Tecnologia

Fruto da lobeira: um potencial para a produção sustentável de bioetanol

Com o crescimento da população mundial e consequentemente a demanda por combustíveis fósseis, surgiu a necessidade de se buscar fontes de energia de origem renovável. Uma das soluções encontradas foi a introdução de biocombustíveis (combustíveis de origem vegetal), como o bioetanol de milho (EUA, União Europeia e China) e o de cana-de-açúcar (Brasil, Índia e Colômbia, principalmente), como fontes de energia.  

Todavia, com o aumento da procura por bioetanol, começou a existir uma competição entre a produção de alimentos e biocombustíveis, visto que o milho e a cana-de-açúcar também constituem a base para a alimentação humana e animal, cujas necessidades são crescentes. Isso desencadeou a busca por outras fontes de vegetais não utilizados na alimentação como matéria prima para o biocombustível.  Assim, a espécie vegetal Solanum lycocarpum, conhecida no Cerrado brasileiro por “lobeira”, tem se tornado, potencialmente, uma dessas fontes alternativas para a produção de bioetano.

Algumas características importantes levaram à escolha dessa espécie como potencial matéria-prima para a produção de bioetanol, tais como: (1) alta quantidade de amido nos frutos (51% da polpa seca) – baixo teor de amido resistente e alto teor de amido digestível (89,8%) – e (2) baixo conteúdo dos compostos como proteínas, alcaloides, ácido fítico e compostos fenólicos que atrapalham o processo de obtenção de bioetanol. 

Nesse contexto, pesquisadores da Universidade Federal de Goiás e do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Goiás buscaram, no amido extraído de lobeira (Solanum lycocarpum), mais uma fonte de energia renovável.

O processo experimental de produção de bioetanol a partir da lobeira (S. lycocarpum) é dividido em quatro etapas (figura 2). Primeiramente, o amido é extraído dos frutos da lobeira por um método já utilizado por outros cientistas (figura 2 – etapa 1). Depois de extraído, o amido é transferido para outro recipiente (reator) para dar início ao processo de hidrólise enzimática, ou seja, a quebra do amido em moléculas de glicose pelas enzimas.

O amido é um polímero natural constituído por várias moléculas de glicose (do tipo alfa-glicose) ligadas entre si. Para a liberação da glicose é necessária que haja a quebra das ligações entre essas moléculas. Essa quebra é feita por enzimas especializadas, chamadas de alfa-amilase e glucoamilase (figura 2 – etapa 2.1). Essas enzimas ficam presas (imobilizadas) em malhas partículas (nesse caso, a polianilina) e passam a ser insolúveis em água, o que garante a estabilidade e o reuso delas várias vezes no processo. Depois da liberação das moléculas de glicose, são adicionados à solução os microrganismos responsáveis por fermentar a glicose (figura 2 – etapa 3), transformando-a assim em bioetanol.

Os microrganismos empregados, chamados de Saccharomyces bayanus, são bem conhecidos por realizar diversos processos de fermentação. Após sua fermentação, a solução de bioetanol produzida é analisada por métodos estatísticos para avaliar dois parâmetros referentes aos custos e à eficiência do processo: (1) tempo de fermentação, e (2) concentração do amido hidrolisado (% de glicose equivalente).

Os resultados mostram que, com a utilização das enzimas, foi possível quebrar o amido dos frutos de lobeira em glicose e consequentemente transformar essa glicose em bioetanol. No reator, contendo as enzimas, obteve-se 91.6% de glicose com 10% do amido e 86.3% de glicose para 20% de amido com tempo de reação de 60 min. O melhor tempo de reação para a conversão de glicose em etanol foi de 48h sendo que essa conversão atingiu 92,13% de eficiência e foi estimada uma produtividade de 596,96 L ton-1.

Este estudo demonstra que as enzimas aplicadas no amido do fruto da lobeira trabalham de forma eficiente para quebrar o polímero de amido e liberar a glicose. Resultados similares já foram encontrados em pesquisas realizadas com amido de mandioca e de trigo. Entretanto, o que torna interessante e vantajoso o processo de obtenção de bioetanol a partir de lobeira é que as enzimas imobilizadas no processo de produção podem ser reaproveitadas, uma vez que não imobilizadas nos demais processos acabam sendo perdidas, aumentando os custos com a obtenção do bioetanol.

Apesar de pesquisas ainda serem necessárias para otimizar o processo/tempo de  obtenção de glicose e de fermentação, a lobeira pode ser uma fonte promissora e renovável para a produção de bioetanol, por ser uma planta amplamente distribuída no Brasil, principalmente em regiões de Cerrado, o que abre boas oportunidades para que novas pesquisas sejam aplicadas ao desenvolvimento de inovações tecnológicas para o manejo e uso sustentável da espécie, como uma opção para a produção de bioetanol. 

Pesquisador(es) Responsável(eis):

Ricardo R. Morais, Aline M.Pascoal, Marcos A.Pereira-Júnior, Karla A.Batista,  Armando G. Rodriguez, Kátia F. Fernandes*. *autor correspondente.

Instituição(ões):

Laboratório de Química de Polímeros, Instituto de Ciências Biológicas, Universidade Federal de Goiás; Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Goiás.

Fonte(s) Financiadora(s):

Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de Goiás (FAPEG); Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq).

Imagem destacada: Pixabay

Fonte: canalciencia.ibict.br

SEU APOIO VOLUNTARIO É MUITO IMPORTANTE!
Sua assinatura não somente ajudará no fornecerá notícias precisas, mas também contribuirá para o crescimento do bom jornalismo que ajudará a salvaguardar nossas liberdades e democracia para as gerações futuras.

Tornando-se assinante Prêmio!

Através do link abaixo você obtém 25% de desconto, também contribuirá com ações voltadas a proteção de animais em situações de abandono, e vítimas de maus tratos. Acesse o link ou escaneie o QRcode o abaixo e obtenha o desconto promocional e contribua com a causa animal!

Conheça como funciona o trabalho de uma OSCIP que resgata animais em situação de risco e abandono.

LINK ASSINATURA ANUAL PAGAMENTO ÚNICO

Obrigado pelo apoio!

Print Friendly, PDF & Email

Joice Maria Ferreira

Colunista associado para o Brasil em Duna Press Jornal e Magazine, reportando os assuntos e informações sobre as atualidades sócio-políticas e econômicas da região, história, arqueologia, tecnologia, ciências, literatura. Natural de Itajaí, Santa Catarina, social mídia.
Botão Voltar ao topo