News

Safra de café deve ter superprodução de 63,08 milhões de sacas em 2020

A alta produtividade do café arábica e o clima favoreceram a colheita.

A safra de café 2020 no Brasil deve alcançar a superprodução de 63,08 milhões de sacas beneficiadas de café arábica e conilon, a maior da história, conforme estimativa divulgada nesta quinta-feira (17) pela Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), no 4º Levantamento da Safra de Café 2020.

O montante representa um crescimento de 27,9% em relação à colheita de 2019 e de 2,3% sobre o recorde anterior, de 2018, quando foram colhidas 61,7 milhões de sacas. A área colhida aumentou 3,9%, situando-se em 1,88 milhão de hectares.

Além da bienalidade positiva (alta produtividade) do arábica, o clima também contribuiu para o desenvolvimento das lavouras. A produção do grão arábica superou a de 2018, chegando a 48,77 milhões de sacas. Em relação ao ano passado, o aumento é de 42,2%.

Já o conilon, com produção estimada em 14,31 milhões de sacas, não teve o mesmo desempenho. Esse volume é 4,7% menor que o obtido na safra anterior, o que pode ser atribuído às poucas chuvas nas regiões produtoras do Espírito Santo, principal ofertante da variedade.

Produção nos estados 

O maior produtor de café é Minas Gerais, com 34,65 milhões de sacas e crescimento de 41,1% no comparativo com 2019, graças principalmente ao arábica que responde por mais de 90% do café do estado. O Espírito Santo, em segundo lugar, produziu neste ano 13,96 milhões de sacas,  redução de 12,41%. Das lavouras capixabas, saíram 9,19 milhões de sacas de conilon e 4,77 milhões de sacas de arábica. 

São Paulo vem em seguida, com 6,18 milhões de sacas e aumento de 42,4%. A Bahia também obteve aumento expressivo, de 32,9%, alcançando 3,99 milhões de sacas.

Rondônia produziu 2,44 milhões de sacas, crescimento de 11,2%. Outros estados, com menor expressividade na produção total, são Rio de Janeiro e Mato Grosso, onde a safra deste ano aumentou 51,4% e 30,5%, respectivamente. Já o Paraná e Goiás registraram quedas respectivas de 1,2% e 0,6%.

Mercado

Em novembro, as exportações brasileiras de café foram recordes. O aumento foi de 32% sobre o mesmo mês de 2019, com o embarque de 4,3 milhões de sacas (60 kg), considerando-se a somatória de café verde, solúvel e torrado/moído. De julho a novembro, foram 19,8 milhões de sacas, o que representa aumento de 15% sobre 2019.


Com o dólar valorizado, o café brasileiro se tornou ainda mais competitivo no mercado internacional e as vendas antecipadas ganharam ritmo. Em novembro, as exportações do produto somaram US$ 542 milhões, segundo o Observatório do Café. De julho a novembro, a receita cambial foi de US$ 5 bilhões (R$ 25,9 bilhões).

Levantamentos da Conab indicam que, em novembro, cerca de 74% da produção da safra 2020/21 já se encontrava comercializada, enquanto que em igual período de 2019 e na média dos últimos cinco anos essas porcentagens eram de, respectivamente, 71% e 69%.

>> Clique aqui para acessar as tabelas e o 4° Levantamento da Safra de Café 2020

Fonte: Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento

Assine Prêmio: 
Contar hoje com uma mídia isenta, ética e informativa é a busca de todo leitor. Nosso Jornal e Revista oferecem informações gerais que podem ser lidas por toda a família, em uma abordagem que prima pela ética e respeito. Torne-se um assinante Prêmio e obtenha 25% de desconto aplicando o código (WELIMA).

Print Friendly, PDF & Email

Wesley Lima

Colunista associado para o Brasil em Duna Press Jornal e Magazine, reportando os assuntos e informações sobre atualidades culturais, sócio-políticas e econômicas da região.
Botão Voltar ao topo