Ano de pandemia marca trabalho remoto para servidores estaduais em Santa Catarina

Ano de pandemia marca trabalho remoto para servidores estaduais em Santa Catarina

Muitos foram os desafios impostos com a chegada da pandemia de Covid-19 a partir de março de 2020 em Santa Catarina. No auge do necessário isolamento social para tentar evitar a rápida contaminação do vírus, evitando colapso nos atendimentos em saúde, mais de 45 mil servidores se adaptaram à produção de suas atividades de forma remota. Somente os serviços considerados essenciais para controle da crise ou atendimentos em saúde foram mantidos de forma presencial.

“A atuação remota já era uma realidade em algumas esferas do poder Judiciário e na iniciativa privada. Mas com a rápida ascensão da Covid-19, tivemos que acelerar a disponibilização de recursos para atuação remota dos servidores. Todas as reuniões passaram a ser realizadas em plataformas online, além disso, disponibilizamos acessos via VPN e criamos novas funcionalidades no Sistema de Gestão de Processos Eletrônicos- SGPE, que já vinha sendo usado pelos servidores para produção e tramitação documental entre os mais diversos setores catarinenses. Todas essas ações fizeram com que o Estado não parasse um dia sequer, mesmo em meio à pandemia”, explica o secretário de Estado da Administração, Jorge Eduardo Tasca.
A atuação remota dos servidores catarinenses é amparada pelas estratégias de prevenção à Covid-19 no Estado e permitido mediante Instrução Normativa da Secretaria de Estado da Administração.

A diretora de Gestão e Desenvolvimento de Pessoas da pasta, Renata Fett Largura, explica que a SEA delibera sobre as políticas de atuação dos servidores, entre outros temas correlatos. Mas o tipo de atuação dos servidores em suas áreas, se remota ou presencial, é controlada e definida pela chefia direta e pelo setor de Gestão de Pessoas de cada órgão. “Sabemos que pelas especificidades de alguns trabalhos, nem todos os servidores conseguem atuar de forma remota. Mas mantê-los à distância, garantindo a produtividade e contribuindo para evitar a proliferação do vírus já são conquistas bem importantes neste ano”.

Trabalho remoto veio para ficar

Desde que começou, o trabalho remoto tem mostrado excelentes resultados em Santa Catarina. Sem a necessidade de se deslocar até o órgão de atuação, a produtividade, em alguns casos, chega a ser 20% maior. Além disso, há considerável economia aos cofres públicos com diminuição de gastos com manutenção de estruturas físicas, como aluguéis, energia, rede lógica, material de expediente entre outros. Um levantamento realizado pela Secretaria da Administração, em setembro, aponta que as economias de custeio chegaram a ser de 25% neste ano, em virtude do trabalho remoto.

“Algumas classes de servidores que estão em grupos de risco, mesmo nos órgãos considerados essenciais, foram remanejados e se adaptaram a esta nova realidade para continuarem trabalhando de forma segura”, disse Renata.

Destaque para a Educação

Se o Estado teve de buscar estratégias para permitir a atuação remota dos servidores, estes também tiveram que se reinventar para continuarem trabalhando. A exemplo dos cerca de 15 mil professores estaduais, que levaram o trabalho para dentro de suas casas e alteraram suas rotinas para continuarem prestando atendimento aos alunos.

Fonte GSC Imagens SEA

Print Friendly, PDF & Email