News

Porto de Paranaguá realiza primeira operação de importação de soja

Compartilhar

Navio Discoverer vai descarregar 30,5 mil toneladas do grão, importado dos Estados Unidos. Preço do produto no mercado internacional e vantagens cambiais fizeram com que praticamente toda a produção brasileira fosse vendida ao exterior.

O Porto de Paranaguá realizou quinta-feira (3), a primeira operação de importação de soja. O navio Discoverer trouxe 30,5 mil toneladas do produto, dos Estados Unidos, para abastecer o mercado interno brasileiro. Apesar de ser considerado pequeno, este é o maior volume comprado pelo Brasil dos EUA desde 1997.

“O Brasil é um gigante na produção de soja, mas o preço do produto no mercado internacional, aliado às vantagens cambiais, fez com que praticamente toda a produção fosse vendida ao exterior. Com isso, foi necessário importar o grão para atender a demanda interna”, explica o diretor-presidente da Portos do Paraná, Luiz Fernando Garcia.

Segundo o Ministério da Economia, entre janeiro e outubro, o Brasil importou 625 mil toneladas da oleoginosa, a maior quantidade desde 2003. A maior parte veio do Paraguai (589 mil toneladas) e Uruguai (36,3 mil toneladas). No Paraná, os registros dos últimos dez anos mostram que não houve desembarque de soja estrangeira.

“Os portos paranaenses são referência na exportação do produto e a importação, por aqui, é inédita. Parte da carga vai direto para a indústria e o restante fica armazenado em Paranaguá, até o transporte ao destino final”, conta Garcia.

O produto importado passou por inspeções e liberações da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), Ministério da Agricultura e Receita Federal.

OPERAÇÃO – O navio Discoverer, de bandeira das Ilhas Marshall, tem 179,9 metros de comprimento por 28,4 metros de largura (boca). A embarcação tem cinco porões. A previsão de duração da operação é de cinco dias, com produtividade de 6.000 toneladas por dia, dependendo das condições meteorológicas, já que com chuva o produto não é descarregado.

A agência marítima responsável pelo navio durante a estadia no Porto de Paranaguá é a Alphamar. O operador portuário, que fará o desembarque, é a Centro Sul Serviços Marítimos.

A descarga será com auxílio de guindaste, como acontece com cereais e demais granéis sólidos de importação.  “Com um equipamento chamado grab, a soja é retirada do porão e despejada em um funil, de onde cai na caçamba dos caminhões. É uma operação simples, que segue o padrão de outros cereais que a gente já descarrega em Paranaguá”, detalha João Paulo Barbieri, gerente da Centro Sul.

Segundo ele, esta é a primeira vez que a empresa descarrega soja. “É uma operação até curiosa. Trabalhamos com todos os outros cereais que, comumente, são importados, como malte, cevada e trigo. Soja, é a primeira vez”, conta.

O navio está atracado no berço 214, um dos berços do Corredor de Exportação. “Isso mostra bastante da capacidade e flexibilidade do Porto de Paranaguá de atender todas as demandas”, avalia Barbieri.

EXPORTAÇÃO – Pelo Corredor de Exportação do Porto de Paranaguá, de janeiro a novembro, foram exportadas 17,6 milhões de toneladas de soja, em grão e farelo. O volume é 15% maior que as 15,3 milhões de toneladas registradas na exportação de soja em 2019.

Fonte: Agência de Notícias do Paraná

Assine Prêmio: 
Contar hoje com uma mídia isenta, ética e informativa é a busca de todo leitor. Nosso Jornal e Revista oferecem informações gerais que podem ser lidas por toda a família, em uma abordagem que prima pela ética e respeito. Torne-se um assinante Prêmio e obtenha 25% de desconto aplicando o código (WELIMA).

Print Friendly, PDF & Email

Wesley Lima

Colunista associado para o Brasil em Duna Press Jornal e Magazine, reportando os assuntos e informações sobre atualidades culturais, sócio-políticas e econômicas da região.
Botão Voltar ao topo
Translate »