dizendo que o arsenal judicial atual era inadequado para lidar com “esta guerra”.

‘Ato covarde contra pessoas inocentes’

A condenação foi rápida em muitas fontes, políticos e grupos religiosos – cristãos e muçulmanos – denunciando a barbárie.

“Só posso condenar fortemente a covardia deste ato contra pessoas inocentes”, disse Abdallah Zekri, do Conselho Francês da Fé Muçulmana (CFCM), em um comunicado.

O Conselho episcopal francês (CEF) disse que eles ficaram chocados com um ato “indescritível”, acrescentando que esperavam que “os cristãos não se tornassem um alvo de abate”. “Este gangrena que é o terrorismo deve ser combatido urgentemente, da mesma forma que há uma necessidade urgente de instalar a fraternidade em nosso país de forma concreta”, disse o porta-voz Hugues de Woillemont.

No exterior, o chefe do Conselho Europeu, Charles Michel, tuitou para expressar sua solidariedade à França e ao povo francês. “Toda a Europa está com você”, disse ele.

A presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, também foi ao Twitter para condenar “o ataque odioso e brutal”, acrescentando que a Europa estava unida à França contra a “barbárie e o fanatismo”.

A chanceler alemã Angela Merkel disse estar “profundamente chocada”, e seus pensamentos estavam com os parentes das vítimas, publicou um porta-voz do governo alemão no Twitter.

Outras mensagens de apoio incluíram desejos do presidente do Parlamento Europeu, David Sassoli, e do primeiro-ministro italiano Giuseppe Conte.

Resposta Policial rápida

Vários policiais e outros trabalhadores de emergência rapidamente intervieram em Nice, segundo relatos. A polícia foi citada dizendo que a situação está sob controle e não há necessidade de pânico. As pessoas foram instadas a ficar longe da área.

A reunião de crise do governo também foi confirmada pelo Ministro do Interior Gerald Darmanin. Ele disse que já tinha discutido a situação com Estrosi, o prefeito.

O ataque vem menos de duas semanas depois que um professor, Samuel Paty, foi decapitado por um adolescente radical islâmico.

O prefeito de Nice pediu que todas as igrejas e outros centros religiosos em Nice sejam colocados sob vigilância ou fechados.

A cidade costeira do sudeste já foi duramente atingida pelo terrorismo. Mais de 80 pessoas morreram e quase 500 ficaram feridas no Dia da Bastilha em 2016, quando um terrorista islâmico arou um caminhão através de multidões reunidas na Promenade des Anglais para assistir fogos de artifício.

Print Friendly, PDF & Email